Colocado em 16. Fevereiro 2020 In Dilexit ecclesiam

À volta da mesa… sobre um discurso do Papa Francisco

DILEXIT ECCLESIAM, Maria Fischer •

“Achei um discurso impressionante do Papa Francisco que confirma o que fazemos, como e, para os casais, e que, ao mesmo tempo nos exige. Enviei algumas perguntas para entrevistar pessoas que estão no ministério de noivos – se alguém se sente motivado pelo discurso do Papa e trabalha com famílias, casais, noivos, avisem-me e nós faremos entrevistas.” – Uma mensagem no grupo de colaboradores de schoenstatt.org, equipa espanhola, com os seus mais ou menos 60 membros. Uma mensagem como tantas outras quando se trata de agir para divulgar estas mensagens e procurar artigos para o site schoenstatt.org. Mas desta vez algo mais aconteceu. Durante várias horas, à volta da mesa (como o Padre Kentenich lhe chamava) houve um diálogo sobre os temas deste discurso, no dia 25 de Janeiro, por ocasião da inauguração do Ano judicial do Tribunal da Rota Romana. —

Queremos partilhar este diálogo por ser tão vivo e autêntico, porque complementa as três entrevistas já publicadas e na esperança de despertar muitos mais diálogos deste tipo.

Para o apreciar, convidamos os nossos leitores a ler primeiro o discurso:

 

DISCURSO DO SANTO PADRE  FRANCISCO POR OCASIÃO DA INAUGURAÇÃO DO ANO JUDICIAL DO TRIBUNAL DE ROMA, Sábado, 25 de Janeiro de 2020

 

Aqui, sem mais comentários, tal como se desenvolveu, este diálogo virtual e real:

 

Juan Barbosa, Córdoba, Argentina:        

Muito bom, Maria! Li-o muito rapidamente, mas depois tenho de o apreciar com tempo. Seja como for, já o partilhei com o nosso Grupo de Casais da Paróquia. Obrigado!

Paz Leiva, Madrid, Espanha

Espectacular este discurso. Um casamento modelo, amigos de S. Paulo. Por favor, envia as perguntas caso consigamos entrevistar alguém da Eduvida ou Forta (Fortalecimento Matrimonial).

Pe. José María, Madrid, Espanha:

A minha ideia é passá-las aos da Eduvida. Mas o do Forta também é boa.

Maria Fischer, Siegburg, Alemanha

Enviei-as aos nossos Anelena e Alejandro, da Costa Rica. Se pudéssemos fazer uma série inteira, seria perfeito.

Juani Villarraza, Paraná, Argentina

Eu passo-as para os das Missões Familiares, que são realmente muito disto. Como aqueles santos, eles também não estão quietos. A outra coisa que me chamou a atenção foi a insistência na paróquia. Isso é uma coisa que aqui no Paraná deveríamos ver ainda mais fortemente. Obrigado por partilhar!

Maria Fischer:

Sim, isso das paróquias é forte e deve desafiar-nos.

Juan Barbosa:

Na minha paróquia coordenamos um grupo de casais e temos uma grande ajuda do pároco. Em todo o caso, faz-nos bem sacudirmos-nos para “eliminar o pó da zona de conforto” que por vezes se acumula… E nunca esqueçamos a alegria do Evangelho!

Paz Leiva:

Por aqui, os párocos precisam de muita ajuda. Não podemos esperar que eles venham dar conferências. Temos de aparecer para servir, mesmo correndo o risco de nos pedirem para lavar as Alvas Como diz aquela mensagem do Papa, com alegria.

Eduardo Shelley, Monterrey, México:

A lavar as Alvas?

Juani Villarraza:

É como dizer que eles não os levam a sério, dão-lhes tarefas menores, de empregados domésticos, mas não de apostolado.

Eduardo Shelley:

Ohhh… Eu aprendi uma coisa hoje. Obrigado.

Paz Leiva:

Lavar as Alvas é lavar as peças de roupa usadas por baixo do Casula. Em todas as paróquias há quem se encarregue desse trabalho. Até isso devemos estar dispostos a fazer, desde que estejamos presentes nas paróquias. Não há necessidade de proclamar que somos de Schoenstatt, devemos estar presentes.

Carmen Rogers, Santiago, Chile:

Olha, Edu: Aposto que não sabes como remover as folhas extra na Sexta-feira Santa para o arranjo da glória, ou como procurar as “chagas” que viste uma irmã chilena guardar no ano anterior, e uma irmã alemã olha apenas para a caixa que diz “chagas” e nunca a vai encontrar, ou tens de usar “o” brilho com que se limpa a lâmpada e mais nenhuma outra!

Eu rio, mas com nostalgia e ternura, porque o que eu posso fazer melhor hoje na minha paróquia é segurar o Zaqueu, o cão do padre que se esgueira para a missa!

Lavando Alvas, vivemos a Aliança, pessoal!

Risos no grupo todo…

Laura, Encarnación, Paraguai:

Exactamente… Onde somos necessários, com humildade e amor! Serviço e dedicação.

Mas eu entendi o sentido figurativo que a Paz Leiva mencionou onde quer que seja para fazer parte e sentir-se útil. Ninguém é mais ou menos para fazer isso!

 

Michelle Ramirez, San Jose, Costa Rica:

Na Costa Rica temos uma grande colaboração nas paróquias, os Madrugadores abriram-nos as portas… estes homens são definitivamente instrumentos.

O Padre José Luis também fez um grande trabalho com o convite aos diocesanos e um almoço mensal na Casa do Movimento com eles.

De facto, a importância é tão grande, que na Casa do Movimento, durante a Missa dominical, se vende uma “cesta básica” de alimentos para os pobres da paróquia a que pertence o Santuário.

Para a próxima Jornada Nacional de Dirigentes (Março), tiveram a engenhosa ideia de que cada schoenstatteano use o seu “crachá” ou identificador com o nome da paróquia a que pertence ou na qual colabora.

Trata-se de ser criativo!

Paz Leiva:

Isso é estar ao serviço da paróquia. Bem, Costa Rica.

Juan Barbosa:

Nos Madrugadores temos uma expressão que sintetiza esta disponibilidade de nos oferecermos à paróquia e é ADSUM! o que significa:  Aqui estou! e o seu plural: ADSUMUS! muito claro e simples de facto! Um grande abraço em São Tomás de Aquino.

Eduardo Shelley:

Obrigado pela rica partilha das vossas experiências.

Claudia Echenique, Buenos Aires, Argentina

E para servir em qualquer parte a Igreja, o melhor exemplo é São José, que, do silêncio e no segundo plano, esteve sempre ao serviço de Jesus e Maria.

Pe. José Maria:

No final apenas o clero e as mulheres têm voz (risos).

Juan Barbosa:

Tal e qual! Mas digo-vos que desde os Madrugadores é incrível como está a mudar e a participação dos homens tem vindo a aumentar com o tempo. Não só em Córdoba, mas no resto da Argentina também é notável! E obviamente, no mundo deve ser replicado da mesma forma. Sem distinção de sexo. E como nos diz Cláudia, tomando São José como exemplo, vamos apoiar a Igreja que tanto amamos.

Silvia Losada, Tucumán, Argentina

Fazemo-lo na paróquia. Nós lavamos Alvas e purificadores. E muitas vezes ajudamos na limpeza. Mas é a Campanha da Mãe Peregrina que está comprometida nas paróquias, não nos noivos. Organizam missões familiares e outros fazem parte de Maria Solidária, que ajuda as famílias necessitadas, mas a partir do Santuário. Também para algumas escolas ou refeitórios, mas não em paróquias.

Carmen Rogers:

Não sei se eu seria insultada por uma feminista, mas a lavagem e “limpeza fina” é o meu trabalho… tal como Maria

Caso contrário, as Alvas não seriam muito alvas!

Juani Villarraza:

Entende-se que o Papa queira condenar o clericalismo, certo? Ele não se referia, literalmente, a lavar as Alvas, que não tem nada de errado. Ele tentava fazer-nos compreender que este é o momento para os leigos, que devemos empenhar-nos mais na evangelização e não nos preocuparmos tanto com uma vida quase de gueto, presos nas paróquias ou apenas com trabalhos “menores”.

Maria Fischer:

Tal e qual, Juani. Creio também que não devemos fechar-nos nos Movimentos, mas que devemos estar nas paróquias para servir todos.

Juani Villarraza:

Exactamente.

Maria Fischer:

Isto é, serviço às famílias, namorados, pobres, doentes… nas paróquias, a partir da nossa riqueza. Não directamente ou, não só “sacristia” e liturgia, mas Pastoral. O que Elizabeth Fields e Alejandro Robles propõem com seu projecto na Costa Rica, que cada Movimento ofereça o que de melhor pode às paróquias.

 

Pe. José Maria:

As paróquias são para a Igreja o que as famílias são para a sociedade. É a casa local para todos, independentemente do Movimento ou da espiritualidade que se tem. O facto de não funcionarem por razões pessoais ou de gestão, não as invalida. Há também muitas famílias que não funcionam e faz-se tudo, incluindo formação para as fazer funcionar.

Sem paróquias, tornamos-nos, nos Movimentos, egocêntricos e dedicados a competir uns com os outros. Como nas famílias, a vida de fé é cuidada e celebrada para formar pessoas que sairão para conquistar o mundo para a verdade, justiça e amor, para construir o Reino de Deus e assim ser a alma do mundo. As paróquias não têm vocação de gueto.

As paróquias têm uma vocação. Para ser um lar para todos. Uma coisa que o Pe. Kentenich nos pediu, especialmente, ao regressar do exílio.

Aqui Schoenstatt, sendo um caso preclaro, pode ser uma fonte de renovação e revitalização das nossas paróquias como casas de família. Maria gera família de todos e para todos.

Desculpai por me ter alongado, mas este é o verdadeiro DILEXIT ECCLESIAM.

Juani Villarraza:

É excelente, Padre. Serve muito e ajuda a compreender a relação com a Diocese e as paróquias. Obrigado!

Maria Fischer:

Gosto muito da comparação com as famílias, com os casais – nunca iríamos dizer que a família não vale a pena porque há famílias que falham, que não servem. Com as paróquias também sentimos o fracasso, mas isso não é motivo para “as esquecer”.

Pe. José Maria:

Fico contente por isto vos ser útil. Para mim é um desafio compreender a concepção que o Pe. Kentenich tem da Igreja e da sociedade, assim como o papel educativo de Maria.

Destruam a família e vocês destruirão o Homem, destruirão a paróquia e farão da Igreja um clube sem Missão, longe do seu Senhor e da Boa Nova.

Ambos têm os seus próprios desafios hoje e enfrentam-nos sem derrotismos nem espiritualismo.

Maria Fischer:

Alguns amigos contaram-me uma coisa que aconteceu no funeral de um membro da família: como tiveram de o fazer numa segunda-feira por causa do tema das férias dos netos e sobrinhos, foi difícil encontrar um Padre. O pároco da paróquia onde vive um dos irmãos da família ofereceu-se. Um Padre que diz ter três passatempos: a sua paróquia, a sua paróquia e a sua paróquia. Um sermão pascal que comoveu profundamente muitos dos presentes (entre eles pessoas que, com sorte, vão à Missa no Natal). Mais tarde este irmão disse obrigado e que iria recompensá-lo – pensando numa doação para a sua Pastoral Juvenil. O pároco respondeu: sim, já tenho uma ideia de como pode fazê-lo: preciso de um casal para a Pastoral dos recém-casados, um casal com experiência… Claro que eles deram o seu sim!

¡Un verdadero Dilexit Ecclesiam!

Juan Barbosa:

Para mim, nesta conversa, o Cura d’Ars esteve “sobrevoando”! Que troca agradável e construtiva! Eu adorei!

Pe. José Maria:

Linda e sugestiva história. Temos párocos no chat?

 

Claudia Echenique:

Relendo tudo, penso que fizemos honra ao santo de hoje – São Tomás de Aquino – e à sua frase (que o Pe Guillermo Carmona menciona sempre tanto), “Tudo é recebido como um recipiente”.

Cada um recebeu o comentário original da Homilia do Papa de acordo com o seu “destinatário”, o seu ser e a sua circunstância; e a partir daí, cada um deu a sua contribuição e partilhou a sua experiência.

Um verdadeiro Dilexit Ecclesiam!

Juani Villarraza:

O grande santo! Admiro-o muito.

Silvia Losada:

Quanto aos Madrugadores, em Tucumán foram também um pilar em várias paróquias. Além do Santuário, reúnem-se todos os sábados do mês em diferentes paróquias. A missão dos Madrugadores é excelente!

Octavio Galarce:

No Chile, das 150 comunidades que temos, 130 são paroquiais.

Maria Fischer:

Dilexit Ecclesiam, de facto.

Catalina Hutt, San José, Costa Rica:

Como diz a Michelle: Catequese de hoje. Obrigado, Padre, por uma contribuição tão bonita.

Nós, na Costa Rica, em breve teremos uma Jornada Nacional de Dirigentes e o tema é: “Eu amo a Igreja, eu sou a Igreja”. Estou muito próxima de tudo o que foi dito antes para que possamos começar a aquecer para a nossa jornada. Iremos contando e informando.

Pe. Esteban Casquero, Daireaux, Argentina

Boa tarde a todos. Com muita simplicidade partilho convosco que, na minha paróquia (São José em Daireaux), temos um casal de Schoenstatt que, juntamente com um outro dos Cursillos, dá as palestras pré-matrimoniais. Eles preparam estas conversas com um livrinho muito bom, que foi publicado no Chile pelas pessoas do Movimento, e há cinco encontros. Não havia Movimento Apostólico de Schoenstatt nesta paróquia. Assim, no ano de 2018, formei um grupo de 8 casais. Encontro-me com eles de duas em duas semanas nas suas casas. É claro que todos fazem alguma coisa na paróquia como apostolado e também vêm à missa com os seus filhos, claro. Mas em geral na minha Arquidiocese (de Bahía Blanca – Buenos Aires) existem apenas duas paróquias onde os schoenstatteanos dão palestras pré-matrimoniais, esta e a do Coronel Dorrego.

Sonia Zaracho, Encarnación, Paraguai:

Somos, eu e o meu marido, um casal guia para as palestras pré-matrimoniais da nossa paróquia em Hohenau – cidade do Paraguai – há mais de 20 anos. Além disso, fazemos parte da Pastoral Familiar Diocesana e somos um casal responsável por um Decanato que é formado por 10 paróquias e mais de 50 capelas. Uma equipa de cinco casais de Schoenstatt participa no trabalho pastoral que realizamos com os noivos.

Temos feito um trabalho de formigas para instalar a Pastoral Familiar em cada paróquia e é difícil para nós trabalhar com muitos párocos que não nos querem dar este espaço.

Na Pastoral Diocesana da Família, preparámos um material para os casais-guia e outro material com workshops para os noivos e, no final, eles elaboram um projecto de vida paroquial.

Pe. Esteban Casquero:

Que belo testemunho de trabalho, Sonia! Aparentemente sou o único pároco da equipa? Gostaria apenas de vos dar um humilde conselho: em geral ouve-se dos padres que o Movimento leva pessoas da paróquia para os seus centros e elas deixam de lá trabalhar. A receita seria apresentar-se ao pároco e dizer que se é de Schoenstatt, oferecendo-se para o que ele precisar. Na minha opinião há muitos schoenstatteanos que trabalham muito bem nas paróquias, mas sem dizerem que são do Movimento. Isto não é bom porque ninguém os conhece e eles pensam que desta forma Schoenstatt está nas suas sedes e Santuários e não trabalha na respectiva paróquia. Apresentar-se ao pároco e ter o apostolado aí está a chave. Em liberdade como filhos de Deus, cada um procede como quer. Bênção.

Sonia Zaracho:

Da mesma forma, Padre, sempre deixamos claro que somos de Schoenstatt e que o nosso Fundador nos ensinou a amar a Igreja e que nos colocamos sempre à disposição dos párocos.

Cata Hutt:

É isso mesmo!

Silvia Losada:

Olá, Padre Esteban. Nós dizemos que somos de Schoenstatt e colocamos-nos à disposição. Alguns párocos não gostam dos Movimentos na sua paróquia. Outros apoiam-nos

Temos alguns que já selaram a Aliança de Amor com a Mãe de Deus e outros que temem exatamente o que vocês dizem: que abandonem as suas tarefas na paróquia e sigam Schoenstatt. Isso às vezes acontece quando casais ou mães vão dar palestras para a Aliança.

Gabriela de la Garza, Monterrey, México

Em Monterrey, México, muitos casais do Movimento são facilitadores do Foccus, uma ferramenta que ajuda os noivos a terem uma melhor comunicação, mais enriquecedora e que a Arquidiocese já está pondo como requisito antes de se casarem.

Por outro lado, há aproximadamente 10 anos, temos grupos de “Noivos em Movimento”, um programa que acompanha grupos de noivos para fortalecer a sua relação e comunicação.

Sem dúvida, uma contribuição para que os casais se tornem mais conscientes sobre o casamento!

 

Original: espanhol (9/2/2020). Tradução: Lena Castro Valente, Lisboa, Portugal

Etiquetas: , , , , , , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *