Colocado em 2020-07-30 In A Aliança de Amor Solidaria em tempos de coronavírus, obras de misericórdia, Projetos, Schoenstatt em saída

Paroquianos da Ermida de Tres Ríos, empreendedores na pandemia

COSTA RICA, Tatiana López de Donato •

A bela terra que em tempos foi um presente, foi transformada numa Ermida! Chegou unida ao seu povo e faz ecoar o nome da sua comunidade: “La Unión de Trés Ríos”, como se fossem “três rios” de água viva na Santíssima Trindade. Como se isso não bastasse, está na comunidade de Villa Hermosa, outra deuocidência, hoje terra para “Schoenstatt” = “bela terra” em português. Os paroquianos da Ermida têm sido colaboradores activos nas muitas actividades que aí têm sido organizadas.  Em cada evento, não podiam faltar as iguarias da cozinha da D. Blanquita, o artesanato do sr.Carmelo, o “chilero” da D. Lorena, as histórias do sr. Rigo, e sobretudo, para desfrutar e partilhar com estes membros muito importantes da nossa Família de Schoenstatt. —

Não sabíamos que seria a última data

A última vez que estivemos todos juntos, a 8 de Março, inaugurámos a primeira de muitas actividades que tínhamos programado para 2020. O terreno exuberante e verde da Ermida foi decorado com as bandeiras coloridas da Família, a alegria entre os presentes foi expressa com abraços, risos e sorrisos de cumplicidade pelo amor à Mater. O ar fresco da montanha passou através das árvores, convidando-nos a ouvir o canto dos anjos dando glória a Deus… e de repente, dois dias depois, tudo mudou. A pandemia chegou e com ela as restrições do Covid-19.

 

Vivem no dia-a-dia e não há ninguém para comprar os seus produtos

Os nossos vizinhos estão a enfrentar uma dura realidade para a qual não se está preparado(a). A grande maioria vive diariamente com poucos recursos e sem poupanças. A economia do país permanece fechada e não há ninguém para comprar os seus produtos ou contratar os seus serviços.  O pão, o artesanato, a pimenta, são deixados nas prateleiras.

A oficina mecânica de Alejandro não tem clientes; Arturo não tem trabalho de alvenaria; o sr. Juan não tem onde entregar os seus almoços. Os nossos vizinhos adoptivos estão a sofrer, a sua criatividade, esperanças e sonhos estão a ser cerceados e em breve poderá a fome estar a bater às suas portas.

Colaborámos com a entrega mensal de “diários alimentares” (NR: rações alimentares ou embalagens de alimentos), mas a magnanimidade não se deixou vencer em generosidade e demos um passo em frente: apoiá-los como pequenos empresários.

 

Com os dons, para trabalhar e multiplicar

D. Lorena faz os sacos em que embalamos os diários alimentares que distribuímos a outras comunidades; as suas costuras de amor são muito úteis para aqueles que as recebem. D. Blanquita faz-nos, com todas as instruções sanitárias, as máscaras que introduzimos nos diários. As retribuições económicas destas pequenas vendas permitiram-lhes enfrentar o pagamento de serviços públicos e outras obrigações; mas especialmente, deram alívio à sua saúde. Com dores e desconfortos muito fortes, mas que não foram classificados como emergência para admissão num hospital público, o dinheiro destas vendas permitiu a D. Lorena ir a serviços médicos privados e obter alívio. Senhor, parecemos ver-Te sorrir, e tendo em conta a Tua declaração insonora perguntamos-Te: “Quando é que Te vimos doente e fomos ver-Te?”

O sr. Carmelo, um artesão de 85 anos, perdeu, da noite para o dia, a sua principal clientela para as suas criações devido ao encerramento dos encontros de idosos organizados pela Paróquia e já não tinha compradores.  Perguntámo-nos, como incorporarmos o sr. Carmelo neste projecto de empresários?  Encontrámos a resposta no seu próprio jardim, quando vimos orégãos, boa erva, salsa e coentros ali plantados. O sr. Carmelo prepararia pequenas caixas para hortas com ervas aromáticas.

 

Descobrimos novas competências em cada vizinho

Miguel diz-nos que tinha sido informado da suspensão do seu trabalho; mas as suas responsabilidades e obrigações não foram suspensas. Ao falar com ele, revelou a sua facilidade para trabalhar a madeira, por isso, juntos decidimos iniciar um projecto para fazer um novo conceito de tábua para cortar pão.

Da mesma forma, cada um dos nossos irmãos de Villa Hermosa, estrangeiros e nacionais, tem sido um pensamento constante para este projecto. Concentrámo-nos em encontrar ideias e alternativas que lhes permitissem ocupar o seu tempo, sentir-se úteis e gerar rendimentos para cobrir as muitas necessidades que têm. Parece que não terminamos de compreender este mistério de amor e ao ver o Teu rosto cheio de luz novamente, Senhor, na nossa pequenez perguntamos-Te: “Quando é que Te vimos como um estrangeiro e Te acolhemos; ou nu e Te vestimos?”

Em cada artigo que compramos, há um rosto e uma história

Todos estes objectos, que são o resultado dos esforços dos membros da Villa Hermosa, têm a cara de cada um deles.  Quando os adquirimos, estendemos as nossas mãos espirituais para ajudar a comunidade e, ao mesmo tempo, para manter a Ermida.  Cada erva do jardim do sr. Carmelo com a qual temperamos os nossos pratos ou o pão que cortamos no cesto do pão do Miguel, dar-nos-á a certeza de que os anjos continuam a cantar naquelas terras da Ermida de La Unión, porque Jesus, o Emanuel, Deus connosco, permite-nos trazer esperança à comunidade de Villa Hermosa. ” Damos-te graças por todos os dons que recebemos com tanta abundância,
porque elegeste Schoenstatt, onde Cristo nasce de novo.
(Rumo ao Céu, 6).

 

 

Original: espanhol (26/7/2020). Tradução: Lena Castro Vaente, Lisboa, Portugal

Etiquetas: , , , , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *