Madre ven

Colocado em 2021-06-23 In Igreja - Francisco - movimentos, Schoenstatt em saída

Madre, ven: “As pessas vêem-n’A passar e espontaneamente juntam-se à peregrinação”

ESPANHA, Maria Fischer •

Mediaticamente, é já um sucesso com uma forte presença em Spotify, YouTube, Instagram, Facebook, Twitter, várias páginas diocesanas, rádio, portais de notícias, boletins, com poucas palavras (esperamos que ainda verbalizem todas as experiências e histórias), muitos vídeos e muita música: Madre, ven – esta grande peregrinação pelas ruas de Espanha torna-se notícia e história neste Verão de 2021, marcado pela pandemia e não poucas tempestades dentro da Igreja.

 

Até agora, a peregrinação “Madre, ven” passou por Aragão, Navarra, País Basco e Cantábria, deixando uma multidão de anedotas e momentos comoventes.

Ambrosio Arizu, da União das Famílias de Schoenstatt, iniciador da peregrinação e que acompanha “Maria Peregrina” desde o início no dia 1 de Maio, partilhou um vídeo e disse-me: “A nossa Mãe visita os velhinhos de Bergara, depois é acompanhada pelas Irmãs de Maria Stella Matutina. São 40 mulheres jovens de 27 anos, em média”. Pode-se sentir a alegria.

“É incrível a alegria que transmite às pessoas quando chega a cada lugar. Tudo foi organizado com muito cuidado, respeitando os foros e restrições do Covid”, diz Marco, que tem acompanhado a Imagem em quase todos os lugares por onde passou em Navarra.


Madre, ven, pelas Astúrias

Há uma grande variedade de recordações que gravámos na nossa memória”, explica José Luis Prieto, responsável pela organização da peregrinação através das Astúrias, de 13 de Junho a 8 de Julho, “como quando a imagem da Mãe de Deus passa por uma cidade e as pessoas A vêem passar e se juntam espontaneamente à peregrinação, ou quando Ela vai visitar algumas religiosas num mosteiro de clausura e elas A recebem emocionadas; Fomos a alguns lares de idosos e pudemos vê-los chorar de emoção quando viram que Nossa Senhora os ia ver; lembro-me também de um lar para doentes psiquiátricos, que preparou algumas flores de pano que incorporámos no pequeno carro com o qual estamos a transportar a Imagem. Quando passámos por Pamplona, os estudantes da universidade ficaram muito entusiasmados; foi lindo ver centenas de pessoas na rua a cantar a Nossa Senhora. Também em Loyola, por onde passou, coincidindo com o facto de este ano ser o 500º aniversário da conversão de Santo Inácio. Está a ser, em suma”, acrescenta, “uma peregrinação dirigida por Ela, e é por isso que está a ser tão impressionante. Para além do facto de a Imagem, por ser branca, transmitir uma luz e uma paz impressionantes, todos os que A vêem o dizem.

Para além de José Luis, as etapas da peregrinação nas Astúrias foram divididas entre várias pessoas, que por sua vez têm a colaboração de Párocos, Voluntários e Irmandades, que trabalham arduamente para que cada trecho e cada paragem da Imagem da Virgem Imaculada, enquanto passa pelas Astúrias, seja especial.

Madre, ven: sem ter de se inscrever

Ao mesmo tempo, a organização recorda que a participação é espontânea, não há necessidade de pedir autorização para aderir, e no seu site oficial www.madreven.es é possível ser-se informado diariamente sobre os locais onde passará. O seu perfil nas redes sociais, especialmente Instagram, permitem-lhe seguir quase em directo a rota.

“Nossa Senhora não pede o nosso cartão de identidade ou currículo”, diz o Padre Jaime Bertodano, um dos organizadores. “Ela sai ao encontro de todos aqueles que A querem receber de uma forma ou de outra. Todas as idades podem inscrever-se como peregrinos ou como voluntários no website www.madreven.es e fazer as etapas que quiserem, ou receber a Virgem na cidade por onde Ela passa ou participar nas celebrações em Sua honra”.

Madre ven

Tudo começou com um grupo de amigos

Uma experiência que será vivida este Verão nas Astúrias, que os seus organizadores descrevem como impressionante. Tudo isto começou com um grupo de amigos”, admite José Luis. E, através do boca a boca, pessoas de todas partes começaram a aderir. É a Mãe de Deus que pouco a pouco está a organizar a peregrinação, só temos de A deixar fazê-lo, e confiar nela.

“Podemos ter a certeza de que daí resultarão frutos de fé, frutos de conversão, frutos de amor, e quando olhamos para trás é engraçado que tivéssemos estas dúvidas”, diz Ambrosio. “A vida que surgiu em torno de ‘Madre, ven’ é impressionante”.

“Estamos a ver como a Imaculada está a aproximar-se dos simples de coração e, como muitos se sentem consolados e alegres na fé”, diz o Pe. Jaime. “A passagem de Nossa Senhora está a ser um verdadeiro encontro com Maria Santíssima e, está a dar um impulso em muitas cidades, paróquias e comunidades que, a pandemia tinha obrigado a dar um passo atrás. Nossa Senhora está a pôr-nos em movimento e a fazer-nos sair do medo ou do tédio. Muitos fazem suas as palavras deste conhecido cântico e dizem-lhe verdadeiramente: “Vem connosco, vem caminhar, Santa Maria, vem.

Além disso, todo o trabalho feito para esta peregrinação está a ser uma experiência muito excitante de comunhão entre carismas e acentos diferentes, mas unidos pela mesma Mãe. Também o trabalho dos leigos é incrível e nós precisamos deles na Igreja. Portanto, espero que no fim, tudo isto permaneça: a força da evangelização, a comunhão na sua Igreja, e a co-responsabilidade dos leigos. E o amor de Nossa Senhora, é claro”.

www.madreven.es

Com material de www.madreven.es e da Página da Arquidiocese de Oviedo, Astúrias

Original: espanhol (20/6/2021). Tradução: Lena Castro Valente, Lisboa, Portugal

Etiquetas: , , , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *