Ukrainische Flüchtlinge

Posted On 2022-03-22 In obras de misericórdia, Schoenstatt em saída

Refugiados ucranianos na casa dos Padres de Schoenstatt na Polónia

POLÓNIA/UCRÂNIA, Pe. Arkadiusz Sosna/mf. •

“A partir de hoje acolhemos pessoas da Ucrânia na nossa casa. Neste momento estou a viajar de comboio. Muita gente. A maioria delas são mulheres com filhos. Neste momento, aqui, está tudo calmo. Até ontem, chegaram mais de 700.000 refugiados. Em direcção à Ucrânia, os homens vão lutar. Cerca de 70.000 passaram”, escreveu o Padre Arkadiusz Sosna, da Polónia, a 5 de Março, pedindo orações pela paz.

Alguns ficaram por pouco tempo, “de passagem” para verem familiares no estrangeiro ou para encontrarem alojamento especial. Aqueles que não têm outro destino, ficam connosco indefinidamente.

Por exemplo, uma professora de língua e literatura ucraniana vive com os seus familiares. São provenientes de Zaporiżżia. O marido e o filho mais velho, 29 anos, ficaram na Ucrânia e estão a defender o seu país contra a agressão de Putin. O filho mais novo, 16 anos, veio para a Polónia com a mãe.

Zug mit Flüchtlingen

Comboio com refugiados

Uma história como tantas outras, mas única

A 24 de Fevereiro, enquanto o mundo ocidental chocado celebrava o início do Carnaval, uma família agora alojada na casa dos Padres foi acordada pelas explosões de bombas e foguetes. De 25 de Fevereiro a 1 de Março foram sujeitos ao fogo de bombardeamentos e projecteis. Todos os dias o uivo das sirenes antiaéreas soava. Várias vezes por dia e à noite. As paredes da casa tremeram e o abrigo era a única segurança. A casa destruída estava deserta porque os avós decidiram salvar os seus filhos e netos. A 4 de Março, conseguiram fugir de comboio para a fronteira polaca. Em doze horas chegaram a Lviv (Lemberg), com sacos e mochilas modestas contendo os documentos e pertences mais importantes. A paragem seguinte foi Chelm, na Polónia.

Depois apanharam o comboio para Varsóvia. Aqui foram recebidos por voluntários, depois registados e enviados para Józefów. Foram alojados com outros refugiados num ginásio de uma escola. Uma das mulheres deste grupo familiar está grávida. Veio com o filho de 10 anos. Graças à atenção da administração municipal, eles não ficaram no ginásio, mas foram trazidos para a nossa casa. Devido à boa cooperação entre as autoridades municipais e a nossa comunidade, somos agora capazes de satisfazer as expectativas e necessidades das pessoas mais afectadas. No entanto, isto é uma gota no oceano. Antes de virem ter connosco, estas pessoas levavam uma vida pacífica na Ucrânia como professores, trabalhadores de fábricas, alunos ou estudantes universitários.

O mais tocante para mim foi a saudação da mãe e da sua nora, que chegou a nossa casa apenas três dias após a mãe. Após o caloroso abraço, houve um telefonema para o filho, que está na guerra perto de Kiev. Ele perguntou: “Chegaram em segurança, está tudo bem?” E depois apenas uma jaculatória constante: “Tudo vai ficar bem, tudo vai ficar bem…” Será que se voltarão a ver um ao outro? A alegria de se poderem ouvir uns aos outros e de todos estarem bem foi grande por agora.

Flüchtlinge aus der Ukraine

A família da padaria em Kiev

São uma avó e uma mãe com dois filhos. Vieram de Kiev. Levavam uma vida tranquila com uma pastelaria e uma padaria. Havia paz, segurança, estabilidade financeira e felicidade familiar.

Na manhã de 25 de Fevereiro, um foguete caiu em frente à loja, mas não explodiu. Tornou-se muito perigoso. Os bombardeamentos constantes forçaram-nos a fugir para uma aldeia perto de Kiev. Eles fugiram de carro. Avós, pais e dois filhos. Viveram relativamente sossegados durante alguns dias. No entanto, a sensação de segurança foi de curta duração. Uma coluna de tanques russos aproximou-se da aldeia. A coluna parou a cinco quilómetros da aldeia. Todo o inferno se soltou. A fuga começou. No pânico, os avós perderam-se. No entanto, após dois dias conseguiram encontrar o seu caminho de volta. Ataques aéreos constantes e bombardeamentos, falta de electricidade, água e aquecimento forçaram-nos a fugir da Ucrânia. Eles fugiram, mas não todos: os homens ficaram para trás, as mulheres e as crianças foram de carro até à fronteira polaca. A viagem, interrompida por ataques aéreos e fogo de foguetes, terminou felizmente na Polónia. Estes refugiados ficarão connosco durante alguns dias e depois poderão viajar com os seus amigos.

O voluntário

E há um homem que vem uma e outra vez, enquanto conduz mulheres com filhos de Kiev para a Polónia, tal como Benjamin e Juan Arizu de Madrid. Depois de passar a noite e uma refeição rápida connosco, regressa para ir buscar mais mulheres e crianças. Ele diz: “Enquanto eu puder, eu vou”.

Quanto tempo vai durar tudo isto? Não sabemos. Para nós, a vida na nossa Sião assumiu um novo ritmo. Ligamos a vida comunitária com a situação dos nossos hospedes. Tentamos ajudar os refugiados tanto quanto podemos; e eles participam activamente na casa, as mulheres especialmente na cozinha e os homens na casa e no terreno. Eles querem alguma normalidade numa situação para a qual quase não há palavras.

No Domingo celebrei a Missa no nosso Santuário. Lágrimas, emoção, a saudação da paz, a comunhão recebida… Através da transmissão no YouTube, muitas famílias da Polónia juntaram-se a nós. Rezámos juntos pela paz. O Santuário é agora um lugar de oração comum e individual pela paz.


Feito com material do apelo dos Padres de Schoenstatt para donativos/Izabela Jahn

Contas para donativos
Conta para donativos na Polónia:
Titular da conta: Instytut Ojców Szensztackich, Prowinzja
Finalidade do donativo: Ucrânia
IBAN: PL04 1600 1462 1813 6457 5000 0002
BIC/SWIFT PPABPLPK

Conta para donativos na Alemanha:
Titular da conta: Schoenstatt-Patres International e.V.
Fim a que se destina: Ucrânia
IBAN: DE10 4006 0265 0003 1616 29
BIC: GENODEM1DKM
Las donaciones a través de la cuenta de donaciones en Alemania son deducibles de impuestos en Alemania

Ukraine

Original: alemão (19/3/2022). Tradução: Lena Castro Valente, Lisboa, Portugal

Tags : , , , , , ,

Leave a Reply

Your email address will not be published.