Colocado em 2020-07-05 In Laudato Si

Para uma aliança com a Criação

Entrevista com Ulrich Grauert, Suíça, sobre Economy of Francesco •

“Sou uma dos 2000 jovens seleccionados para a Economy of Francesco em Assis”, escreveu-me Valentina Alarcón, engenheira chilena, no chat de uma vídeo-conferência sobre justiça social e a nova ordem social, organizada por um grupo de schoenstatteanos chilenos, motivados pelo pensamento social de José Kentenich. “Temos de falar sobre isto especificamente”, respondi, “conheço alguém da Suíça que também está nisso. É Ulrich Grauert, CEO da Interholco AG, um dos principais produtores internacionais de madeira em África, com mais de 50 anos de experiência na aquisição e produção sustentável de madeira no continente africano. Juntamente com a sua esposa, Melanie, são co-fundadores e directores da IKAF (International Kentenich Academy for Management), e editores da versão alemã de “Viver a alegria no trabalho“, há já algum tempo também em bom intercâmbio com a “Economia de Comunhão” do Movimento dos Focolares.

Valentina está a preparar uma contribuição sobre o seu trabalho, até agora, para “Economy of Francesco“, o encontro internacional de 2000 jovens empenhados, economistas, empresários e arquitectos da mudança (na era do Dia Mundial da Juventude, até aos 35 anos), que o Papa Francisco tinha convocado para Março de 2020 em Assis, e que agora, devido ao Coronavirus, está previsto para meados de Novembro. A cidade de São Francisco de Assis será organizada para este fim em 12 “villas” onde serão discutidas as grandes questões da economia de hoje e de amanhã e serão propostas soluções. Estes são: Trabalho e cuidados; gestão e doação; finanças e humanidade; agricultura e justiça; energia e pobreza; vocação e lucro; política para a felicidade; CO2 da desigualdade; negócios e paz; mulheres para a economia; negócios em transição; vida e estilo de vida. Os participantes da “Economy of Francesco” são jovens investigadores, estudantes, pós-graduados; empreendedores e gestores; inovadores sociais, change makers , promotores de actividades e organizações locais e internacionais; interessados no ambiente, na pobreza, nas desigualdades, nas novas tecnologias, nas finanças inclusivas, no desenvolvimento sustentável: estão interessados nas pessoas.

Valentina tinha sabido da “Economy of Francesco” através de uma entrada no Instagram, na qual alguém expressou o seu pesar por já não se enquadrar no grupo etário. Depois, para seu grande deleite, descobriu que ainda podia apresentar ela própria o seu pedido.

Ulrich Grauert tem “muito” mais de 35 anos e também conseguiu entrar e foi por isso que o entrevistámos.

 

Foto: Economy of Francesco

Foto: Economy of Francesco

Como tomaste conhecimento da Economy of Francesco?

Um colega do departamento de marketing, que é muito sensível a questões que nos preocupam, tais como a sustentabilidade, avisou-me e disse que devíamos participar como empresa. Depois pesquisámos e fizemos contactos, mas não chegámos a lado nenhum. Depois, foi um tema de diálogo nos nossos contactos com “Economia de Comunhão” do Movimento dos Focolares, que são co-organizadores. Também foi discutido nos círculos de Schoenstatt. Fiquei simplesmente fascinado por tantos jovens, jovens empresários, que querem mais, que querem ajudar a formar um novo mundo, se terem juntado. No início pensei que podia participar com a minha mulher, mas percebi que não era possível “simplesmente participar”.

Através dos nossos contactos nos Focolares, com quem, há anos, organizámos uma conferência no evento “Juntos pela Europa: SIM, por uma economia justa” em Loppiano, descobri que os “Consultores Séniores”, mentores ou conselheiros para as 12 villas, também são convidados, para apoiar com a sua experiência, ficando em segundo plano. Agora, estou envolvido a título pessoal, mas claro que só posso falar sobre o que estamos a fazer com a nossa empresa em África. Eu disse que simplesmente me colocaria à disposição e estaria presente durante a semana.

Também tive uma experiência na FAO em Roma, onde o tema foi a sustentabilidade na agricultura e silvicultura tropicais. Houve uma reunião de jovens no dia anterior, à qual não pude assistir. O evento, em si, foi relatado, e um dos participantes tornou-se aluno de mestrado na nossa empresa.

 O que te impressiona na forma como os jovens abordam o assunto?

Vejo isso com os nossos próprios filhos, os jovens pensam sobre este assunto de uma forma completamente diferente da que costumávamos pensar quando éramos jovens. Pensam muito diferente sobre o futuro, perguntando especificamente: O que estou a fazer e o que não estou a fazer? Qual é a minha “pegada” pessoal na vida de hoje? Esta atenção fascina-me. Sem esta geração não podemos avançar, e podemos aprender muito com ela. É também um dar e receber, a nossa experiência e a sua consciência e a sua atenção. Espero que este encontro me dê novos impulsos, mais clareza, talvez, uma nova abordagem. Por exemplo, uma jovem plantou um jardim na sua varanda, que tem apenas dois metros quadrados; mas parece maior do que o do nosso jardim! Também comprou uma planta de compostagem, com a qual ela própria faz fertilizantes, e enviou-nos fotografias dos primeiros frutos do seu jardim… Na altura não tínhamos esta forma de pensar. Por detrás de tudo isto, há a inquietação, como vivo, que “pegada” deixo para trás. Ou alguém que ainda não tem carta de condução e diz: Eu não preciso de uma. Ou não preciso de um carro, peço-o emprestado quando preciso mesmo dele. Para nós foi a primeira coisa: obter a carta de condução! Não é que os jovens não tenham a mesma sede de liberdade que nós tínhamos na altura, mas é expressa de forma diferente. Há sempre o pensamento por detrás disto: qual é o impacto se eu comprar isso, se eu conduzir, se eu voar? Vejo também uma maior maturidade nesta consideração: e se…? Todos temos de repensar maciçamente.

Onde vês as possibilidades ou a necessidade de complementaridade?

Ainda ontem tive uma conversa emocionante com jovens sobre responsabilidade empresarial em grandes empresas. Um dos tópicos era a Nestlé. O que é relatado sobre esta ou aquela empresa nas redes sociais? O que é formar opinião e nem sempre pesquisado honestamente? Que informação, factos e relatórios independentes existem? Onde estão as empresas que se esforçam por mudar e querem corrigir erros e abrir novos caminhos?

Especialmente hoje em dia, temos de repensar a forma de lidar com os erros. Para mim é importante ter uma “cultura de erros”, onde é possível cometer erros, claro que não intencionalmente. Chamar as coisas pelos nomes, mas também aceitar uma mudança de correcção depois e avançar juntos. Não devemos misturar tudo e pensar que para as empresas se trata apenas de afã de lucro e os maiores ganhos possíveis, para além das perdas. Acima de tudo, participar o próprio, não apontar o dedo a partir do exterior, mas adoptar uma abordagem construtiva e enveredar juntos por novos caminhos, assumir a responsabilidade por onde estou, onde posso actuar. Caso contrário, não chegaremos a lado nenhum. Acima de tudo, as discussões não devem tornar-se ideológicas. Precisamos de nos relacionar com a realidade. Este intercâmbio e complementaridade é importante e valioso para mim.

É aqui que entra em jogo a palavra “cultura de aliança”: Queremos procurar uma troca honesta e sincera, pôr de lado a nossa visão de túnel e ver as ligações mais claramente na complementaridade mútua, e depois encontrar soluções e mudar as coisas. Schoenstatt leva-nos a pensar de forma mais complexa, a pensar em contextos, a pensar e a agir em rede. Só juntos podemos abordar e resolver os grandes e complexos problemas, tais como as alterações climáticas. Na minha opinião, é necessária uma estreita colaboração entre o sector privado, empresas, ONG, consumidores finais, governos, ciência, Juventude, o sector financeiro e também, a Igreja. Não só cada um por si – o que também é importante – mas acima de tudo construtivamente juntos, não uns contra os outros. Desta forma, a “cultura da Aliança” pode ganhar vida e ajudar a encontrar respostas e caminhos viáveis para as grandes questões de hoje.

 

Ulrich Grauert. Foto: Interholco AG

Com o que queres tu contribuir em Assis?

Gostaria de inspirar entusiasmo pela silvicultura sustentável nas regiões tropicais, especialmente na Bacia do Congo, em África, conservação através da utilização sustentável – estas são questões que me comovem. Não podemos simplesmente colocar um sino na floresta primitiva e não o tocar, mas devemos preservá-la através do uso sustentável e da manutenção da biodiversidade, através de cuidados, através da gestação de um ponto de vista ecológico.

Está prestes a ler Laudato Si’ pela segunda vez. O que te atrai?

Juntamente com a minha mulher, tentamos ler um pouco mais todos os dias. Como lemos, ficamos sempre presos numa frase e perguntamo-nos: O que é que isto significa para mim pessoalmente, muito concretamente? Com o que é que eu posso contribuir neste sentido ou mudar em mim?

Estou a pensar, por exemplo, no debate sobre o ciclo de vida, ou seja, quanto tempo durará um produto, quando e como será eliminado, a questão da separação, reciclagem, eliminação ou reparação de resíduos. Consideramos, por exemplo, comprar mais no ambiente, ou a própria questão “banal” de saber em que recipiente compramos o leite, que depois temos de eliminar de novo. Por outras palavras, a preocupação: como e onde vamos às compras? Que “lixo” é que trazemos para dentro de casa, que depois tem de voltar a sair de alguma forma e em algum momento?

Há três semanas atrás, o nosso velho gravador de cassetes avariou-se. Só precisamos dele para as cassetes antigas para os netos. Na verdade, queríamos deitá-lo fora. Há uma oficina de reparação na cidade. Reparam a electrónica gratuitamente. Esta é uma iniciativa realmente engenhosa do governo suíço juntamente com os pensionistas que reparam profissionalmente dispositivos electrónicos nos seus tempos livres. Agora o gravador de cassetes funciona novamente.

Mas há também a alegria de, como empresa, com a nossa madeira de África, termos um produto que tem um ciclo de vida muito fechado: esta madeira pode ser usada para construir casas de madeira, assim como mobiliário ou belos terraços de madeira que duram muito tempo. Muito mais longo do que os terraços de plástico ou madeira local que têm de ser tratados quimicamente. A madeira ajuda a proteger o clima. As árvores e as florestas são uma arma eficaz contra as alterações climáticas: extraem dióxido de carbono (CO2) do ar e armazenam o carbono na madeira e também no solo da floresta. O carbono é então armazenado na madeira, no produto, até ao “fim de vida” da casa de madeira, ou na cadeira de madeira ou no terraço. O bom Deus fez uma invenção engenhosa. E no final do ciclo de vida de um produto de madeira, este pode ser convertido directamente em “composto”. Ao contrário de outros produtos, o ciclo de vida é fechado.

Laudato Si’ fascina-me, não há unilateralidade ou polarização, porque tudo está inter-relacionado, e há também espaço para questões económicas. Estamos ainda a considerar como podemos contribuir como IKAF para a realização das preocupações de Laudato Si’.

Laudato Si’ é sobre o ambiente, mas também sobre o ambiente interior, também sobre o ser humano e a sua dignidade e direitos. Tive de pensar sobre isto numa conversa com alguém que acabou de perder o seu emprego porque agora, devido à COVID-19, não era e não é possível viajar. Isso dói.

Em “Laudato Si’” reflecte-se claramente o que está a acontecer no mundo neste momento, o que tem de acontecer, e que os nossos conhecimentos teóricos em Schoenstatt sobre o contexto orgânico devem agora ser postos em prática de forma concreta, e que não devemos fechar os olhos, mas que todos nós podemos contribuir, embora talvez apenas nas pequenas coisas.

O que eu gosto em “Laudato Si’” é a referência a Francisco de Assis, irmã terra, irmão sol – trata-se da nossa aliança com a Criação. Isto é muito tangível para nós, em África, nesta relação com a natureza que lá encontramos todos os dias, por exemplo, através dos medicamentos que vêm da floresta, das árvores, ou onde também se torna claro que a agricultura não é permitida lá, ou que os animais devem ser protegidos lá, ou que a caça é permitida em algumas partes porque é importante para a população local e para a sua subsistência.

Laudato Si’ faz-nos pensar e encoraja-nos também no nosso modelo empresarial, que inclui conscientemente toda a biodiversidade e a sua preservação. Sabemos que temos influência sobre o mundo animal, sobre o mundo vegetal. É sempre um acto de equilíbrio entre o que é economicamente viável e o que é ecologicamente desejável, e isso não é fácil. Esta é a grande tensão criadora no mundo de que fala o Padre Kentenich.

Em que “villa” trabalhas na Economy of Francesco?

A “villa” é chamada Agriculture and Justice, Agricultura e Justiça. Entre outras coisas, trata do papel da agricultura e da silvicultura no combate às enormes alterações climáticas, do crescimento da população mundial e dos crescentes conflitos territoriais. As alterações climáticas estão a roubar o sustento de milhões de pessoas em todo o mundo. Os direitos laborais, o direito ao trabalho, a protecção dos povos indígenas, os desafios relacionados com a segurança alimentar, a produção de biocombustíveis e as novas tecnologias são apenas alguns dos desafios que a agricultura e a silvicultura globais enfrentam:

Como podemos combinar justiça com agricultura e silvicultura sustentáveis para preservar o nosso planeta? Como é que os agricultores e os silvicultores lidam com os desafios económicos e as oportunidades dos mercados mundiais globalizados, em tempos de grandes alterações climáticas? Estas são as questões.

No agora prolongado tempo de preparação, há muitos seminários web sobre os temas da nossa “villa”. Participei em dois destes seminários web, e há mais de 100 pessoas a assistir a cada um deles durante todo o tempo.

Muito obrigado pelo teu tempo! E em breve falaremos sobre o que estás a fazer com a tua empresa em África, no espírito de “Laudato Si’”.

A entrevista foi conduzida por Maria Fischer, redactora de schoenstatt.org

 

Seminários abertos entre a COVID-19 e a Economy of Francesco

Os seminários “On-Life”, que foram transmitidos através das redes sociais da The Economy of Francesco, foram um grande sucesso: “Avançando para um mundo melhor pós-Covid” é uma iniciativa on-line organizada pela Comissão Científica da Economy of Francesco para examinar uma série de questões e desafios que a economia enfrenta actualmente.

Este ciclo de seminários começou no dia 1 de Maio com a filósofa canadiana Jennifer Nedelsky, conhecida internacionalmente pela sua proposta “Trabalho a tempo parcial para todos, cuidado para todos”.

No Dia do Trabalho, a Professora Nedelsky encetou um diálogo com jovens economistas e empresários sobre temas que vão desde o trabalho, cuidados e relações até possíveis cenários futuros. Mais de 1000 pessoas seguiram a transmissão em directo de todo o mundo: Itália, Argentina, Costa do Marfim, Coreia, Portugal, Camarões, Polónia, Colômbia, Nigéria, Brasil, Espanha, Suíça, Índia, Chile, Bélgica, Irlanda, África do Sul, Botswana e Cuba. Houve também uma grande participação no segundo seminário com o Pe. Vilson Groh, um padre que vive e trabalha, em nome do diálogo e da inter-cultura, com os pobres de uma favela brasileira em Florianópolis. Com base na sua experiência pessoal, abordou a questão da pobreza no mundo e na sociedade global de hoje, com especial ênfase na educação, justiça social e o desafio ecológico integral.

 

Aqui podem ser vistos os seminários (em inglês)

 

Original: alemão (27/6/2020). Tradução: Lena Castro Valente, Lisboa, Portugal

 

Etiquetas: , , , , , , , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *