Colocado em 2017-05-14 In Em Aliança solidária com Francisco

Devemos orar por África – Está em necessidade desesperada

ÁFRICA do SUL, Sarah-Leah Pimentel •

“Que os cristãos em África, em imitação do Misericordioso Jesus, possam dar um testemunho profético de reconciliação, justiça e paz” – esta é a intenção de oração universal do Santo Padre para o mês de maio de 2017. No vídeo mensal difundido e desenvolvido pela Rede Mundial de Oração do Papa (Apostolado da Oração), ele diz:

“Quando olhamos para África, vemos muito mais do que a sua grande riqueza natural.

Vemos a alegria de viver e, acima de tudo, vemos motivos de esperança na rica herança intelectual, cultural e religiosa de África.

Mas não podemos deixar de ver as guerras fratricidas que dizimam os povos e destroem esses recursos naturais e culturais.

Juntemos-nos aos nossos irmãos e irmãs deste grande continente e rezemos juntos para que os cristãos de África, imitando Jesus Misericordioso, possam testemunhar profeticamente a reconciliação, a justiça e a paz “.

aaaa

 

Sarah-Leah Pimentel da equipe de Schoenstatt.org escreveu um artigo exatamente sobre isso em fevereiro na revista católica “Southern Cross”. Ela perguntou ao editor se ela poderia reutilizar o artigo para Schoenstatt.org e ele autorizou. Então aqui está!

Os discípulos ficaram muito curiosos sobre o que Jesus fez quando saiu sozinho para o monte ou empurrou um barco para o centro do Lago da Galileia. Depois que ele lhes explicou que estava orando a seu Pai no céu, eles pediram-Lhe: Senhor, ensina-nos a orar.

Às vezes, quando nos aproximamos de Deus em oração, sentimos que não sabemos como devemos orar, ou mesmo o que devemos orar.

Ao iniciar a nossa peregrinação de oração para as celebrações do centenário de Fátima, unimos-nos à nossa Mãe Santíssima e ao Santo Padre para orar pelas necessidades do mundo. Este mês, rezemos pelo nosso amado continente[1], que é assaltado por tantos conflitos que são rapidamente esquecidos pelos mídia.

Em Janeiro, a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) disse à União Africana que 17 milhões de pessoas no Corno de África enfrentam uma grave escassez de alimentos. Uma seca prolongada que não mostra sinais de terminar está afetando pessoas no Djibouti, na Eritréia, na Etiópia, no Quénia, na Somália, no Sudão do Sul, no Sudão e no Uganda.

A FAO alertou que, a menos que os governos individualmente e a região do Corno de África se unam para implementar uma resposta imediata, a crise humanitária pode ser catastrófica.

Além da ameaça de fome, muitos países do Corno de África estão envolvidos em violentos conflitos políticos que deixaram milhares de pessoas mortas, muitos mais milhares de deslocados e vítimas de violações dos direitos humanos.

Na Etiópia, a minoria de Tigrinyan mantém um controlo de ferro sobre o poder. Nos seus esforços zelosos para expandir a economia e atrair o investimento estrangeiro, o governo expropriou a terra do grupo étnico Oromo e transferiu-a para grandes corporações, sem qualquer recompensa.

Irritados com isso, os maiores grupos étnicos na Etiópia, os Oromos e os Amharas, lançaram uma série de protestos em massa em 2016. O governo respondeu com o encarceramento de milhares de pessoas e a proibição das fontes de mídia dos povos Oromo e Amhara.

Há relatos de que, no ano passado, as autoridades também mataram dezenas de pessoas, mas a falta de acesso a essas regiões isoladas torna difícil estimar o número de mortes.

Mesmo a atleta olímpica etíope Feyisa Lilesa, que fez um gesto anti-governo durante a sua corrida nos Jogos Olímpicos do Rio 2016, é incapaz de voltar para casa e a sua família tem sido ameaçada.

[1] África

 

Darfur. Foto © iStock Getty Images, licemsed for schoenstatt.org

Passando a fronteira para a Eritrea, nós encontramos um dos regimes mais opressores de África. A liberdade de expressão é inexistente. Dezessete jornalistas foram presos desde 2015 – a maioria na África subsaariana. A mídia privada é inexistente e apenas 1% dos seus cinco milhões de cidadãos têm acesso à Internet e só 7% têm celulares, mas esses serviços são freqüentemente cortados pelas autoridades.

O Sudão do Sul é o filho mais jovem de África, sendo a nação mais jovem do continente africano tornando-se independente em 2011. Dois anos depois, o país foi mergulhado numa guerra civil após uma luta de poder entre o presidente SalvaKiir e o seu então vice-presidente, Riek Machar.

Massacres, raptos e assassinatos étnicos entre as duas partes continuaram, com um conflito em larga escala reiniciado em 2016.

O Sr. Machar fugiu e atualmente está refugiado na África do Sul e não há fim à vista do conflito, que viu 760000 pessoas fugirem para o Uganda, para o Sudão ou deslocadas internamente.

Mais de 1,1 milhão de pessoas fugiram das suas casas desde 2013.

Ao lado, o Sudão não é muito melhor. Lembremos que há um mandado internacional de  captura para o seu presidente, Omar al-Bashir, por crimes contra a humanidade.

O Sudão tem estado em guerra há praticamente 25 anos. O governo extermina violentamente os grupos da oposição e foi acusado de usar armas químicas contra o seu próprio povo. Na região de Darfur, os grupos da oposição pegaram em armas contra o governo, mas é o povo que sofre. As organizações humanitárias estimam que pelo menos 300 mil pessoas morreram no Darfur desde 2008 e que atualmente há 2,5 milhões de pessoas deslocadas internamente no Sudão.

Finalmente, vamos visitar a Somália. Há algumas boas notícias aqui. A Somália está concluindo um processo eleitoral prolongado para escolher um novo governo. É um processo complicado envolto em suborno e influência, onde cada clã seleciona o seu candidato. Na Somália não existe uma coisa como o voto popular.

Mas dado que a Somália esteve sem qualquer governo entre 1991 e 2004, percorreu um longo caminho.

O maior problema que a Somália enfrenta hoje é o al-Shabaab, um grupo extremista que aterroriza cidades e aldeias em todo o país. O governo tem uma parceria com a comunidade regional e internacional para lutar contra o al-Shabaab, mas com sucesso duvidoso. Todos os dias lemos sobre novos ataques a aldeias rurais, atentados suicidas na capital Mogadíscio, ataques contra acampamentos do exército em todo o país. Todos os  dias aumenta o número de mortos.

Há 340000 refugiados somalis apenas junto à fronteira com o Quénia, no campo de refugiado de Dadaab. O Quénia está fechando este acampamento. Neste momento é incerto para onde irão os deslocados da Somália.

Nós sentimo-nos impotentes cada vez que lemos sobre estes conflitos. No entanto, as pessoas individuais presas nessas situações, sem esperança, precisam das nossas orações: por proteção, pela força para enfrentar outro dia. Podemos orar pelos protagonistas desses conflitos, para que os seus corações mudem e para que vejam os efeitos das suas acções políticas no seu próprio povo.

Podemos transformar as nossas orações em ação, fazendo donativos a organizações como Os Médicos Sem Fronteiras, que entram nessas zonas de guerra e dão algum alívio ao sofrimento humano.

Podemos mostrar compaixão aos imigrantes que vivem à nossa volta.

A maioria das pessoas não escolhem deixar as suas casas e as suas famílias sem razão. Elas estão aqui porque as condições nos seus países mpossibilita-os de dar um futuro melhor aos seus filhos, ou talvez o seu pequeno rendimento, enviado para casa, alimenta muitas bocas.

Salve Rainha, Mãe de Misericórdia
Vida, doçura e esperança nossa, Salve!
A Vós bradamos, os degredados filhos de Eva
A Vós suspiramos, gemendo e chorando
neste Vale de Lágrimas.
Eia, pois, advogada nossa
Esses Vossos olhos misericordiosos
A nós volvei!
E depois desse desterro,
Mostrai-nos Jesus, bendito fruto do Vosso Ventre
Ó Clemente,
Ó Piedosa,
Ó Doce Sempre Virgem Maria.
Rogai por nós Santa Mãe de Deus,
Para que sejamos dignos das promessas de Cristo. Amém.

Originalmente publicado no único jornal católico da África do Sul, The Southern Cross, em 21 de fevereiro de 2017.

Original: inglese, 05.05. 2017. Tradução: José Carlos A. Cravo, Lisboa, Portugal

Etiquetas: , , , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *