Posted On 2015-12-01 In Francisco - Mensagem

O Papa Francisco pede misericórdia e “vida nova” para a República Centro-Africana

O PAPA FRANCISCO EM AFRICA, por Sarah-Leah Pimentel •

Depois de se encontrar com os líderes da República Centro-Africana, o Papa Francisco visitou um campo de refugiados, administrou o sacramento da reconciliação a um grupo de jovens e celebrou duas missas.

Milhares vieram ver Francisco, apesar de um bloqueio de segurança

Apesar dos receios da segurança, as pessoas saíram à rua em grande número para se encontrarem com o Papa Francisco. O Jornal de Bangui descreveu a atmosfera como se segue:

“Apesar das ameaças de segurança e do medo que faz agora parte das suas vidas diárias, as pessoas da República Centro-Africana deslocaram-se em massa ao longo das ruas de Bangui no domingo 29 de novembro, o dia em que o papa Francisco chegou.

Sob o apertado cerco pelas forças de segurança locais e internacionais, a cidade foi invadida por um mar humano, uma multidão inacreditável que manifestou a sua alegria esfusiante dando ao Santo Padre uma experiência maravilhosa. A maioria das pessoas deixaram as suas casas nas primeiras horas da manhã para verem passar num vislumbre o chefe da Igreja Católica.

Deve ser dito, que eles descobriram que era inacreditável. Eles disseram que, no último minuto, algo iria impedir o Papa Francisco de vir. Por outro lado, poucas pessoas de países vizinhos fizeram a viagem, porque as estradas são perigosas, em mau estado e expostos a ataques de bandidos. Mesmo aqui as mercadorias são escoltadas pelas forças de paz das Nações Unidas – MINUSCA. ”

“É tempo de misericórdia”: No hospital infantil em Bangui

Nova vida acabando com as divisões

Durante a Santa Missa, no domingo, o primeiro domingo do Advento, o Papa Francis teve um tratamento especial para o povo da República Centro-Africana. Ele abriu o Ano da Misericórdia especialmente para eles, antes da abertura oficial em Roma, em 8 de Dezembro.

Francisco exortou os fiéis a embarcar numa “nova vida”, indo “para o outro lado” (Lc 8:22). No entanto, ele disse que Jesus não quer que façamos esta viagem sozinhos, mas para andarmos ao seu lado “libertando-nos dos motivos de divisão de família e de sangue, a fim de construir uma Igreja que é a família de Deus, aberta a todos, preocupada por aqueles mais necessitados.”

Uma vocação de misericórdia

Aqueles que são capazes de fazer isso, disse o Papa Francisco estão “dando testemunho da misericórdia infinita de Deus”, e obriga-os a “experimentar a perdoar a nós mesmos … [e] por sua vez perdoar os outros.” Se formos capazes disso, então nós estamos a experimentar a nossa vocação de “ser perfeitos como o vosso pai celeste é perfeito”.

Esta chamada à perfeição, disse o Pontífice, também nos obriga a amar os nossos inimigos “, que nos protege da tentação de procurar a vingança e da espiral de retaliação sem fim.”

Com estas palavras, ele instruiu o povo da República Centro Africana para “abandonar esses instrumentos de morte! Armem-se antes de justiça, de amor e de misericórdia, os garantes autênticos de paz.”

O texto integral da homilia do Papa Francis no primeiro domingo do Advento

Neste primeiro domingo de Advento, tempo litúrgico de alegre expectativa do Salvador e um símbolo da esperança cristã, Deus trouxe-me aqui até vós, a esta terra, enquanto a Igreja universal está se preparando para a abertura do Ano Jubilar da Misericórdia, que inauguramos aqui hoje. Estou particularmente satisfeito que a minha visita pastoral coincide com a abertura deste Ano Jubilar no vosso país. Desta catedral eu dirijo-me, na mente e no coração, e com muito carinho, a todos os sacerdotes, os consagrados e consagradas, os agentes pastorais da nação, que estão espiritualmente unidos a nós neste momento. Através de vós, gostaria de saudar todos os povos da República Centro-Africana: os doentes, os idosos, aqueles que experimentaram vida de sofrimento. Alguns deles estão talvez desesperados e apáticos, pedindo apenas uma esmola, a esmola de pão, a esmola de justiça, a esmola de atenção e bondade. Todos nós estamos olhando para a graça de Deus, a esmola de paz.

Mas como os Apóstolos Pedro e João no seu caminho para o templo, que não tinham nem ouro nem prata para dar ao paralítico necessitado, eu vim para oferecer a força e o poder de Deus; para nos trazer a cura, erguer-nos sobre os nossos pés e permitir-nos a embarcar numa nova vida, para “ir para o outro lado” (cf. Lc 8,22).

Jesus não nos obriga a atravessar para o outro lado sozinhos; em vez disso, ele pede-nos para fazermos a travessia com ele, como cada um de nós responde à sua própria vocação específica. Precisamos perceber que esta travessia só pode ser feita com ele, libertando-nos dos motivos de divisão da família e do sangue, a fim de construir uma Igreja que é a família de Deus, aberta a todos, preocupada com os mais necessitados. Isto pressupõe proximidade com os nossos irmãos e irmãs; implica um espírito de comunhão. Não é primariamente uma questão de meios financeiros; é suficiente para compartilhar a vida do povo de Deus, em razão da esperança que está em nós (cf. 1 Pe 3:15), em testemunharmos a infinita misericórdia de Deus, que, como o Salmo responsorial da liturgia deste domingo deixa claro, é “bom [e] instrui os pecadores no caminho” (Sl 24: 8). Jesus ensina-nos que o nosso Pai celestial “faz nascer o sol sobre maus e bons” (Mt 5:45). Tendo experimentado o perdão a nós mesmos, devemos perdoar aos outros por sua vez. Esta é a nossa vocação fundamental: “Você, portanto, deve ser perfeito, como vosso Pai celeste é perfeito” (Mt 5:48).

Uma das características essenciais desta vocação para a perfeição é o amor aos nossos inimigos, que nos protege da tentação da vingança e da espiral de represálias infinitas. Jesus colocou ênfase especial sobre este aspecto do testemunho cristão (cf. Mt 5: 46-47). Aquele que evangelizar deve, portanto, ser em primeiro lugar praticante do perdão, especialista em reconciliação, especialista em misericórdia. Isto é como podemos ajudar os nossos irmãos e irmãs a “atravessar para o outro lado” -, mostrando-lhes o segredo da nossa força, a nossa esperança e a nossa alegria, todos os que têm a sua força em Deus, pois eles estão fundamentados na certeza de que ele está no barco connosco. Como fez com os apóstolos na multiplicação dos pães, assim também o Senhor nos confia os seus dons, para que possamos sair e distribuí-los em todos os lugares, proclamando as suas palavras tranquilizadoras: “Eis que os dias estão vindo em que cumprirei a promessa que fiz à casa de Israel e à casa de Judá “(Jr 33:14).

Nas leituras da liturgia deste domingo, podemos ver diferentes aspectos desta salvação proclamada por Deus; eles aparecem como placas de sinalização para guiar-nos na nossa missão. Primeiro de tudo, a felicidade prometida por Deus é apresentada como justiça. O Advento é um tempo em que nós nos esforçamos para abrir os nossos corações para receber o Salvador, o único que é justo e o único juiz capaz de dar a cada um o que lhe é devido. Aqui, como em outros lugares, inúmeros homens e mulheres têm sede de respeito, de justiça, de igualdade, ainda não se vêem sinais positivos no horizonte. Estes são aqueles a quem ele vem trazer o dom da sua justiça (cf. Jer 33:15). Ele vem para enriquecer as nossas histórias pessoais e colectivas, as nossas esperanças frustradas e os nossos anseios estéreis. E ele envia-nos a anunciar, especialmente àqueles que são oprimidos pelos poderosos deste mundo ou pelo pesado fardo dos seus pecados, que “Judá será salvo e Jerusalém viverá segura. E este é o nome pelo qual será chamado, “O Senhor é a nossa justiça” (Jr 33:16). Sim, Deus é rectidão; Deus é justiça. Assim, é por isso que nós, os cristãos somos chamados a trabalhar para uma paz no mundo fundada na justiça.

A salvação de Deus por que aguardamos também é aromatizada com amor. Na preparação para o mistério do Natal, revivemos a peregrinação que preparou o povo de Deus para receber o Filho, que veio a revelar que Deus não só é justiça, mas também, e acima de tudo é amor (cf. 1 Jo 4, 8). Em todo o lugar, mesmo e especialmente naqueles lugares onde a violência, o ódio, a injustiça e a perseguição têm lugar, os cristãos são chamados a dar testemunho de este Deus que é amor. Ao encorajar os sacerdotes, homens e mulheres consagrados, e os leigos comprometidos que, neste país vivem, às vezes heroicamente, as virtudes cristãs, eu percebo que a distância entre este ideal exigente e o nosso testemunho cristão é, por vezes, grande. Por esta razão, repito a oração de São Paulo: “Irmãos e irmãs, que o Senhor vos faça crescer e abundar em amor uns aos outros e para com todos os homens e mulheres” (1 Ts 3:12). Assim, o que os pagãos disseram dos primeiros cristãos permanecerá sempre diante de nós como um farol: “Vede como eles se amam, como verdadeiramente se amam uns aos outros” (Tertuliano, Apologia, 39, 7).

Por fim, a salvação proclamada por Deus tem um poder invencível que acabará finalmente por prevalecer. Depois de anunciar aos seus discípulos os terríveis sinais que precederão a Sua vinda, Jesus conclui: “Quando estas coisas começarem a acontecer, olhai para cima e levantai a cabeça, porque a vossa redenção está próxima” (Lc 21:28). Se São Paulo pode falar de um amor que “cresce e transborda”, é porque o testemunho cristão reflecte aquele poder irresistível de que fala o Evangelho. É no meio da devastação sem precedentes que Jesus quer mostrar o seu grande poder, a sua glória incomparável (cf. Lc 21:27) e o poder do amor que permanece, antes mesmo da queda dos céus, a conflagração do mundo ou o tumulto dos mares. Deus é mais forte, mais poderoso do que todos os outros. Esta convicção dá ao crente serenidade, coragem e a força de perseverar no bem perante as maiores dificuldades. Mesmo quando os poderes do Inferno são lançados, os cristãos devem responder à convocação, a cabeça erguida, e estarem prontos para enfrentar os golpes nesta batalha sobre a qual Deus terá a última palavra. E essa palavra será de amor e paz!

Para todos aqueles que fazem uso injusto das armas deste mundo, eu faço este apelo: abandonem esses instrumentos de morte! Armem-se antes de justiça, de amor e de misericórdia, os garantes da paz autêntica. Como seguidores de Cristo, queridos sacerdotes, religiosos e leigos agentes de pastoral, aqui neste país, com o seu nome sugestivo, situado no coração de África e chamados para descobrir o Senhor como o verdadeiro centro de tudo o que é bom, a vossa vocação é encarnar o próprio coração de Deus no meio dos vossos concidadãos. Que o Senhor se digne a “fortalecer os vossos corações na santidade, para que sejais irrepreensíveis diante de nosso Deus e Pai, na vinda de nosso Senhor Jesus com todos os seus santos” (1 Ts 3:13). Reconciliação, perdão, amor e paz! Amém.

Fontes: www.vatican.va, Journal de Bangui

 Video: Abertura da Porta Santa em Bangui

Todos os textos da visita a África

Tags : , , , , , ,

Leave a Reply

Your email address will not be published.