Foto JMJ Lisboa 2023, Sebastiao Roxo

Posted On 2023-08-05 In JMJ Lisboa 2023

A Igreja tem espaço para todos. Todos

JMJ LISBOA 2023, Maria Fischer •

“A Igreja tem lugar para todos”, disse Francisco aos milhares de jovens reunidos na tarde de quinta-feira, 3 de Agosto. O acolhimento do Papa e dos jovens de todo o mundo teve lugar no Parque Eduardo VII, na chamada Colina do Encontro. Um entusiasmo partilhado entre o Papa e os jovens. Agitam-se bandeiras, vêem-se lágrimas de alegria e canta-se bem alto. Uma Igreja que canta não está morta.—

É o ponto alto de um dia cheio de encontros, encontros no verdadeiro sentido da palavra. Destacamos três deles neste dia cheio de encontros.

 

La iglesia tiene espacio para todos

A Igreja tem lugar para todos  Foto: P. Rafael Mota, Brasil

Encontro com os jovens da Ucrânia

Antes de deixar a Nunciatura, o Papa Francisco encontrou-se com um grupo de quinze jovens peregrinos da Ucrânia, acompanhados por Denys Kolada, consultor para o Diálogo com as Organizações Religiosas do governo ucraniano. É incrível, jovens de um país que foi agredido, bombardeado, um país com cidades destruídas e tantas famílias a chorar a morte de parentes, amigos, vizinhos… Depois de ouvir as suas histórias comoventes, o Papa dirigiu algumas palavras aos jovens e expressou a sua proximidade na dor e na oração.  No final do encontro, o grupo ofereceu a Francisco uma bandeira ucraniana e o Papa e os jovens recitaram juntos o Pai-Nosso, com o pensamento voltado para a Ucrânia martirizada.

El Papa se reunió con jóvenes de Ucrania

O Papa encontrou-se com jovens da Ucrânia | Foto: Vatican Media /WYD Lisboa 2023

Se a fé não gera estilos de vida convincentes, não faz fermentar a massa do mundo.

Oásis. Uma expressão muito cara ao nosso Schoenstatt… e rigorosamente eliminada há anos nas publicações de schoenstatt.org. A vocação do schoenstatteano, como a de todo o cristão, é sair, ir para as periferias… não procurar um oásis fora da realidade do mundo.

Esta é a mensagem que o Papa transmite aos estudantes neste dia:

“Preocupemo-nos antes quando estamos prontos a substituir a estrada a fazer, por uma paragem em qualquer estação de serviço que nos dê a ilusão do conforto; quando substituímos os rostos pelos ecrãs, o real pelo virtual; quando, em vez das perguntas lacerantes, preferimos as respostas fáceis que anestesiam. E podemos encontrá-las em qualquer manual de relações sociais, de bom comportamento. As respostas fáceis anestesiam. Neste momento histórico, os desafios são enormes, os gemidos dolorosos: estamos a viver uma terceira guerra mundial feita aos pedaços. Mas abracemos o risco de pensar que não estamos numa agonia, mas num parto; não no fim, mas no início dum grande espetáculo. E é precisa coragem para pensar assim. Por isso sede protagonistas duma «nova coreografia» que coloque no centro a pessoa humana, sede coreógrafos da dança da vida. As palavras da senhora Reitora serviram-me de inspiração sobretudo quando afirmou que «a universidade não existe para se preservar como instituição, mas para responder com coragem aos desafios do presente e do futuro». A auto-preservação é uma tentação, é um reflexo condicionado pelo medo, que nos faz olhar para a existência de forma distorcida. Se as sementes se preservassem a si mesmas, desperdiçariam completamente a sua força geradora e condenar-nos-iam à fome; se os invernos se preservassem a si mesmos, não existiria a maravilha da primavera. Por isso, tende a coragem de substituir os medos pelos sonhos: substituí os medos pelos sonhos, não sejais administradores de medos, mas empreendedores de sonhos!”

Exige, encoraja, motiva os estudantes – e cada um de nós, todos os que se identificam com uma “Igreja em saída”:

“Se a fé não gera estilos de vida convincentes, não fermenta a massa do mundo. Não basta que um cristão esteja convencido, ele ou ela tem de ser convincente. As nossas acções são chamadas a refletir a beleza – alegre e radical – do Evangelho. Além disso, o cristianismo não pode ser visto como uma fortaleza rodeada de muralhas, que se ergue como um baluarte contra o mundo.”
Todos

Foto: P. Rafael Mota, Brasil

Jesus nunca fecha a porta, nunca

O encontro tão esperado chegou finalmente: os jovens e o Papa juntos. Entram as bandeiras dos países dos diferentes jovens presentes. A Cruz Peregrina e o Ícone de Nossa Senhora Salus Populi Romani, símbolos das JMJ, partiram do centro da Colina do Encontro e subiram pelos corredores centrais. Enquanto a Cruz se encaminhava para o altar, Tiago Bettencourt interpretou a canção “Viagem”.

O Papa pronunciou mais uma vez a mensagem da Igreja de todos, aberta a todos, que já tínhamos ouvido no Mosteiro dos Jerónimos: a mensagem de “todos”, como escreve o Pe. Rafael Mota da Colina do Encontro. A mensagem de um dia numa palavra, a mensagem talvez de toda uma Jornada Mundial da Juventude, de todo um Pontificado: Todos.

“Somos chamados tal como somos, com os problemas que temos, com as limitações que temos, com a nossa alegria transbordante, com o nosso desejo de sermos melhores, com o nosso desejo de sermos bem sucedidos. Somos chamados tal como somos. Pensem nisto: Jesus chama-me como eu sou, não como eu gostaria de ser. Somos uma comunidade de irmãos e irmãs de Jesus, filhos e filhas do mesmo Pai.

Amigos, quero ser claro convosco, que sois alérgicos à falsidade e às palavras vazias: na Igreja há espaço para todos. Para todos. Na Igreja, ninguém é de sobra. Nenhum está a mais. Há espaço para todos. Assim como somos. Todos. Jesus di-lo claramente. Quando manda os apóstolos chamar para o banquete daquele senhor que o preparara, diz: «Ide e trazei todos», jovens e idosos, sãos, doentes, justos e pecadores. Todos, todos, todos! Na Igreja, há lugar para todos. «Padre, mas para mim que sou um desgraçado, que sou uma desgraçada, também há lugar?» Há espaço para todos! Todos juntos… Peço a cada um que, na própria língua, repita comigo: «Todos, todos, todos». Não se ouve; outra vez! «Todos, todos, todos». E esta é a Igreja, a Mãe de todos. Há lugar para todos. O Senhor não aponta o dedo, mas abre os braços. É curioso! O Senhor não sabe fazer isto [aponta com o dedo em riste], mas isto sim [faz o gesto de abraçar]. Abraça a todos. No-lo mostra Jesus na cruz, onde abriu completamente os braços para ser crucificado e morrer por nós.”

Palavras que deveriam ser afixadas nas portas de todas as igrejas:

“Jesus nunca fecha a porta, nunca, mas convida-te a entrar; entra e vê. Jesus recebe, Jesus acolhe. Nestes dias, cada um de nós transmite a linguagem do amor de Jesus: Deus ama-te, Deus chama-te. Deus ama-te, Deus chama-te… Como isto é belo! Deus ama-me, Deus chama-me. Ele quer que eu esteja perto dele”.

Palavras que deveriam ser ditas a todos os jovens, a todos os idosos, a todos os doentes, a todas as pessoas que se sentem fracassadas na sua vida:

“Deus ama-nos, Deus ama-nos como somos, não como gostaríamos de ser ou como a sociedade gostaria que fôssemos. Como somos! Ele chama-nos com os defeitos que temos, com as limitações que temos e com o desejo que temos de avançar na vida. Deus chama-nos assim. Confiem, porque Deus é um Pai e um Pai que nos ama. Isto não é muito fácil. E para isso temos uma grande ajuda, a Mãe do Senhor. Ela é nossa Mãe também, Ela é nossa Mãe.”

Obrigado, Deus, pelo nosso Papa Francisco da Igreja aberta a todos, da Igreja de braços abertos, da Igreja Mãe.

Photo: ©️ Arlindo Homem /JMJ Lisboa 2023

Foto: Arlindo Homem /JMJ Lisboa 2023


DISCURSO DO SANTO PADRE Todos os textos e vídeos – JMJ 2023 Lisboa

 Fotos

Cerimónia de acolhimento ao Papa Francisco JMJ 2023 | Welcoming ceremony for Pope Francis WYD 2023

Original: castelhano (5/8/2023). Tradução: Lena Castro Valente, Lisboa, Portugal

Tags : , , , ,

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *