Colocado em 26. Maio 2015 In Aliança solidária, Schoenstatt em saída

Somos Burundi

ÁFRICA DO SUL, Sarah-Leah Pimentel •

Desde há algum tempo, tem havido um mal-estar crescente no Burundi. Louvados como uma história de sucesso em meados dos anos 90, por emergirem de uma sangrenta guerra civil para uma democracia e tempos de paz, o conto de fadas dos tempos dourados do Burundi acabaram. Há alguns meses, os primeiros sussurros que não estava tudo bem no pequeno país começaram a surgir. Os sussurros tornaram-se rumores, o rumor tornou-se medo, o medo trouxe as memórias dos dias negros da guerra e as tensões étnicas voltaram. As primeiras pessoas começaram a deixar o país e a dirigirem-se para os países vizinhos: Ruanda, República Democrática do Congo e Tanzânia.

Refugiados do medo

BurundiRefugeesParecia como se o tempo tivesse parado no Burundi, como se as pessoas esperassem pelo que iria acontecer. O problema – este é um ano eleitoral. A Constituição estabelece que o presidente só pode permanecer por dois mandatos. Muitas pessoas sentem que Pierre Nkurunziza passou o tempo no escritório. Apelando para um detalhe técnico na constituição, o presidente argumenta que ele ainda pode continuar por mais um mandato no final de junho.

No dia 26 de abril, os moradores da capital, Bujumbura, sairam à rua para protestar contra o que consideram ser um terceiro mandato ilegal. Em poucos dias, as ruas ao redor da cidade foram bloqueadas e surgiu um tipo de guerra entre a polícia e os manifestantes. O exército, em seguida, virou-se agindo como uma espécie de amortecedor entre as pessoas e a polícia, somando-se as tensões. Enquanto isso, o número de refugiados aumentou para 10.000, 20.000 e, em seguida, no início da semana passada, cerca de 3.000 pessoas por dia estavam deixando o país, temendo um conflito violento e possivelmente étnico.

Um golpe fracassado

Depois, a 13 de maio, o presidente viajou para a Tanzânia para se reunir com os líderes regionais em busca de uma solução para as tensões. Um general do exército aproveitou a ausência do presidente e fizeram um golpe de estado. Isto dividiu o exército. A batalha militar começou pelo controlo da emissora estatal. Quem controla a estação de rádio, controla o país. Mas também era necessário, para parar o fluxo de comunicação, e assim, no final da tarde de 14 de Maio quase todas as emissoras privadas tinham sido atacados, incendiadas, e os seus equipamentos destruídos. Milagrosamente, a estação de rádio católica, Rádio Maria, ainda está a transmitir.

No dia seguinte, uma fação do exército leal ao presidente foi capaz de restaurar a ordem, o golpe foi esmagado e o presidente regressou. Para desencorajar qualquer outra dissidência, as forças do governo apertaram o cerco contra todos os meios de comunicação privados, ativistas da sociedade civil, a fação do exército que alinhou com o líder do golpe, e os manifestantes foram classificados quase como traidores. Há uma repressão massiva em curso em Bujumbura. A 19 de maio, a polícia abriu fogo contra os manifestantes e os soldados que tentavam protegê-los.

E assim o número de refugiados aumentou. A ONU disse que até 18 de maio, mais de 105 mil burundeses tinha atravessado as fronteiras. A cólera eclodiu num dos campos de refugiados na Tanzânia. O Ruanda está preocupado com os efeitos políticos da absorção de milhares de refugiados. Há temores de uma fome iminente.

Há um estado de conflito emergente no Burundi e parece que as coisas só podem piorar, nunca melhorar. A menos que nós olhemos o que está a acontecer com os olhos da fé.

Haja mãos de solidariedade

Vamos unir-nos em oração e pedir à nossa Mãe Santíssima – que se estabeleceu nos Santuários do Burundi – para proteger os filhos desta terra ferida que tem visto tanto derramamento de sangue ao longo das últimas décadas. Que o Espírito Santo guie os líderes regionais para ajudar o Burundi a encontrar uma solução pacífica. Que possa haver mãos de solidariedade para chegar aos muitos deslocados que abandonaram as suas casas com medo de um possível massacre. Vamos rezar por um milagre, pedindo para que as tensões não se transformem num conflito étnico.

Vamos orar e agir em aliança solidária para com o povo deste país dos Grandes Lagos.

Não vamos desistir e deixar sem ajuda os milhares de pessoas anónimas que foram deslocadas, nem daqueles que estão na sede do poder, que não estão atentas aos sinais dos tempos. Em vez disso, vamos consagrar à nossa Mãe e Rainha cada pessoa cuja vida foi afetada por este drama, ela reinará sempre vitoriosa.

Somos Burundi. IMG_5747

 

Original: inglês. Tradução: José Carlos Cravo, Lisboa, Portugal

Etiquetas: , , , ,