Colocado em 2015-12-20 In Santuário Original

Santuário Original: a Porta Santa aberta como pedido de um novo milagre da Noite Santa no sentido de um coração misericordioso

Por María Fischer •

IMGP9390“A porta é um símbolo do Advento: o Senhor vem nos visitar, queremos abrir-Lhe a porta e O receber”, assim disse o P. Juan Pablo Catoggio, Presidente do Conselho Geral de Schoenstatt, na prédica do terceiro domingo de Advento. “Este ano, a porta tem um significado muito especial: o Santo Padre Francisco proclamou um ano jubilar extraordinário da misericórdia. Em 8 de dezembro passado, na Festa da Imaculada, o Papa abriu a Porta Santa da Basílica de São Pedro em Roma. Hoje, por primeira vez, se abrirão muitas “portas da misericórdia” em muitos lugares do mundo. E nosso bispo declarou o Santuário Original em Schoenstatt como uma destas portas santas, outorgando-lhe a distinção de uma indulgencia especial. Por isso hoje, depois da celebração eucarística, poderemos abrir a Porta Santa da Misericórdia no Santuário Original!”

Abraçados pela misericórdia de Deus

Cerca de 800 pessoas – assim foi publicado no jornal de Coblença, “Rhein-Zeitung” – participaram, neste dia úmido e cinzento de dezembro, da abertura da Porta Santa do Santuário Original. Como estes são momentos de graça e de alegria, na Igreja de Peregrinos já estavam acesas as luzes das árvores de Natal. Neste dia, 13 de dezembro, terceiro domingo de Advento, de um extremo da terra ao outro, foram abertas milhares de “Portas Santas” em todas as catedrais do mundo e em numerosos templos e santuários. Na página web do Jubileu da Misericórdia pode-se ver num mapa (bastante técnico) muitos, mas não todos os lugares de graça da misericórdia. O significado se pôde intuir, quando o Padre Juan Pablo Catoggio citou o Santo Padre: “Quando atravessamos a Porta Santa, nos deixaremos abraçar pela misericórdia de Deus e nos comprometeremos a ser misericordiosos com os demais como o Pai o é conosco”. (VM 14). Este é o lema do Ano Santo. Neste domingo, junto com o Santuário Original também foram aberta muitas “Portas Santas” em muitos santuários de Schoenstatt. Muito provavelmente Paraguai seja o único país no qual todos os santuários de Schoenstatt (três) são “Portas Santas”.

index77

As duas dimensões da misericórdia

O P. Juan Pablo Catoggio explicou as duas dimensões da misericórdia que são tão importantes para o Papa Francisco neste extraordinário Ano Santo: “A primeira e mais fundamental é a misericórdia de Deus Pai, “do Deus compassivo e misericordioso, lento para a cólera, rico em bondade e fidelidade” (Ex 34,6), a que uma e outra vez se nos dará e que sempre experimentaremos. A segunda dimensão é nossa atitude de misericórdia diante das pessoas, especialmente diante dos mais necessitados. Duas parábolas do Evangelho de São Lucas – o Evangelho da misericórdia – ilustram ambos os aspectos. A primeira, por assim dizer, a dimensão vertical se expressa na parábola do ‘filho pródigo’ e do pai misericordioso (Lc 15). Deus nos abraça em sua misericórdia e seu perdão”, assim o explicava. “A segunda, a dimensão horizontal, se pode ver claramente na parábola do bom samaritano (Lc 10): ele exerce a misericórdia com o desconhecido a quem considera e trata como seu próximo. Misericórdia implica em fazer obras, em atuar, tal como escutamos no Evangelho”.

Entrar e sair. Algo muito prático. Vida em Aliança com este Deus da misericórdia e Schoenstatt em saída para confirmar esta misericórdia com os sem teto, os encarcerados, os famintos, os que estão sós, os desconsolados ou os que se encontram fugindo… As pessoas concretas em nossa verdadeira realidade de 2015 – 2016.

Porque, e assim aprofundou o P. Juan Pablo Catoggio na profunda dimensão da Porta Santa: “Jesus, o Bom Pastor, diz sobre si mesmo: Eu sou a porta (João 10,7). Seu lado traspassado, do qual brota, flui, seu amor misericordioso, se converteu numa porta de graças, numa porta para o Pai, é a porta da misericórdia no sentido mais verdadeiro”.

Faz exatamente cinquenta anos: a “carta da misericórdia” do Padre Kentenich.

image001

Schoenstatt lembra neste Advento os acontecimentos de cinquenta anos atrás, que culminaram com o retorno do Padre Kentenich desde o exílio na Noite Santa de 1965. Na mensagem do Conselho Geral para o Natal de 1965, colocaram-se estes jubileus no contexto dos acontecimentos da Igreja. E assim, este 13 de dezembro, o P. Juan Pablo Catoggio vincula a abertura da Porta Santa do Santuário Original com a carta para a Família de Schoenstatt que o Padre Kentenich escreveu nessa mesma data em 1965: “Em 13 de dezembro, há cinquenta anos, ele se dirigiu à Família de Schoenstatt com uma mensagem: como fruto da orientação de Deus e também como programa permanente, falou da nova imagem do homem, de Deus e da comunidade, que estão completamente impregnados pela misericórdia. Só se pode maravilhar ao ver como coincidem, no desejo essencial, a mensagem do Santo Padre para o Jubileu com a carta de Natal do Padre Kentenich de cinquenta anos atrás.

O Padre Kentenich resume sua mensagem numa bela e profunda oração:

“Querida Mãe e Rainha três vezes Admirável de Schoenstatt, cuide para que nos experimentemos filhos do Rei, filhos miseráveis e dignos de misericórdia e desta maneira vivamos convencidos de que somos prediletos do amor paternal e infinitamente misericordioso de Deus Pai”

20151211163555

O que fica

Depois da Santa Missa, todos se dirigiram em procissão ao Santuário Original, aonde o P. Juan Pablo Catoggio abriu a Porta Santa que foi renovada o ano passado de forma tão bela. As palavras ressoaram em vários idiomas, os gestos foram neste momento mais fortes e todos puderam entender.

O que significa entrar pela porta do Santuário Original durante quase um ano? O que significa entrar e o que significa sair?

Talvez isto que o P. Juan Pablo disse aos schoenstatteanos neste dia 13 de dezembro em nosso caminhar para o Natal:

“Talvez pudéssemos pedir um novo milagre da Noite Santa no sentido de um coração profundamente misericordioso, um coração tocado e comovido pela misericórdia de Deus, que regala e demonstra esta misericórdia aos demais. Esta seria uma bela graça que poderíamos pedir no Santuário para este ano”.

Alguém perguntou “O que aconteceria se realmente cada schoenstatteano, absolutamente todos, colocassem no presépio o desejo por esta graça como desejo de Natal?”

predigt

Homilia – Abertura Porta da Misericórdia – Santuário Original

 

 

index4

Fotos: P. Egon M. Zillekens, Marcelo Scocco

Original: alemão. Tradução do espanhol: Lena Ortiz, Ciudad del Este, Paraguai

Etiquetas: , , , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *