Colocado em 2009-09-17 In Santuário Original

O Padre Kentenich, um reflexo de Cristo – A Família de Schoenstatt recorda um novo aniversário do falecimento de seu Fundador

15 de septiembre, Santa Misa en la Iglesia de la Adoraciónmkf. A manhã do dia 15 de setembro, desde aquele 15 de setembro de 1968, em Schoenstatt tem algo especial: uma certa mística com o tapete de flores brancas (lírios e craveles) no lugar do tapete vermelho que normalmente marca o lugar onde há 41 anos faleceu o Pe. José Kentenich depois de celebrar a Santa Missa, com toda a Família de Schoenstatt congregada em uma Missa na hora de seu falecimento no lugar onde o Pai celebrou sua última Missa, e acompanhados pelas recordações desse dia em que o Padre Kentenich culminou sua vida terrena para seguir guiando e acompanhando sua Família e a cada filho de uma nova maneira.

Santa Misa, 15 de septiembre - Fotos: FischerNo transcurso dos anos, o tom fundamental deste dia há mudado de dor para alegria, do sentimento de ausência física do Pai à certeza de encontrá-lo vivo em sua Família, em cada um de seus filhos e filhas espirituais. O que não mudou é a vontade de todos de estar presentes nesta Missa de madrugada, reunidos como Família em torno a ele. Foi assim também neste dia 15 de setembro de 2009, que se destacou pela presença dos Padres de Schoenstatt de muitas partes do mundo reunidos em seu Congresso de Superiores.

Nestes momentos tão especiais, cada um não se sente visitante, mas sim, convidado na casa da Família de Schoenstatt

Peregrinos de ArgentinaEntre os participantes se encontrava um grande grupo de peregrinos da Argentina, acompanhados pelo Padre Guillermo Carmona. “O mais lindo foi quando o Padre Heinrich Walter, como celebrante principal, nos saudou no começo da Missa como grupo e em castelhano”, comentou Inés Erice de Podestá, de Mendoza, chefa territorial da Federação de Mães na Argentina. “São nestes momentos tão especiais que cada um não se sente visitante, mas sim, convidado na casa da Família de Schoenstatt, bem-vindos aqui”. Estavam presentes também jovens da Juventude Feminina de vários países da América Latina que estão passando um tempo em Schoenstatt, e para alegria de muitos, as 16 postulantes das Irmãs de Maria – da Alemanha e outros países como Kênia, México, Hungria e República Tcheca – assim como o casal Beebe da Inglaterra, celebrando bodas de ouro…

Quem o vê, vê ao Pai

Celebrando o retorno à casa paterna do Padre Kentenich no início do Ano Sacerdotal e em preparação para o Jubileu do centenário de sua ordenação,El P. Hans Schnocks durante la prédicao Padre Hans Schnocks, Reitor do Monte Moriah, convidou a todos em sua homilia a contemplar ao Padre Kentenich como sacerdote, “ao sacerdote que atua na pessoa de Cristo e que não está só para administrar sacramentos e o anúncio do Evangelho, senão que sua vida plena tem que ser sacerdotal, todo o seu ser representa a Cristo. Assim como Giotto pintou na Basílica de Assis a vida de São Francisco em paralelo à vida de Jesus, nós também podemos contemplar coisas em comum, como o falar com autoridade interior, ou o momento de tensão que a todos passa quando estão vinculados e entregados a muitas pessoas: “As multidões seguiam a Jesus para escutá-lo, ao mesmo tempo que Ele se fazia mais próximo a cada homem. A nosso Pai e Fundador também chegaram multidões e sem embargo, ele era todo ouvido, todo o seu ser se dirigia à pessoa, como se só ela existia no mundo. Há quantos conduziu e animou a descobrir sua própria vocação e os alentou a seguir a vontade de Deus?”.

En la Misa, 15 de septiembreO que mais facilmente nos chega na semelhança com Jesus é o vínculo íntimo com o Pai. “Jesus não só está unido ao Pai: nos anuncia ao Pai, o Pai está com Ele. Quem o vê, vê ao Pai. Isto nos parece particularmente fácil, experimentar ao Pai em nosso Fundador: Ele nos anunciou sempre ao Deus Pai, ao misericordioso e amoroso Deus Pai; ele mesmo assumiu em sua vida essa imagem. Por ele sona a palavra “pai” para nosso Fundador como uma experiência de paternidade”. “Foi uma homilia simples”, comenta Ana Capezio, que pôde seguir o texto graças a tradução repartida aos que não falavam alemão. “Me chegou ao coração”.

Como cada dia 15 do mês rezou-se por todos os que enviaram seus pedidos ao Padre Kentenich, o coro das Irmãs de Maria animou a Missa com canções, orgão e flauta transversal, imprimindo à mesma, um toque muito solene.

Carregados de bolsas, cartas, fotos, imagens, estampas, terços, cruzes…

Oración por la canonización del PadreAo final da Missa, todos os sacerdotes se dirigiram à tumba do Pai, onde, formando um semi-círculo, rezaram pela sua canonização. Foi maravilhoso ver chegar depois a todos os participantes para um momento de encontro pessoal com o Fundador, por último, os peregrinos da Argentina, literalmente carregados de bolsas, cartas, fotos, imagens, estampas, terços e cruzes: presentes para o Pai, cartas dirigidas a ele, fotos de familiares para deixar em sua tumba, e o resto das coisas para ser “carregadas” com as graças deste lugar e dia tão especial…

En la tumba del PadreEntretanto, ressoava em muitos o testemunho do Padre Alberto Eronti, publicado dia 15-09 em schoenstatt.de sobre a graça do dia 15 de setembro de 1968: “já não havia que pedir audiência para vê-lo ou falar com ele, agora era meu, intensamente meu e sem barreiras. Era totalmente meu e totalmente de cada um de seus filhos e filhas. Agora já não havia barreiras para acompanhar a cada um, para guiar e proteger, abençoar e enviar a Família, já era totalmente de todos e de cada um. Agora havia que encontrá-lo no Santuário do coração e aprender a estar com ele e escutá-lo de uma nova maneira…”.

Trad.: Cassio Leal, Brasil

Álbum de fotos

Vídeo da Missa (Homilia em alemão)

 

Vídeo da oração na Tumba do Pai

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *