Colocado em 2015-05-30 In Francisco - Mensagem

Pentecostes, a festa da Igreja em saída

Pentecostes é a festa da Igreja em saída. Ao meio-dia, da janela do estúdio do Palácio Apostólico, o Papa Francisco rezou a oração mariana Regina Coeli na solenidade de Pentecostes. Francisco afirmou que essa festa nos faz reviver o início da Igreja, tal como se lê no Livro dos Atos dos Apóstolos, que narra que, cinquenta dias depois da Páscoa, na casa onde se encontravam os discípulos de Jesus, “de repente, veio do céu um fragor, como se soprasse um vento impetuoso… e ficaram todos cheios do Espírito Santo” (2,1-2).

O Papa explicou que graças a essa efusão, os discípulos foram completamente transformados, uma vez que o medo deu lugar à coragem, a cerração ao anúncio e toda dúvida foi desfeita pela fé total de amor. É o “batismo” da Igreja – disse o Santo padre – que assim começava seu caminho na história, guiada pela força do Espírito Santo.

Texto da meditação do Papa Francisco antes de rezar o Regina Coeli da Solenidade de Pentecostes

Prezados irmãos e irmãs, bom dia!

A solenidade do Pentecostes leva-nos a reviver os primórdios da Igreja. O livro dos Atos dos Apóstolos narra que, cinquenta dias depois da Páscoa, na casa onde se encontravam os discípulos de Jesus, “de repente, veio do céu um fragor, como se soprasse um vento impetuoso… e ficaram todos cheios do Espírito Santo” (2, 2-4). Os discípulos ficaram completamente transformados por esta efusão: o medo é substituído pela coragem, o fechamento cede o lugar ao anúncio e cada dúvida é afugentada pela fé repleta de amor. É o «batismo» da Igreja, que assim encetava o seu caminho na história, orientada pelo vigor do Espírito Santo.

Aquele acontecimento, que transforma o coração e a vida dos Apóstolos e dos outros discípulos, repercute-se imediatamente fora do Cenáculo. Com efeito, aquela porta que ficou fechada durante cinquenta dias, finalmente foi aberta de par em par, e a primeira Comunidade cristã, já não mais fechada em si mesma, começa a falar às multidões de diferentes proveniências sobre as maravilhas de Deus (cf. v. 11), ou seja, sobre a Ressurreição de Jesus, que fora crucificado. E cada um dos presentes ouve os discípulos falarem na sua própria língua. O dom do Espírito restabelece a harmonia das línguas que se tinha perdido em Babel e prefigura a dimensão universal da missão dos Apóstolos. A Igreja não nasce isolada, mas universal, una, católica, com uma identidade específica mas aberta a todos, não fechada, com uma identidade que abrange o mundo inteiro, sem excluir ninguém. A mãe Igreja não fecha a porta na cara de ninguém! Nem sequer ao maior pecador, a ninguém! E isso devido à força, à graça do Espírito Santo. A mãe Igreja abre de par em par as suas portas a todos, porque é mãe.

O Espírito Santo derramado durante o Pentecostes no coração dos discípulos é o começo de uma nova estação: a estação do testemunho e da fraternidade. É uma estação que vem do alto, vem de Deus, como as chamas de fogo que pousaram sobre a cabeça de cada discípulo. Era a chama do amor que queima toda a aspereza; era a língua do Evangelho que ultrapassa os confins postos pelos homens e sensibiliza os corações da multidão, sem qualquer distinção de língua, raça ou nacionalidade. Como naquele dia de Pentecostes, o Espírito Santo é derramado continuamente também hoje sobre a Igreja e sobre cada um de nós, para que abandonemos as nossas mediocridades e os nossos egoísmos e comuniquemos ao mundo inteiro o amor misericordioso do Senhor. Comunicar o amor misericordioso do Senhor: eis a nossa missão! Também nós recebemos o dom da “língua” do Evangelho e do “fogo” do Espírito Santo para que, enquanto anunciamos Jesus ressuscitado vivo e presente no meio de nós, aqueçamos o nosso coração e também o coração dos povos, aproximando-os d’Aquele que é Caminho, Verdade e Vida.

Confiemo-nos à intercessão maternal de Maria Santíssima, que estava presente como Mãe no meio dos discípulos no Cenáculo: é a mãe da Igreja, a mãe de Jesus que se tornou mãe da Igreja. Confiemo-nos a Ela a fim de que o Espírito Santo desça abundantemente sobre a Igreja do nosso tempo, encha os corações de todos os fiéis e faça arder neles o fogo do seu amor.

Original em espanhol. Tradução para o Português: Maria Rita Fanelli Vianna – São Paulo / Brasil  

Etiquetas: , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *