Colocado em 2020-12-09 In Laudato Si

Schoenstabilidade é ser mulher

PORTUGAL, Rosana Silva •

A tendência da mulher em expressar-se pessoalmente, a leva a dar um selo de originalidade a tudo que faz. Enquanto o homem se expressa através de suas ideias e opiniões, a mulher o faz através do mundo que a rodeia. Sua alma está presente nos gestos, na maneira de se comportar, do ambiente que gera em torno de si, em sua forma de se vestir, de se arrumar. Cada forma é um caminho de exteriorizar algo de sua pessoa, da sua alma. —

Originalidade Feminina

No livro “As palavras Caladas” (Pedro Miguel Lamet, s.j.), que conta a vida de Nossa Senhora, encontramos alguns trechos que expressam como essa dimensão do pessoal fez parte da vida de Maria.

“Não, não, de maneira nenhuma, eu não queria ser uma heroína nem a esposa de um rei nem a mãe de um príncipe, queria apenas estender os braços e oferecer um pouco de fogo que crepitava como uma promessa nas minhas entranhas. Tinha o sonho, como todas as raparigas de um dia vir a embalar um bebé, mas também sentia que o pequeno Abdias, o filho de Noemia, era de algum modo meu filho, como o eram o cego Tobias e o ladrão que tinha assaltado a minha casa.

Eu não sabia explicar este vasto amor que não tinha nome nem apelido, mas que no entanto era pessoal, delicado, repleto de cheiros, de encontros e de recordações”. (As palavras Caladas)

Nós mulheres somos responsáveis por gerar vida, que em si , traz um selo de originalidade, que é a maneira de nos comportarmos, criarmos, gerarmos e influenciarmos o mundo, com alma. As nossas escolhas como Mulheres dará à humanidade uma existência com Alma. Quantas vezes na história da humanidade a mulher colocou mãos à obra e reinventou e deu vida nova, seja ela na sociedade, na família e em sua própria existência como mulher. A mulher gera, edifica e espiritualiza a vida. A humanidade hoje, mais do que nunca, necessita deste dom feminino. Com a destruição da ecologia a vida corre perigo. Sustentabilidade é feminino. As nossas escolhas e a nossa visão da ecologia podem incluir o Eco ao invés de excluir. Gerar uma ecologia integral é ser Mulher, é dar vida, é reinventar a vida se for necessário.

Segundo o Papa Francisco, sem a mulher o mundo não seria harmónico, e sem a sustentabilidade destruímos a nossa casa em comum.

Por isso, quando penso em Sustentabilidade, penso nesta dimensão pessoal da qual hoje o planeta tanto necessita, creio ser fundamental voltarmos a olhar a originalidade da mulher e a Aliança de Amor que Schoenstatt propõe no seu caminho ascético, como responsabilidade social. Ser Schoenstabilidade é dar alma ao mundo que nos rodeia. Uma forma real e palpável de exteriorizar a nossa Aliança de Amor e marcar o mundo com o selo da nossa originalidade, que é gerar vida e vida com alma.

Neste sentido o papa Francisco nos chama a atenção:

“Que tipo de mundo queremos deixar a quem vai suceder-nos, às crianças que estão a crescer? Esta pergunta não toca apenas o meio ambiente de maneira isolada, porque não se pode pôr a questão de forma fragmentária. Quando nos interrogamos acerca do mundo que queremos deixar, nos referimos sobretudo à sua orientação geral, ao seu sentido, aos seus valores. Se não pulsa nelas esta pergunta de fundo, não creio que as nossas preocupações ecológicas possam alcançar efeitos importantes. Mas, se esta pergunta é posta com coragem, leva-nos inexoravelmente a outras questões muito diretas: Com que finalidade passamos por este mundo? Para que viemos a esta vida? Para que trabalhamos e lutamos? Que necessidade tem de nós esta terra? Por isso, já não basta dizer que devemos preocupar-nos com as gerações futuras; exige-se ter consciência de que é a nossa própria dignidade que está em jogo. Somos nós os primeiros interessados em deixar um planeta habitável para a humanidade que nos vai suceder. Trata-se de um drama para nós mesmos, porque isto chama em causa o significado da nossa passagem por esta terra”. (Laudato Si – 160)

Schoenstabilidade: O que significa desenvolvimento sustentável?

É aquele que satisfaz as necessidades do presente sem comprometer a capacidade das gerações futuras em satisfazer suas próprias necessidades. Esta definição é do relatório da Comissão Mundial do Meio Ambiente e Desenvolvimento. Ou seja “responsabilidade entre as gerações”. A sustentabilidade nos desafia a vivermos uma vida mais orgânica e equilibrada, unindo alguns pontos que nem sempre estão dando voltas no nosso dia a dia. O ambiente e a Ecologia, a economia e o social. Nossa experiência da sustentabilidade passa muitas vezes por separar o lixo da nossa cozinha e de comermos comida saudável. A maioria das mulheres já temos esta atitude assegurada. Mas ser sustentável nos leva a olhar o entorno da nossa vida e perceber que há muitas outras atitudes que podemos ter. No que diz respeito a sustentabilidade e economia, somos responsáveis pela gestão dos recursos naturais, para que todas as pessoas tenham os recursos necessários (carvão, petróleo, água) para viverem. Na sustentabilidade social somos responsáveis pela redução da desigualdade entre os povos, para que todas as pessoas tenham os recursos necessários para uma vida saudável e de boa qualidade. Nossa opção pela sustentabilidade pode salvar vidas, diminuir a pobreza mundial, contribuir para que outras mulheres e suas famílias, tenham uma vida mais digna. Afinal sustentabilidade, tem um foco, um alvo muito claro: os seres humanos. Pensar em um mundo sustentável nos leva às vezes a pensar em autocarros sustentáveis, roupas sustentáveis, produtos biodegradáveis e etc. No entanto a sustentabilidade é falar de “Pessoas” e a sua sobrevivência conectada com a natureza, com o seu entorno e uns com os outros.

Algo que nos pode ajudar a meditarmos esta realidade é a Carta do 31 de maio de 1949.

Ser sustentável é abolir do nosso dia a dia a mentalidade Mecanicista, em Aliança de Amor com Nossa Senhora.

“Este frente-a-frente recorda-nos, sem querer, que o pensamento central que sempre nos move, que nos impulsiona constantemente para a frente, mas que também nos assegura uma tranquilidade inalterável em todas as situações, é o pensamento da Aliança. Também desta vez a Aliança está no primeiro plano dos nossos interesses. Ela dá-nos resposta a todas as perguntas que reclamam uma solução. Ambos os contraentes, que há tanto tempo se pertencem mutuamente, estão frente a frente de novo neste momento, neste lugar santo. ( Carta 31 de maio 49 -versículo 07)

Com a massificação se implantou uma atitude de pensar e de viver na qual o homem rompe com todas as conexões (vínculos), divino e humano. Na pratica se vive como se fosse somente o homem que determina a história e como se só existisse o material. O Pe. Kentenich estima que a missão do 31 de maio, deve dar uma resposta a essa mentalidade mecanicista, que tem dificuldade em perceber uma relação saudável de dependência mútua. Nossa Senhora tem um papel muito importante nesta viragem da mentalidade mecanicista para uma mentalidade conectada com o divino e o humano. Ela resistiu à influência da sociedade e assumiu ser Mãe de Jesus, com toda a consequência social que existia em sua época.

Em Aliança de Amor com Nossa Senhora queremos que nossa Schoenstabilidade toque a esfera da vida social, e do mundo que nos rodeia e influencie a outros a terem consciência de que não podemos viver neste mundo desconectadas da nossa responsabilidade com a sustentabilidade e o futuro da humanidade. Somos chamadas a ser outras “Marias” no mundo atual e resistir à influência social do consumismo desenfreado.

O Papa Francisco nos convida: Educar para a aliança entre a humanidade e o ambiente

“A consciência da gravidade da crise cultural e ecológica precisa de se traduzir em novos hábitos. Muitos estão cientes de que não basta o progresso atual e a mera acumulação de objetos ou prazeres para dar sentido e alegria ao coração humano, mas não se sentem capazes de renunciar àquilo que o mercado lhes oferece”. (Laudato Si – 209)

A alma da mulher tem uma tendência às pessoas. O homem se preocupa e se interessa pelas obras, e a mulher se preocupa com as pessoas. O que faz é por amor às pessoas concretas. Se não tem a quem dedicar sua atividade, se sente frustrada e vazia.

Enquanto o homem enfrenta a realidade buscando a realização de fins, preenchido pelo espírito da eficiência e da utilidade, a mulher busca naturalmente a vida. Sempre que ela está diante da vida se sente comprometida a servir. É precisamente o serviço, a entrega à vida alheia que chamamos de maternidade. Podemos constatar que a sustentabilidade tem a ver com “Pessoas”, a nossa maternidade está agarrada, e nos sentimos mais comprometidas com a sustentabilidade e vida humana. Esta mesma atitude nos ajuda a seguir crescendo na nossa vida espiritual . À medida que estamos gerando vida ao nosso redor, ficamos ainda mais conectadas com Nossa Senhora , e trocamos mais facilmente os prazeres e os objetos que nos podem dar alegrias, pela alegria genuína no ser de cada mulher.

Um outro trecho do livro “As Palavras Caladas”, que expressa esse sentimento no coração de Nossa Senhora:

“Duvidei por um instante. Era um peso demasiado grande para uma simples menina. Mas então voltei a ouvir, como uma música no mais fundo de mim: «Contigo». E imediatamente o meu céu interior se iluminou. «Contigo». O mensageiro tinha-me dito, como Deus a Isaías: «Eu estou contigo». Não era eu, mas o amor dentro de mim, não era eu, mas a força, a própria vida, que tinha feito com que surgisse no mundo aquela que faria com que a beleza de Deus aparecesse com um rosto humano.” «Contigo»

«Contigo» Schoenstabilidade

“…A existência de leis e normas não é suficiente, a longo prazo, para limitar os maus comportamentos, mesmo que haja um válido controle.

…A doação de si mesmo num compromisso ecológico só é possível a partir do cultivo de virtudes sólidas.

É muito nobre assumir o dever de cuidar da criação com pequenas ações diárias, e é maravilhoso que a educação seja capaz de motivar para elas até dar forma a um estilo de vida”. (Laudato Si – 211)

Viragem Ecológica « Contigo »

1. Ações Individuais!

Consciencialização – mudar hábitos de Consumo

Viver a Aliança de Amor Consciente

2. Ações Comunitárias!

Influenciar o maior número de mulheres, no seu grupo de vida, Comunidade, Santuário.

Ser outra “Maria” no mundo.

3. Ações Globais!

Desenvolver Projetos Sociais para diminuir a pobreza.

Viver o espírito da partilha.


mulherRos’ana Silva
Senhora de Schoenstatt
Lisboa – Portugal
[email protected]

 

 

Etiquetas: , , , , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *