Posted On 2022-05-16 In Igreja - Francisco - movimentos, Schoenstatteanos

Ele restaurou a imagem da Igreja

ALEMANHA, Helmut Bach • 

Gostaria de ter acrescentado algo ao que foi dito no funeral sobre o pároco Heinz Künster

Quando me foi pedido que escrevesse numa brochura da minha paróquia sobre o que me mantém na Igreja apesar de tudo, lembrei-me inevitavelmente das boas experiências com o “pessoal de terra”, especialmente com o pároco da minha infância. Assim, deparei-me com o seu website e li o artigo por ocasião do seu funeral.

O Reitor Zillekens descreveu-o com muita precisão como um grande homem de oração e um bom confessor. Quando eu era criança, via-o muitas vezes ajoelhado sozinho num banco da nossa igreja, com o Terço na mão. E também, como um confessor compreensivo e com os pés no chão, corrigiu muitas vezes uma imagem confusa da Igreja para nós jovens adolescentes (um dos seus antecessores mandou construir na nossa igreja paroquial um confessionário de cristal de rocha branca para a primeira confissão das crianças da Primeira Comunhão!)

Mas para mim, as palavras ditas sobre ele eram demasiado “politicamente correctas”.

Estou certo que não tenho de explicar que para um não-schoenstatteano o Olho do Pai não é muito mais do que uma obra notável de ourivesaria. Por conseguinte, falta-me certamente uma forma adequada de ver a tarefa de Heinz Künster.

Celebración del 90º cumpleaños, 2015

Um temido “condutor perante o Senhor”

Mas conheci-o e apreciei-o em tempos que certamente também fizeram parte das suas aventuras pela mão da Mãe. Na escola primária, depois da aula de religião, lia-nos a história “Menino de madeira”, que agora só conhecemos como “Pinóquio”. Ele era um “condutor perante o Senhor” temido por todas as galinhas da aldeia, que frequentemente pressionava com o seu pesado sapato com cordões o pedal direito do seu miserável Fusca.

Não havia um Domingo nos nossos acampamentos de escuteiros em que ele não fosse dar-nos Missa, por vezes a centenas de quilómetros de distância.

Também conhecemos o nosso padre com um fato de banho, e isso não prejudicou a dignidade do seu ofício sacerdotal. Foi graças a ele que as primeiras “Missas de Batidas” se tornaram possíveis no nosso país, com os crentes mais velhos a fugir da Igreja. Hoje em dia, chama-se “novos cantos espirituais”. 

“O israelita na cruz será o primeiro a ir-se embora”

Quando, após o suicídio de um jovem, alguns bons católicos se opuseram a que fosse enterrado na igreja, ele ameaçou-os do púlpito que não daria a esses bons cristãos um funeral na igreja no devido tempo. E já em meados da década de 1970, por ocasião dos slogans “estrangeiros fora” dos bons católicos, profetizou que “o israelita na cruz” seria então o primeiro a ir-se embora. Ele tinha um grande coração para os necessitados e ajudava onde podia.

Quando foi transferido para Koblenz-Lützel – um lugar de interesse social nessa altura – alguns de nós íamos lá aos Domingos de scooter ou ciclomotor para ir à igreja, e a alguns de nós casou-nos mais tarde.

Eu não queria deixar de mencionar isto. Talvez possa colocá-lo como comentário na sua página web.

Obrigado antecipadamente pelos seus esforços.

Helmut Bach, Lahnstein, antiga paróquia de St. Nikolaus, Koblenz-Arenberg

Funeral del pastor Heinz Künster, 2016

Funeral do Pároco Heinz Künster, 2016

Original: alemão (10/5/2022). Tradução: Lena Castro Valente, Lisboa, Portugal

Tags : , , , , , ,

Leave a Reply

Your email address will not be published.