Catedral de La Plata

Colocado em 14. Outubro 2019 In Dilexit ecclesiam, Igreja - Francisco - movimentos

O presente do Papa Francisco para a Catedral de La Plata

ARGENTINA, redacção

Recordamos a grande entrevista com o novo Pároco da Catedral de La Plata, o schoenstatteano Pe. Jorge González, mostrando o seu desideratum de “santuarizar” a catedral, fazendo seu, o que o Cardeal Bergoglio exigiu das Paróquias nas encruzilhadas dos caminhos de Buenos Aires: mantendo as portas abertas durante todo o dia, a presença de um sacerdote disposto a dispensar os Sacramentos, atenção pessoal ao peregrino, a criação de um ambiente sagrado para facilitar o encontro com Deus. Agora, o Papa Francisco, deu um presente à Catedral que a “santuariza” muito. O Arcebispo de La Plata, Mons. Víctor Manuel Fernández, presidiu na quinta-feira, 3 de Outubro, uma Missa na Catedral platense, onde expôs e entregou um obséquio que, o Papa Francisco, lhe ofereceu para o templo maior. —

É um Báculo que lhe foi entregue durante a sua visita pastoral a Myanmar (Birmânia). É feita de madeira por um grupo étnico muito pobre em Myanmar e a figura de Cristo tem os seus traços. O Arcebispo recordou que, durante a visita apostólica do Papa àquele país, os membros dessa comunidade não podiam assistir à Missa nem sair do lugar onde viviam, “para estarem presentes, pegaram neste pedaço de madeira e fizeram-lhe um Báculo

A respeito desta comunidade, O Monsenhor Fernández comentou que “eles são cristãos perseguidos da Birmânia e muito empobrecidos porque não lhes é dada nenhuma possibilidade de avançar” e depois ao saber disso “o Papa disse: ‘Vou usar este Báculo como um sinal, diante da sociedade, que estou com eles e que eles estão aqui comigo, embora não os tenham deixado vir”.

Além disso, o Arcebispo explicou que “a figura de Cristo tem as mesmas características que os povos indígenas, a forma do corpo, os traços do rosto, como que para expressar que Cristo é crucificado com eles, na sua dor” e que também tem “uma série de detalhes simbólicos próprios da cultura do lugar”. “Coloque-o (o Báculo) na Catedral disse o Papa Francisco, para que as pessoas possam vê-lo’ e hoje trazemo-lo para o deixar de modo permanente”, concluiu Monsenhor Fernández.

O Báculo ficará exposto aos peregrinos entre o Altar de Nossa Senhora de Luján e a imagem de São José.

Nesta celebração eucarística também foi lembrada a Beata Maria Ludovica, cujos restos mortais se encontram na catedral de La Plata, no 15º aniversário da sua beatificação.

Dirigindo-se a todos os presentes na celebração, o Arcebispo encorajou-os a “virem pedir à Irmã Ludovica um pouco de ajuda para, também,  imitarem uma vida tão generosa e feliz”.

Nesta linha, Mons. Fernández assegurou que “as preocupações da Irmã Ludovica e os seus gestos são também gestos que se vêem no Papa Francisco, de se aproximar do último, de estar ao lado daquele que está pior, de olhar para aquele que ninguém olha, aqueles gestos de afecto de Francisco que queremos recolher hoje”.

A Eucaristia foi, musicalmente, acompanhada pela “Missa Mestiça” dedicada ao Papa Francisco, uma peça musical realizada pelos compositores platenses, Bernardo Latini, Hugo Figueras e Oscar Allorio, que, pela primeira vez, foi executada numa celebração litúrgica.

A Missa Mestiça dedicada a Francisco

A eleição do primeiro papa latino-americano motivou três músicos argentinos ligados ao movimento de orquestras sociais a comporem uma missa em sua homenagem.  A “Missa Mestiça” que expressa a síntese cultural original do continente.

É uma obra que sintetiza a identidade dos músicos latino-americanos do século XXI. Esta é uma expressão artística em que se cruzam a herança europeia, a sua linguagem musical, a tradição da Igreja, com a cultura afro-americana, pré e pós colombiana.

A Missa Mestiça propõe empreender uma viagem cheia de cores e paisagens, percorrendo o canto gregoriano, o hino da Europa ocidental do século XIX, a habanera, o festejo peruano, o saya boliviano, o candombe uruguaio, a toada llanera  venezuelana, a valsa crioula, a bossa nova brasileira e o som das Caraíbas.

A Missa Mestiça, a partir da América e, nesta ocasião a partir da Catedral de La Plata, convida o mundo a “cantar pela paz dos povos, como propõe Francisco”, é dito na convocatória.

 

Informações: https://www.arzolap.org.ar/ (em ES)

Com material de www.aica.org

Original: espanhol (6/10/2019). Tradução: Lena Castro Valente, Lisboa, Portugal

 

Etiquetas: , , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *