Colocado em 9. Dezembro 2018 In José Kentenich

José Kentenich es parte de Gymnich

ALEMANHA, Maria Fischer •

Para trás ficaram os dias em que um funcionário da cidade de Erftstadt soube, através de uma reportagem na internet, de uma peça de teatro no Paraguai e da existência de José Kentenich que nasceu numa das localidades pertencentes ao seu município. A Fundação “Casa do Nascimento do Padre José Kentenich”, depois de um grande trabalho e tendo-se adaptado às condições locais, converteu o Fundador de Schoenstatt num nativo de Gymnich, do qual a comunidade se sente orgulhosa e reconhece a sua vinculação a ele. Juntamente com o Pe. Joseph Pikos e unidos aos responsáveis da Paróquia de S. Cuniberto, a Fundação organiza todos os anos, entre outras actividades, uma festa no dia do aniversário de José Kentenich.

Assim aconteceu também, em 24 de Novembro passado, tendo as actividades terminado com a Missa de Vésperas da Solenidade de Cristo Rei, ponto culminante das mesmas. “Estive duas horas na sua casa natal e o tempo passou, inacreditavelmente, rápido. A seguir, apressei-me a ir para casa para trocar de roupa e ir para a Missa”, disse uma senhora de Gymnich a outra, na porta da igreja. Um pouco cansada mas, feliz.

 

Chegada

Ficaram um pouco apertados os paroquianos de Gymnich na Santa Missa na Igreja de S. Cuniberto, onde em 19 de Novembro de 1885, José Kentenich recebeu o Sacramento do Baptismo e teve as suas primeiras experiências com a Igreja – alegres, profundas e dolorosas.

Uma vizinha, já falecida, e que nasceu dez anos depois de Kentenich, tendo-se criado em Gymnich, contava frequentemente que, uma companheira de escola que, era filha “ilegítima” tal como José Kentenich, durante as Missas tinha que ficar junto da mãe na parte de trás do pórtico da igreja, porque, não lhes era permitido o acesso à nave principal. Será que a situação foi diferente para Catarina e José?

Nessa noite, 24 de Novembro, estava sobre o Altar principal, cuja cruz representa o logotipo de Schoenstatt, uma imagem da Mãe Peregrina pintada à mão. Fica muito bem integrada na igreja. Do lado esquerdo, estava uma pintura de José Kentenich em criança da artista de Gymnich, Marion Nitsche, na qual se podia apreciar a imagem da casa natal na sua forma original e antigos recortes de jornais. Uma obra de arte que nos motiva à reflexão e à contemplação.

De Kaiserslautern, Hennef e doutros lugares

De tarde, houve visitas guiadas e encontros na casa natal de José Kentenich e a seguir foi servido um café na casa paroquial, durante o qual o Pe. Peter Nöthen falou sobre as celebrações do 15 de Setembro em Schoenstatt. Só um pequeno grupo assistiu mas, como disse o Pe. Nöthen, alguns vieram de mais longe: de Kaiserslautern, Hennef e doutros lugares. Um soube pelo jornal da igreja, outra pessoa pelo site do Movimento de Schoenstatt da Alemanha.

Inclusivamente, durante a Missa, algumas fotografias foram enviadas para o mundo inteiro. “Quero voltar a esse lugar!”, Respondeu Camilo Ardissone (16) do Paraguai e Ana Maria Ghiggi de Santa Fé, Argentina, lembrando a sua visita a Gymnich há uns anos atrás: “Que linda está agora a Igreja!”

 

Ele amou a Igreja

O Pe. Ángel Strada presidiu a Santa Missa, ele que durante muitos anos foi o Postulador do processo de beatificação do Padre Kentenich. Com ele e com o Pároco Joseph Pikos, concelebraram os sacerdotes: Pe. Peter Nöthen, Dr. Christian Löhr, Superior Geral do Instituto Diocesano dos Padres de Schoenstatt e o Dr. Wilhelm Mahlmeister. A Missa também foi celebrada em memória do falecido Pe. Karl Bausenhart que, de modo importante, contribuiu para que, hoje, José Kentenich e a sua casa natal estejam fortemente unidos a Gymnich, e Gymnich, o lugar do nascimento e da infância de José Kentenich, esteja solidamente vinculado a Schoenstatt.

Na sua Homilia, o Pe. Ángel Strada, fez um esboço da vida de José Kentenich, pondo em destaque as fases de formação da sua infância, a sua prisão no Campo de Concentração de Dachau e o exílio em Milwaukee. Ele amou a Igreja – a sua Igreja, esta Igreja. A frase que está no seu túmulo amadureceu e cresceu na sua vida, foi provada e comprovada em e para a Igreja. O amor pela Igreja, sem nenhum tipo de “mas”, até onde não lhe convinha ou onde doía, essa é a medida de comparação, para todos os que se dizem discípulos de Kentenich.

Em Gymnich, Hennef, Kaiserslautern e noutros lugares.

 

Kentenich Dilexit Ecclesiam

Dilexit Ecclesiam – Amou a Igreja

PT Homilia do Pe. Àngel Strada 

Original: alemão, 25.11.2018. Tradução: Lena Castro Valente, Lisboa, Portugal

Etiquetas: , , , , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *