Colocado em 2016-12-18 In Schoenstatt em saída, Schoenstatteanos

“Nós simplesmente oferecemos as nossas Semanas em Família de Schoenstatt às famílias com crianças com necessidades especiais”

Entrevista com Manuela Baumgartner, vencedora do “Prémio das comunidades religiosas da Áustria 2016”. Ela é consultora pediátrica para crianças e adolescentes, e membro da direção internacional da Federação das Famílias de Schoenstatt •

Ele quase se perdeu na corrida de Natal, e essa notícia é realmente Natalícia. Pela terceira vez as comunidades austríacas para homens e mulheres religiosos receberam o “Prémio das comunidades religiosas da Áustria” para “realizações na interligação entre as comunidades religiosas e a sociedade”. Durante o dia das comunidades religiosas na Casa Cardeal Koenig, em Viena, Abbot Christian Haidinger, Presidente da Conferência para as ordens religiosas para homens, e a Ir Beatrix Mayrhofer, Presidente da Associação das Ordens Religiosas para as Mulheres, homenagearam cinco projetos com dois prémios principais e três prémios de menção honrosa. O galardão inclui o prémio em dinheiro de 10.000 euros, e tem sido atribuído de dois em dois anos desde 2012. Entre os vencedores estava a consultora pediátrica para crianças e adolescentes, diretora de um serviço ambulatório Nuero-pediátrico e uma Schoenstatteana. Ela recebeu o prémio 2016 na categoria de projetos individuais.

O projeto Manuela Baumgartner iniciado a partir do Hospital das Irmãs da Misericórdia em Linz há vinte e dois anos atrás é chamado de “dar felicidade”, e é projetado para apoiar e acompanhar as famílias com crianças com necessidades especiais. Cada ano, ela oferece uma semana em que, aos pais e aos filhos são dadas espaços num ambiente descontraído para comunicarem e desfrutarem de alguns dias de descanso sem preocupações. Uma equipa de médicos, um psicólogo e educadores para as crianças, estão ao serviço das famílias a toda a hora. Todos os anos, adolescentes e jovens adultos trabalham como prestadores de cuidados para as crianças e proporcionam atividades de lazer.

O projeto é apoiado exclusivamente por voluntários e financiado através de doações. A Ir Cordula Greinecker das Irmãs da Misericórdia em Linz elogiaram Manuela Baumgartner como a iniciadora, e como a “embaixadora incansável para as famílias”. A drª Baumgartner realiza de maneira bem prática o desafio de as comunidades religiosas irem ao encontro das necessidades dos tempos.

O que motivou Manuela Baumgartner para começar tal projeto e mantê-lo ativo há vinte e dois anos? Especificamente: O que motiva uma médica para torná-lo possível, ano após ano por trinta ou mais famílias com crianças com necessidades especiais que vão passar uma semana de férias no Lingano, em Itália, e desde 2014 também em Múnster? Em tudo isso, qual é o papel da fé na vida de Manuela Baumgartner, e o que Schoenstatt tem a ver com isso?

 

20161122_121615

“Não obstante é tão diferente – melhor do que antes”

“Claro, a vida cotidiana já se assumiu, mas é tão diferente, melhor do que antes. Estamos ainda tranquilamente a saborear as encantadoras experiências que tivemos em Múnster. Também sobre as aprendizagens que nos proporcionaram. Infelizmente nem tudo funciona adequadamente na vida cotidiana e na rotina diária, mas as coisas estão melhorando constantemente no tempo nós pais que passamos juntos, e pelo qual temos lutado para defender.

Estávamos completamente convencidos pela ideia como um todo. A combinação do tempo de toda a família, como marido e mulher, e também a reunião do grupo. De manhã, o “pensamento para o dia”, e à noite a conversa sobre isso. Agora temos que continuar a lidar com a vida, mantendo presentes tantas boas memórias durante o maior tempo possível, e esperamos estar lá novamente no próximo ano.”

Isso poderia ser uma contribuição para um novo feedback ou fazer eco de um Congresso da Família de Schoenstatt. No entanto, é uma contribuição do “Dê felicidade” (http://www.glueck-schenken.at/) e de um casal que tinha participado numa semana para os pais com crianças com necessidades especiais. “Realmente, o que estamos fazendo não é na verdade um novo projeto”, disse Manuela Baumgartner. Uma semana para as famílias. É somente que não existe nada disponível para este grupo em particular, ou seja, as famílias com crianças com necessidades especiais. Portanto, neste sentido, é novo. Mas não é algo que inventámos. “Na verdade é nada mais do que uma semana de Schoenstatt tal como nós conduzimos para as famílias “normais”. No entanto, é simplesmente para famílias que enfrentam um desafio especial porque uma criança tem necessidades especiais.

E isso é o que é:

“O nosso filho está agora com 15 anos e as duas semanas em que participámos desde que o nosso filho veio ao mundo são as duas semanas mais valiosos.”

Isso precisa ser repetido: As duas semanas mais valiosas em quinze anos.

highlights-005

O que importa é a criança deficiente e todas as suas relações pessoais.

“As crianças com desenvolvimento deficiente são geralmente bem cuidadas num sentido terapêutico e médico. No entanto, nem tanta atenção é dada aos pais e irmãos. No entanto, eles são os entes próximos mais importantes para essa criança “, disse Manuela Baumgartner. “Como pais vocês não estão esperando ter um filho deficiente. É uma surpresa e você tem que se despedir de muitas das suas expectativas. Não é um processo fácil e afeta cada nível de relacionamento na família, incluindo a família alargada. Já é um enorme desafio físico “, explicou ela.
“Fisicamente as crianças deficientes tornam-se pesadas, alimentá-las pode prolongar cada hora das refeições por uma hora e meia. Multiplicar isso por quatro, e pode representar até seis horas todos os dias… É, portanto, um grave peso psicológico: cuidar na verdade da criança. No topo da questão vem: o que acontecerá quando eu já não estiver aqui? E o que dizer dos irmãos, o círculo de amigos, e a vida no trabalho? É simplesmente um grande desafio. “O que importa é a criança com deficiência e todos os seus relacionamentos pessoais. Isso, portanto, afeta a família dessa criança.

Depois de uma dessas semanas com a Drª Manuela Baumgartner e a sua equipa, um casal disse: “Fez-nos muito bem falar com as pessoas, para rir, para compartilhar com outras pessoas que estão no mesmo barco. Eles entendem-nos; Eles entendem que o modo como algumas pessoas nos olham pode machucar, embora provavelmente não significa que o façam por mal. Mas os olhares que dizem ‘eu sinto muito por eles, graças a Deus isso não nos aconteceu a nós!’ Simplesmente dói. E o conhecimento é doloroso – que são diferentes – mas um amigo no grupo disse isso de forma reveladora, “Nós somos as estrelas de rock para os nossos filhos – somos diferentes!” E é apenas assim, como nós temos que ver as nossas famílias. Nós somos a elite! Estamos solidários com os nossos filhos e amamo-los das profundezas dos nossos corações, assim como eles são.

No passado, eu via isso como uma grande desvantagem que as pessoas podiam ver que o nosso filho tem um defeito genético – Síndrome de Down – mas desde essa semana eu mudei de ideia. Assim outros sabem que a nossa criança é diferente e eles esperam que ela reaja de forma diferente de uma criança ‘normal’. ”

intensivwoche_lignano_2013_781

Eu estou apoiando e apoiando … e quem me apoia?

Um desafio especial, Manuela Baumgartner apontou, é o diagnóstico pré-natal que torna a vida difícil para os pais. “É extremamente difícil chegar a uma decisão. Não há nenhuma saída fácil nesse caso. Se aceitarmos a criança, a questão virá um dia: Por que eu fiz isso a mim próprio? Se rejeitarmos a criança, nós teremos que viver com esse fardo para o resto das nossas vidas; temos que suportá-lo e é extremamente difícil. ”

Assim, ele torna os pais aptos para estar com outras pessoas que estão numa situação semelhante, e receber inspiração e apoio prático, assim como tempo um para o outro. “E se um padre está lá, é algo muito especial”, disse Manuela. “E para Rafael Troxler, que é um estudante dos Padres de Schoenstatt, isso foi também uma experiência muito especial”, acrescentou.

“Eu estou feliz porque eu participei na semana, feliz por ter passado este tempo apenas com a minha esposa, feliz por ter olhado para as circunstâncias de uma perspetiva diferente, feliz por ter falado com outras pessoas na mesma sintonia …” um testemunho semelhante ao de muitos.

Ou, “Esta semana trouxe-nos como pais uma enorme quantidade de coisas boas. Fomos capazes pela primeira vez em anos, tivémos tempo para andar simplesmente de bicicleta ou ir dar um mergulho. Simplesmente para aproveitar o tempo juntos. Assim, as inspirações nas conversas, e compartilhar com outras pessoas na mesma situação, tem-nos ajudado muito na vida cotidiana. Agora eu acho que é mais fácil aceitar a deficiência do nosso filho. ”

img_1266

Rafael Troxler ajudando uma criança deficiente a nadar

Porque não tira fotos das crianças com deficiência?

Manuela Baumgartner está surpreendida porque nas clínicas alemãs quase nada é feito para os pais, mas “para as semanas em Múnster havia muito poucos inscritos, enquanto na Áustria estamos quase sobrelotados. A semana de agosto já está quase totalmente reservada, poderíamos ter três semanas. Mas aqui na Alemanha talvez ninguém fale sobre o quanto de bom ela faz “.

Quando já tinha terminado a nossa entrevista Olhámos para as fotos, e seguiu-se um pouco de história. Manuela Baumgartner observou quase a propósito, “Alguém me perguntou enquanto nós olhamos as fotos: Por que você não fotografa as crianças com deficiência? Eu respondi: Essas são as crianças com deficiência “, explicou ela ‘,” Eu nunca tiro fotos em que possamos ver as crianças em situações que possam assustar alguém… Eu não quero mostrar isso. Eu tiro fotos deles sorrindo, felizes, crianças rindo. De repente, as pessoas já não olham para eles como as crianças com deficiência, mas simplesmente como crianças. Eles simplesmente vêm as crianças felizes. A dificuldade é que eu nunca posso decidir sobre as fotos, porque por trás de cada foto há uma história. ”

A história de uma criança com necessidades especiais rindo para a foto. A história de um educador que, durante uma semana em Lignano encontrou a sua missão na vida. A história de um jovem irmão que floresce. A história de pais que finalmente encontram tempo um para o outro…

“Agora já passou uma semana desde que voltámos da semana da família em Lignano. Estamos felizes e gratos porque fomos capazes de ir juntos”, alguém escreveu.

“Agradecemos-lhe e à sua equipa do fundo dos nossos corações pelo vosso compromisso altruísta. O meu marido e eu estávamos muito impressionados com a competência de todos e a atitude apreciativa e humilde com que todos nós encontrámos. Para mim, a humildade inclui a coragem de servir. Eu senti-o na forma como se colocaram ao nosso serviço, a fim de ajudar todas as famílias envolvidas para respirar livremente de novo e encontrar novas forças. A semana foi muito importante para o nosso relacionamento, porque não temos quase nenhum tempo um para o outro na vida cotidiana. Por isso conseguimos de novo chegar perto um ao outro “.

E eles encontraram uma criança … (cf. Lc 2,15)

 

theresa-und-franziska

Contato, informações, testemunhos (Alemão):

http://www.glueck-schenken.at/ (alemán)

header

Original: Alemão. Tradução: José Carlos A. Cravo, Lisboa, Portugal

Etiquetas: , , , , , , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *