Colocado em 8. Fevereiro 2017 In Schoenstatt em saída

Brochero anda, Brochero acompanha, Brochero transforma…

ARGENTINA, Pe. José María Iturrería

Nós chegámos! Depois de seis dias e 150 km de peregrinação, chegámos ao Santuário da Virgen del Tránsito e do Cura Brochero, onde repousam os restos mortais do santo argentino.

“O caminho de Brochero!… Seguindo os passos do Santo!” Foi o lema que ressoou em gritos várias vezes dentro da igreja cheia de pessoas de todas as idades, todos dedicados ao Santo Sacerdote. Nós tínhamos chegado, e compartilhámos a nossa alegria com todos que nos viram, depois do grande esforço físico e de um Caminho de conversão espiritual.

Cada um que caminhou experimentou seis dias únicos cheios de experiências e um profundo encontro com Deus em toda o percurso, sempre sob a proteção do abençoado manto da Mãe, cuja Mãe Peregrina levámos num andor durante os 150 km percorridos.

O Santo Sacerdote caminhou connosco

Viajámos pela mesma estrada que o Cura Brochero percorreu inúmeras vezes, levando uma multidão de gaúchos e compatriotas para participar dos Exercícios Espirituais de Santo Inácio. Além disso, depois de mais de 100 anos após a sua morte, ainda achávamos que o Santo Sacerdote continuava viajando connosco.

Foi mesmo assim! A imagem do Sacerdote acolheu-nos no Santuário de Schoenstatt, em Córdoba, e esperou-nos na Catedral Metropolitana, e por pura providência chegámos a Mina Clavero no dia exato da Solene Dedicação da Igreja em sua honra, a primeira na Argentina, e no mundo. Participámos com os jovens peregrinos como “convidados do Cura Brochero”.

Foi uma satisfação e uma honra chegar ao túmulo do Santo e apresentar-lhe pessoalmente todas as orações e petições que nos foram confiadas por tantos seguidores devotos nestes dias. Estamos muito gratos por sermos os “instrumentos” de Brochero e os “carteiros” pessoais.

O caminho de Brochero foi uma escola de vida

Cada um de nós teve experiências pessoais muito profundas, onde experimentámos a graça de Deus, e o nosso desejo de santidade foi renovado, seguindo os passos de Brochero. Eu compartilho alguns testemunhos do que esta estrada significou a estes jovens:

“Para mim, o caminho de Brochero foi uma escola de vida; Eu tinha todo o tipo de experiência sobre ele. Como um membro da equipa de cozinha (estávamos 3 para 62 pessoas), eu queria “estragar” os peregrinos tanto quanto eu poderia, para estar sempre à sua disposição e cuidar de todas as suas necessidades. Obviamente eu não conseguia acompanhar, coloquei a barra muito alta e fiquei nervoso quando senti que não conseguia cumprir o que me tinha proposto. No entanto, o lema de Schoenstatt afirma: “Nada sem ti, nada sem nós” e a Mãe Santíssima “deu tudo”. Ela fez maravilhas e marcas foram conseguidas a partir do cansaço da equipa, levantando uma hora mais cedo para fazer o pequeno almoço e ir para a cama duas horas depois dos outros, depois de preparar o almoço para o dia seguinte. Voltei com sessenta e dois irmãos, sessenta e dois dos soldados da Santíssima Mãe com quem andaria mais mil vezes.“(Franco Gutiérrez, Córdoba, equipa de cozinha).

As mãos do outro peregrino eram as mãos de Deus que moldavam meu vaso ferido

“Esta viagem começou com um sim para Deus apenas alguns dias antes, sem eu saber bem no que estava entrando ou por quê. No começo, só com a firmeza de ser um simples carteiro viajando pela Estrada, orando por essas petições, e com a certeza de que Deus tinha me chamado para alguma coisa. Acreditei que talvez, com a minha experiência, fosse um humilde pequeno pastor pastoreando ovelhas ou caminhando ao seu lado, mas na estrada, descobri que tinha escondido as feridas do passado que eu deveria curar. O silêncio e a oração, juntamente com o serviço e a dor, foram as mãos de Deus remendando um vaso que veio com contusões e tinha mais de um chip, e muitas vezes, essas mãos eram as de outro peregrino. A paisagem permitia ver Deus em todas as direções e fazia-nos sentir pequenos diante de uma beleza imensa. Sem dúvida, Jesus andou connosco, e permitiu-se ser visto em cada peregrino ou em cada pessoa que nos oferecia água ou simplesmente nos encorajava, nós não desistiríamos. Um anjo na forma de um pequeno cão nunca nos deixou sozinhos; Ele acompanhou-nos quase todo o caminho. Fui marcado pelo fogo quando cheguei à Igreja de Brochero, e vi São Roque (acompanhado por um cão). A chegada à cidade do Sacerdote Sagrado não pode ser explicada, pois as palavras não podem descrever tão grande alegria e emoção. Quando voltei ao Santuário, algo nasceu dentro de mim: ajoelhei-me, coloquei a mão no meu coração, e depois na minha boca, soprando como se estivesse a beijar e dando o meu coração à nossa Mãe como na Aliança de Amor.” (Esteban Cabrera, peregrino de La Plata).

Uma loucura que se transformou em querer viver a santidade da vida diária

“150 km em plena luz do dia, durante o tempo de férias e caminhar 30 km por dia parecia loucura. Sim, era loucura, mas por amor. Foi uma loucura que se tornou: uma fraternidade e solidariedade, partilha e caminhada. Durante esses dias, tínhamos a certeza de que não andávamos sozinhos, que Maria estava presente em todos os eventos, nos apegos, na natureza que nos cercava, em oração e que o Pe. Brochero estava montando a sua mula, “Malacara” sobre os caminhos que atravessámos. Uma loucura transformada num desejo de querer viver a santidade da vida diária de uma maneira concreta e viver o dia-a-dia, com simplicidade e doação de si mesmo. Uma loucura que se transformou numa comunidade de oração, onde muitas almas colocaram as suas petições e os seus desejos nas nossas mãos, e passaram às mãos do nosso Sacerdote Gaúcho. Entendemos que muitas vezes, a vida é feita num dia de 30 km. Onde as bolhas se desenvolvem, e dói andar, onde o calor é insuportável, e isso faz-nos querer abandonar a Estrada, onde fico desiludido por não ver o fim perto, e isso faz-me perder a esperança. Tudo isso pode acontecer na nossa vida diária, mas não caminhamos sozinhos, caminhamos com muitos outros irmãos da Aliança, andamos pela mão da Mãe Santíssima, andamos pelas mãos dos santos e Deus conduz-nos nas suas Estradas de uma maneira providencial e misericordiosa. Mais uma vez, o caminho de Brochero encorajou-nos a lutar pela santidade, transmiti-la e vivê-la nas nossas vidas.” (Juan Elías, Córdoba, equipe espiritual).

Brochero: um modelo inspirador de um santo sacerdócio

“Para mim, a peregrinação foi um encontro com Deus, com os irmãos e comigo mesmo. Para descobrir a vida santa e frutífera do Cura Brochero foi uma graça que estes encontros me forneceram. Nós orámos muito na estrada e cada passo foi oferecido pelas muitas petições, eu amei isso. Nestes dias ganhei novos amigos e um modelo inspirador de um santo sacerdócio.” (Lucas Chiappe, Seminarista dos Padres de Schoenstatt).

Quando terminou, eu percebi que o meu caminho começou agora

“O caminho de Brochero, seguindo as pegadas do Santo. Foi assim que começou esta grande aventura. É difícil exprimir por palavras as vivências que tocaram profundamente os nossos corações. Foi realmente algo incrível. No início, eu não entendia muito, no entanto eu decidi abrir-me para aquilo que eu e os meus irmãos peregrinos estávamos empreendendo. O caminho de Brochero deixou muito no meu coração; Os passos começaram a tornar-se uma realidade em mim. Quando chegámos à paróquia do Cura Brochero, pensei: “Tudo termina aqui.” No entanto, percebi que o meu caminho estava apenas começando e o Cura Brochero era apenas o grande instrumento que abriu uma nova porta.” (Juan Cruz Colombo, Juventude Masculina, Chaco, Argentina).

 

Original: Espanhol, 26. 01. 2017. Tradução: José Carlos A. Cravo, Lisboa, Portugal

Etiquetas: , , , , , , , , ,