vida

Colocado em 2020-12-18 In Dilexit ecclesiam, Igreja - Francisco - movimentos

Acabar com a vida não pode ser a solução para a abordagem de um problema humano

ESPANHA, equipa editorial •

“Convidamos-vos como Igreja espanhola e como Schoenstatt espanhol a acompanhar-nos neste dia…”, escreveram os membros espanhóis da equipa editorial de schoenstatt.org. A Conferência Episcopal Espanhola (CEE) convoca os católicos para um dia de jejum e oração nesta quarta-feira, 16 de Dezembro, para “pedir ao Senhor que inspire leis que respeitem e promovam o cuidado da vida humana”. —

Convocatorio

Partilhamos a declaração dos bispos espanhóis de que “A vida é um dom, a eutanásia é um fracasso” (ES), tendo em conta a aprovação pelo Congresso espanhol da Lei Orgânica sobre a Regulamentação da Eutanásia. É uma reflexão de um médico, brilhante e contundente, bem como muito ilustrativa. É para Espanha, mas chegará a todos nós, mais cedo ou mais tarde. Temos de tomar uma posição.

 

1O Congresso dos Deputados está prestes a concluir a aprovação da Lei Orgânica sobre o Regulamento da Eutanásia.  O processo tem sido levado a cabo de forma suspeita e acelerada, em tempos de pandemia e estado de alarme, sem escuta ou diálogo público.  Isto é particularmente grave, uma vez que estabelece uma ruptura moral; uma mudança nos objectivos do Estado: de defender a vida para ser responsável pela morte infligida; e também da profissão médica, “chamada, tanto quanto possível, a curar ou pelo menos a aliviar, em qualquer caso a consolar, e nunca a provocar intencionalmente a morte”. É uma proposta que corresponde à visão antropológica e cultural dos sistemas de poder dominantes no mundo.

2A Congregação para a Doutrina da Fé, com a aprovação expressa do Papa Francisco, publicou a Carta Samaritanus Bonus sobre o cuidado de pessoas nas fases críticas e terminais da vida. Este texto lança luz sobre a reflexão e o juízo moral sobre este tipo de legislação. Também a Conferência Episcopal Espanhola, com o documento Semeadores da Esperança. Acolher, proteger e acompanhar na fase final desta vida, oferece algumas orientações esclarecedoras sobre a questão.

3Instamos à promoção dos cuidados paliativos, que ajudam a viver a doença grave  sem dor, e ao acompanhamento integral, portanto também espiritual, dos doentes e das suas famílias. Este cuidado integral alivia a dor, consola e oferece a esperança que, vindo da fé, dá sentido a toda a vida humana, mesmo no sofrimento e na vulnerabilidade.

4A pandemia pôs em evidência a fragilidade da vida e suscitou pedidos de cuidados, bem como a indignação pela negligência dos cuidados aos idosos. Tem havido uma consciência crescente de que, o fim da vida não pode ser a solução para a abordagem de um problema humano. Apreciámos o trabalho dos prestadores de cuidados de saúde e o valor da nossa saúde pública, apelando mesmo para a sua melhoria e maior atenção orçamental. A morte provocada não pode ser um atalho que nos permita poupar recursos humanos e económicos em cuidados paliativos e acompanhamento abrangente.  Pelo contrário, perante a morte como solução, é necessário investir no cuidado e na proximidade de que todos nós precisamos na fase final desta vida. Esta é a verdadeira compaixão.

5A experiência dos poucos países onde foi legalizada diz-nos que, a eutanásia incita à morte os mais fracos. Ao conceder este suposto direito, a pessoa, que é sentida como um fardo para a família e uma carga social, sente-se condicionada a pedir a morte quando uma lei a pressiona nesse sentido. A falta de cuidados paliativos é também uma expressão da desigualdade social. Muitas pessoas morrem sem poder receber este cuidado e só aqueles que o podem pagar é que podem contar com ele.

6Com o Papa dizemos: “A eutanásia e o suicídio assistido são uma derrota para todos. A resposta a que somos chamados é nunca abandonar aqueles que sofrem, nunca desistir, mas sim cuidar e amar para dar esperança.” Convidamos-vos a responder a este apelo com oração, cuidado e testemunho público que, encoraje um compromisso pessoal e institucional com a vida, o cuidado e uma verdadeira boa morte em companhia e esperança.

7Pedimos a todos aqueles que têm a responsabilidade de tomar estas graves decisões que actuem em consciência, de acordo com a verdade e a justiça.

8Por conseguinte, convocamos os católicos espanhóis para um Dia de Jejum e Oração na próxima quarta-feira, 16 de Dezembro, para pedir ao Senhor que inspire leis que respeitem e promovam o cuidado da vida humana.  Convidamos todos os indivíduos e instituições a juntarem-se a esta iniciativa.

Encomendamo-nos a Maria, Mãe da Vida e da Saúde dos Doentes, e à intercessão de São José, Patrono da boa morte, no seu Ano Jubilar.

Madri 11 de Dezembro de 2020

Original: Espanhol (16/12/2020). Tradução: Lena Castro Valente, Lisboa, Portugal

Etiquetas: , , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *