Colocado em 2020-04-07 In A Aliança de Amor Solidaria em tempos de coronavírus

Eu sou o “Estou aqui”.

DELIBERAÇÕES E ACÇÕES CONCRETAS  EM TEMPOS DO CORONAVÍRUS, pelo Pe. Elmar Busse •

O Rhein-Zeitung informou sobre isto na semana passada. Hoje, no 5º Domingo da Quaresma, voltou a fazê-lo. Na Alemanha é permitido caminhar sozinho ou dois a dois. Caminhou a dois, em Dernbach, onde trabalha: Padre Elmar Busse, Padre de Schoenstatt, ou, na verdade, a três: com Jesus Cristo na Ostensório. Porque faz ele isto e o que significa para ele, ele relata-o em schoenstatt.org. —

 

Quando Deus revelou o Seu nome a Moisés, ao lado da Sarça Ardente: “Eu sou o “Estou aqui”, um novo capítulo da história da salvação começou, da história da aliança de Deus com os Homens. Podemos lê-lo no livro de Êxodo 3.14. O encontro entre Deus e Moisés ao lado da Sarça Ardente deu a judeus e cristãos nova esperança e abrigo, precisamente nos tempos caracterizados pela ocultação de Deus ou pelas trevas de Deus, e levou-os a procurar mais intensamente esse Deus oculto.

Naturalmente, havia naqueles tempos pessoas que não podiam suportar o vazio de Deus e se consolavam com realidades criativas e sensuais, que pelo menos preenchiam esse vazio. Isso começa com a dança diante do bezerro de ouro (Êxodo, 32) e pode ser visto hoje pelo bombardeio com novelas e, na pior das hipóteses, pelo uso de drogas.

O conhecido futurólogo e criador de tendências vienense Matthias Horx convida-nos a uma interessante experiência  mental em relação à crise do Coronavírus, que ele chama de “REnóstico” (em contraste com o “PROnóstico” com o qual estamos familiarizados). Catapultamo-nos para o futuro e olhamos para trás até hoje. Olhando para a crise do Corona, o que poderia surpreender-nos no final de 2020?

Pelo que seremos surpreendidos?

Olhando para trás, pelo que seremos surpreendidos?

Ficaremos surpreendidos por os sacrifícios sociais que tivemos que fazer raramente terem conduzido ao isolamento. Pelo contrário. Após um choque inicial, muitos ficaram mesmo aliviados pelo facto de as muitas carreiras, conversas e comunicações em vários canais terem subitamente parado. A demissão não significa necessariamente perda, mas pode mesmo abrir novas possibilidades. Alguns já experimentaram isto, por exemplo, aqueles que tentaram jejuar em intervalos, voltaram a apreciar o sabor dos alimentos.

Paradoxalmente, a distância física forçada pelo vírus também criou uma nova proximidade. Conhecemos pessoas que nunca teríamos encontrado de outra maneira. Entrámos em contacto com velhos amigos com mais frequência, fortalecendo laços que foram rotos ou afrouxados. Famílias, vizinhos, amigos aproximaram-se e às vezes até resolveram conflitos ocultos.

A cortesia social que antes tínhamos perdido aumentou …

Ao mesmo tempo, os costumes culturais aparentemente obsoletos experimentaram um renascimento. De repente, não encontramos a resposta do atendedor de chamadas quando telefonávamos, mas sim pessoas reais. O vírus criou uma nova cultura de chamadas telefónicas longas sem um segundo ecrã. As próprias mensagens assumiram subitamente um novo significado. Começámos realmente a comunicar de novo. Já ninguém está autorizado a fugir. Ninguém está autorizado a ir-se embora. Isto criou uma nova cultura de acessibilidade, de cortesia.

Pessoas que nunca descansaram da azáfama, incluindo jovens, de repente deram um passeio (uma palavra que antes era uma palavra estrangeira). A leitura de livros tornou-se subitamente um culto.

Os “realitys” pareceram repentinamente desconfortáveis. Todo o tele lixo, o lixo infinito da alma que tinha corrido por todos os canais, não desapareceu completamente. Mas rapidamente perdeu o seu valor.

Será que alguém se lembra dos debates políticos? O número infinito de guerras culturais… de que se tratava?

As crises funcionam principalmente dissolvendo fenómenos antigos, tornando-os supérfluos …

O cinismo, esta forma de manter o mundo à distância, desvalorizando o amor, foi subitamente posto de lado. O exagero do medo e da histeria nos meios de comunicação social foi limitado após um breve primeiro surto”.[1]

Quero apenas retomar a dinâmica de que, de uma distância futura, podemos ultrapassar a actual abordagem da crise. O perigo de manobrar num transe problemático é drasticamente reduzido com esta experiência de pensamento.

Como lidamos agora com a situação?

No entanto, a questão mantém-se: como lidar com a situação agora? Viktor Frankl fez-nos saber que somos seres em busca de sentido. O Homem pode ficar doente por falta de sentido. A logoterapia que ele desenvolveu (do logotipo grego = a palavra, o significado) começa aí. O terapeuta acompanha o buscador de sentido, para que ele possa dar sentido a uma situação sem esperança, que à primeira vista não tem nenhum; um sentido que não é necessariamente compreensível para os outros, mas que é coerente para a pessoa em questão e, por isso, é reconfortante, encorajador e dá paz.

Não estabelecer interpretações demasiado simples

De vez em quando encontro outra interpretação: a pandemia como castigo de Deus. Lembro-me de uma conversa com um colega protestante que uma vez disse: “Deus recompensa os bons e castiga os maus”. Infelizmente, não é assim tão fácil. Já no Salmo 73 sentimos a necessidade da fé dos orantes, porque vê que os maus estão a ir muito bem e os bons muitas vezes mal. Especialmente no livro de meditação Job, há a questão do sofrimento inocente em todas as direcções. Os “consoladores” que chegam a Job, só fazem aumentar ainda mais o seu sofrimento, porque assumem que ele deve ter feito algo de mau se o destino o atinge uma e outra vez. No final do livro, Deus deixa claro a Job que os confortadores não compreendem a forma como Deus trata as pessoas.

Também no Evangelho do IV Domingo da Quaresma podemos reconstruir a simples visão do mundo a partir das perguntas dos discípulos a Jesus. Diz assim: “No caminho, Jesus viu um homem que tinha estado cego desde o nascimento. Então os seus discípulos perguntaram-lhe: ‘Rabi, quem pecou? Ele próprio pecou, ou seus pais pecaram, para que nascesse cego? Jesus respondeu: ‘Nem ele nem os seus pais pecaram, mas a obra de Deus deve ser revelada nele'” (Jo 9,1-3). O resultado é que o comportamento destrutivo causa destruição, mas não castigo adicional. Aquele que semeia ódio colherá a guerra. Devemos, pois, ter cuidado e ter relutância em adoptar esta interpretação, que é demasiado simples para classificar a nossa situação.

Chegou a hora do Santuário-Lar

E, no entanto, a questão permanece: como reagimos à crise do coronavírus? Claro que, funcionalmente, temos em conta todas as instruções dos virologistas e o que se deve e não se deve fazer, tal como prescrito por pessoas politicamente responsáveis após cuidadosa consideração e avaliação da população. Mas, para além disso, como podemos reagir mental e espiritualmente como crentes cristãos?

Está na hora do Santuário-Lar.

O costume de viver com um Santuário-Lar  tem promovido a piedade em muitas famílias em todo o mundo, unidas por uma proximidade anímica e espiritual interior.

Por conseguinte, concordo com a professora de dogmática de Erfurt, Julia Knop, quando ela escreve: “Neste momento, as pessoas estão a encontrar formas novas, criativas e independentes de oração e solidariedade que as ligam umas às outras e a Deus. Membros de diferentes credos e religiões articulam  as suas vidas perante Deus em pensamentos, palavras e acções. Culpam-no pela insegurança, pela solidão e pelos mortos. Com a vela na janela, a oração ou a liturgia em casa, surge outra forma, “desinstitucionalizada” e ecuménica de ser cristão e Igreja ou simplesmente uma pessoa que acredita em Deus. [2]

Em relação aos dois conceitos “desinstitucionalizados” e “ecuménicos” do Professor Knop, ocorre-me que, numa reunião da rede ecuménica de Movimentos Espirituais, em funcionamento desde 1998, sob o rótulo “Juntos pela Europa”, um representante de uma Igreja livre disse: “Vós, os schoenstatteanos, sois muito mais uma Igreja livre no vosso coração do que ousais admitir! Isto foi precedido pelo testemunho de um casal de como eles vivem em família com o Santuário-Lar em casa.

Para além dos costumes típicos do Santuário-Lar dentro do Movimento de Schoenstatt, gostaria de apontar um exemplo histórico:

Blaise Pascal teve a sua experiência de Deus mais intensa de cerca de duas horas na sua casa, na noite de 23 de Novembro de 1654. Naturalmente, foi também um praticante fiel e apaixonado pela celebração da Eucaristia. Mas ele recebeu o presente especial em casa. Imediatamente a seguir, usou palavras-chave para registar os seus pensamentos e sentimentos num pergaminho, que coseu repetidamente entre o forro e a entretela dos seus casacos, para que o pudesse levar perto do seu coração.

Com todo o apreço pela celebração da Eucaristia, não pode haver fixação sacramental.

No Japão, o cristianismo sobreviveu durante 250 anos simplesmente através do Baptismo, do sacramento do Matrimónio, da oração, do amor ao próximo e da prontidão para o martírio. Desde a crucificação dos cristãos em Nagasaki, em 5 de Fevereiro de 1597, a expulsão de todos os missionários em 1614, até à redescoberta dos “cristãos escondidos” no Japão, em 17 de Março de 1865, os fiéis japoneses sofreram. No calendário litúrgico japonês, o dia 17 de Março é celebrado como o dia da memória de Nossa Senhora do Encontro com os fiéis japoneses. Deus é muito criativo em nos conhecer e fazer-nos experimentar a Sua proximidade. Demos-Lhe a oportunidade de nos conhecer de uma forma invulgar!

A vida da Igreja continua, e como!

Por conseguinte, considero que o título “A vida da Igreja está paralisada” [3] é simplesmente superficial.

Esta percepção selectiva ignora as muitas orações intensas de crentes individuais ou famílias; ignora a prática do amor ao próximo por parte de muitos cristãos comprometidos com os serviços de saúde, lojas e outros lugares.

As reuniões para liturgias e conferências tiveram de ser canceladas, é verdade. Mas isso não impede a vida da Igreja.

O termo “missas fantasma” parece-me igualmente questionável [4].  Deveríamos falar de “missas supletivas ou de missas vicariantes” em vez de “missas fantasma”? A ideia de supletivo ou vicariante tem desempenhado um papel importante desde que fui formado como acólito, no início dos anos 60. Nós, os acólitos, éramos os representantes da congregação no altar. Isto não mudou com a ordenação dos diáconos e dos sacerdotes. Segundo o entendimento católico do sacramento, a ordenação sacerdotal dá a oportunidade de agir “na pessoa” de Cristo. Caso contrário, não poderia dizer, nas palavras da consagração: “Este é o meu corpo”. Eu teria de dizer: “Este é o corpo de Cristo”. Mas isto não significava que a tarefa de substituir ou vigário tivesse sido extinta. Na segunda oração, o sacerdote diz: “Agradecemos-Te, Senhor, por nos teres chamado para te servir.

Na nossa situação actual, é útil olhar para Santa Teresa de Lisieux. Como poderia ela, que nunca saiu do convento, depois de entrar no mosteiro carmelita de Lisieux, tornar-se a Padroeira universal das missões?

Nos seus escritos autobiográficos ela medita: “A minha vocação é o amor… Sim, encontrei o meu lugar na Igreja e Tu deste-me este lugar, meu Deus… No coração da Igreja, minha mãe, eu serei amor… Desta forma serei tudo… É assim que o meu sonho se tornará realidade! … »

Conhecemos o slogan “pensar globalmente, agir localmente”. Teresa de Lisieux experimentou uma modificação cristã deste slogan. Espiritual e emocionalmente ela tinha este horizonte amplo, este anseio ilimitado. Ao mesmo tempo, conhecia o seu lugar querido a Deus, atrás das paredes do mosteiro. Teresa abriu-nos um caminho que também é possível para nós no mundo de hoje. Só externa e formalmente surge o espectro da salvação individual, para o qual alguns teólogos alertam. Se nos esforçarmos por expandir o horizonte teresiano, o acto de equilíbrio entre rezar na cela silenciosa e colocar perante Deus a necessidade do mundo inteiro não é uma missão impossível.

 

Então Jesus vem para o povo

Se os fiéis não podem ir à igreja para a Missa, Jesus vem a eles sob a forma da Eucaristia. Caminhei pelas ruas de Dernbach com a Irmã Barbara durante uma hora no Domingo passado, para abençoar os transeuntes, se eles assim o desejassem; Também conhecemos o “meu” baptizado Ben (25 de Janeiro de 2020) com os seus pais; tomámos conhecimento de um aniversário na casa vizinha e abençoámos aquele que fazia anos. Foi um grande prazer, especialmente porque os netos não podiam assistir à celebração.

“Eu sou o Estou aqui” – é assim que o Senhor se revela a Moisés na Sarça Ardente. Permitir que a omnipresença de Deus seja sensatamente vivida na Eucaristia; isto é um sinal de esperança e de consolo.

Depois das experiências maravilhosas do Domingo passado, regressei a Dernbach no dia 25 de Março para abençoar com o Ostensório. Desta vez, a Irmã Lizzy estava comigo. Um homem que tinha acabado de chegar de carro pediu-nos para irmos a sua casa, para visitarmos a sua mãe doente, que não pode sair de casa por causa de problemas de coluna. Ela sentiu que estava a receber um presente especial.

No Domingo, 29 de Março, fui de novo por Dernbach com a Irmã Lizzy, rezando o Terço da Misericórdia. Desta vez encontrámos um rapaz de cinco anos; ele estava com o irmão, que tinha três anos, e a mãe, de pé na porta da frente, a dois metros de distância, estava o seu companheiro do infantário com a mãe, que o tinha ido felicitar. Não perdemos a oportunidade de cantar uma canção de aniversário. Alguns dos vizinhos de Dernbach, que nos viram pela janela, saíram para o jardim e pediram a nossa bênção.

Entretanto, foram também afixados cartazes dentro e à volta do hospital que a população de Dernbach dedica ao pessoal de saúde para apreciar os seus esforços. O sinal “melhore depressa” foi colocado para que os pacientes do lado leste do hospital pudessem lê-lo e receber encorajamento através da janela.

Encorajamento: essa foi também a palavra-chave, pois muitos transeuntes reconheceram os nossos esforços com a Custódia e ficaram contentes. Por conseguinte, não consigo compreender o questionamento crítico da Professora Julia Knop. Ela escreveu: “Nem a água benta nem as hóstias são anti-virais”. E nem tudo o que é permitido e era comum há décadas faz hoje sentido.[5]

O patetismo progressivo com que ele acredita ter de descrever a falta de efeitos médicos enquadra-se mais no século XIX do que num comentário do século XXI. Tanto eu, como doador, como os vizinhos de Dernbach, como receptores de bênçãos, não temos tendência para uma compreensão mágica do sacramental. Podemos distinguir muito bem entre o nível funcional e o nível de vinculação. Perante a necessidade e a irritação causadas por uma situação excepcional sem precedentes, é simplesmente bom experimentar a proximidade e o amor de Deus de uma forma sensata. Quantas vezes já assinalei nos cursos de preparação para o casamento e nos encontros familiares que o amor invisível se baseia em sinais sensíveis, formas de expressão e palavras explicativas e interpretativas. Caso contrário, não será percebido pelo destinatário ou apenas com dificuldade.

Mais uma vez um olhar de lado para um santo, desta vez Dom Bosco. “Os jovens não só devem ser amados, como também devem sentir-se amados”, disse o companheiro espiritual dos jovens de Turim, S. Giovanni Bosco (1815-1888), na sua carta de Roma, que escreveu em 10 de Maio de 1884. Nele Dom Bosco apela a uma pedagogia da presença participativa e do amor. “O amor não aparece sem calor e familiaridade, e sem esta prova de amor não pode haver confiança”.

Na Eucaristia é-nos dada a possibilidade de um encontro sensível com Cristo, que não se limita apenas à comunhão, mas é também possível olhando para a Hóstia consagrada e adorando-A.  Já escreveu São João : “O que existia desde o início, o que ouvimos, o que vimos com os nossos olhos, o que olhámos e tocámos com as nossas mãos, a respeito da Palavra da vida” (1Jo,1)

É claro que se deve acrescentar a fé na crença da presença real de Cristo na Hóstia. Ambos juntos convertem-se numa experiência de fé.

Se, por um lado, o abrigo das realizações religiosas básicas na família torna-se novamente a base da vida religiosa e, por outro lado, as possibilidades que provaram ser tradicionais e se também se compreende no seu simbolismo, então não há necessidade de colocar os caminhos de um contra o outro.

Ou, como escreve a repórter do Rhein-Zeitung

Uma bênção nos tempos do Coronavírus: acompanhamento espiritual nas ruas, com o qual o padre Busse faz milagres.

Eu sou o “Estou aqui”.

 

Fotos: Hermana Lizzy Anthonappa
[1] Fonte:https://www.horx.com/48-die-welt-nach-corona
[2] https://theologie-aktuell.uni-erfurt.de/warnung-vor-retrokatholizismus-knop/
[3] https://www.kath.net/news/70966
[4] https://www.tag-des-herrn.de/debatte-um-geistermessen-waehrend-der-corona-pandemie
[5] https://theologie-aktuell.uni-erfurt.de/warnung-vor-retrokatholizismus-knop/

Original: alemão (30/3/2020). Tradução: Lena Castro Valente, Lisboa, Portugal

Etiquetas: , , , , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *