lado oscuro

Colocado em 2021-05-31 In Coluna - Carlos Barrio y Lipperheide

Liderança do lado escuro da lua

Carlos Barrio e Lipperheide, Argentina •

Vivemos em um mundo excessivamente focado na busca de uma liderança que brilha, ofuscando, em parte, a importância do trabalho em equipe. Talvez porque exista uma tendência de êxitos e resultados, e narcisista na sociedade contemporânea, na qual buscamos (e talvez precisemos) estar sempre aos olhos dos outros, ser o centro, destacar-se, falar e se destacar. Parece que precisamos de um “like” dos outros como alimento para seguir e “salvar” a nós mesmos. —

Pode ser que esta tendência se deva também, em parte, ao fato de que nos tornamos em grande parte “mercadoria humana” que é permanentemente “citada” nas redes sociais. Por trás dessas citações há uma mercantilização da pessoa e um certo medo de ser desvalorizada. Aqueles que não têm uma liderança “brilhante” parecem correr o risco de ser ofuscados e “embaçados” pouco a pouco.

O terceiro astronauta

No dia 28 de abril de 2021, o astronauta Michael Collins, um dos três membros da missão Apollo XI que levou o homem à lua pela primeira vez em julho de 1969, morreu com a idade de 90 anos.

Collins foi o único dos três membros da missão que não pôs os pés em solo lunar.

Provavelmente devido a esse fato, Collins era o menos visível da missão ou pelo menos o único que, estando tão perto, não alcançou o precioso troféu de pisar no solo lunar. Basta uma imagem para entender como Collins trabalhou em equipe em um lugar que não brilha: enquanto a humanidade assistia fascinada na televisão como Armstrong pisou na lua e depois, junto com Aldrin, se comunicaram por telefone com o presidente Nixon dos Estados Unidos, Collins começava a se esconder por 47 minutos com a nave espacial “Columbia”, no lado escuro da lua, longe de seus companheiros e isolado de toda comunicação e contato visual com o mundo. A solidão mais absoluta!

A verdade é que um “Collins” foi necessário para que Armstrong e Aldrin chegassem ao solo lunar em 20 de julho de 1969. Não pode haver Armstrong e Aldrin sem Collins!

Retrato de la tripulación principal de la misión de alunizaje Apolo 11. De izquierda a derecha son: El comandante, Neil A. Armstrong; el piloto del módulo de mando, Michael Collins; y el piloto del módulo lunar, Edwin E. Aldrin Jr.

Foto da tripulação principal da missão Apolo 11. Da esquerda para a direita são: O comandante, Neil A. Armstrong; o piloto do módulo de comando, Michael Collins; e o piloto do módulo lunar, Edwin E. Aldrin Jr. – Fonte: Wikimedia

Trabalho em equipe

Somente um grande trabalho de equipe poderia alcançar este feito de humanidade. Uma coordenação que foi muito além do que foi feito por esses três astronautas, uma vez que, atrás deles, mais de 400.000 pessoas trabalhavam para a NASA e outras organizações estavam envolvidas, contribuindo com sua inteligência e capacidade para alcançar essa conquista. Além disso, diria que toda a humanidade deu sua contribuição – consciente ou inconscientemente – para alcançar o pouso na lua.

Em todo trabalho de equipe devemos entender que é necessário que sejamos um pouco dos três astronautas: às vezes somos chamados a ser Collins, passando pelo lado escuro de uma atividade, outras vezes seremos parecidos com Aldrin, estando perto do brilho, mas deixando os olhos se concentrarem em outra pessoa, e talvez a menor das vezes, seremos Armstrong, tomando as luzes da ribalta e sendo o centro de todas as luzes.

Mas nenhum dos três astronautas poderia ter alcançado o objetivo se não houvesse um trabalho em equipe coordenado e motivado. E esta foi a razão do sucesso!

Nós não sabemos realmente quem foi o líder da missão lunar. Talvez ele até estivesse no chão. Mas sabemos que os três astronautas se complementaram e formaram uma grande equipe que permitiu o sucesso da missão, e que este sucesso só foi possível porque se sentiram parte de um projeto que os motivou e os impulsionou a dar o melhor de cada um deles. Em outras palavras, foi uma tarefa que deve ter despertado grande entusiasmo e vitalidade entre aqueles que participaram. E é esta vitalidade alimentada mutuamente pelas contribuições de diferentes pessoas que gerou uma sinergia de feedback, na qual 1+1 não foi igual a 2, mas 3.

O verdadeiro líder é o que se abre aos demais para escutar 

Hoje mais do que nunca, em meio à pandemia da COVID-19, precisamos recuperar a fé e a esperança em nossas forças e compartilhar uma nova “missão Apollo XI” que nos une, para reconstruir as perdas que temos sofrido. Precisamos encontrar um ideal comum que multiplique nosso entusiasmo para seguir em frente.

Neste contexto, estamos experimentando uma profunda mudança no significado de liderança. Pouco a pouco estamos descobrindo que um bom líder não é aquele que toma as decisões, que toma posse de um suposto conhecimento e diz aos outros onde ir e o que fazer. Essa liderança está desatualizada. A imagem do líder solitário, único e excepcional, que se diferenciou dos demais por seu conhecimento exclusivo, perdeu sua relevância devido à força da realidade.

Cada vez é melhor compreendido que o verdadeiro líder é aquele que se abre aos outros para ouvir e descobrir a verdade vital que cada um carrega, e que ao mesmo tempo se oferece com sua própria vida; que facilita a descoberta do caminho a seguir, encorajando as verdades e valores dos outros e seus próprios; que compartilha em sua própria carne os problemas e dificuldades coletivas e, a partir daquele lugar, ajuda a crescer, motivando e procurando alcançar as alturas com toda a equipe.

José Kentenich explica este processo de liderança com grande sabedoria, quando nos diz que “…a vida que está em mim deve passar pela vida de todos aqueles com quem tenho que conviver, para quem devo trabalhar. Mas essa corrente de vida é alimentada, por sua vez, pela vida em minha comunidade. O riacho que parte de mim absorve o riacho que está em cada um deles. E o fluxo continua seu curso de pessoa a pessoa, volta novamente para mim e continua a circular cada vez mais…. Eu engenho no outro a vida que age em mim… meus subordinados transmitem esse fluxo de vida. Também recebo vida deles, eles são co-geradores de vida”. [1]

A liderança não se encontra no conhecimento intelectual, mas sim vital, em ser a ponte que permite compartilhar coletivamente o fluxo de vida de todos os membros da equipe, gerando um entusiasmo coletivo que leva à realização dos objetivos.

A nova liderança

Mas, além do que foi dito, o líder é aquele que facilita que cada um possa entrar em contato com seu interior, com sua originalidade e missão, com seu “sopro original da alma” [2], com os dons que cada um tem para contribuir com a equipe. Deste lugar, cada membro da equipe se sentirá realizado, agindo como Collins, Aldrin ou Armstrong. Serão capazes de caminhar pelo lado escuro da lua ou pelo brilho do sucesso, sentindo que faz parte de sua missão.

O empresário argentino, Servo de Deus Enrique Shaw [3] foi um exemplo da nova liderança a que me refiro. Domingo Evangelista, funcionário da fábrica Rigolleau, onde Enrique Shaw tornou-se gerente geral, lembra que um dia “… ele parou para conversar conosco, ficou ao nosso lado e começou a perguntar de uma forma amigável: como você está, como você está indo? Eu gostei e fiquei impressionado que ele quisesse saber como estávamos indo, fiquei surpreso porque ele estava usando macacão amarelo e que veio perguntar. Os diretores vinham de terno e gravata” [4].

Sem dúvida, a atitude de Shaw é uma atitude que desperta vida, ao se posicionar com empatia e perguntar como os outros estão, ouvindo e sabendo que em uma equipe é necessário que todos possam expressar suas necessidades e desejos e que não é possível construir uma liderança distanciada da vida de seus membros e da missão em que se estabeleceram. A humilde empatia de Shaw se manifestou não apenas através de suas palavras, mas também em sua atitude de compartilhar as mesmas roupas de trabalho.

Deste lugar, de descer à planície, de ser um entre outros, de estar aberto para receber a verdade e a vida de seus colegas de trabalho e, por sua vez, oferecer sua vida a eles, é possível alimentar e gerar uma atmosfera de abertura e confiança mútua, na qual tudo será importante para a realização do objetivo.

Nestes tempos em que a COVID-19 destruiu tantos empregos, gerando muita angústia e desespero, e nos leva a um forte isolamento social, afetando seriamente a capacidade de trabalhar de forma unida e integrada, é mais do que nunca necessário imitar o exemplo de Enrique Shaw e reconstruir o tecido de união entre aqueles que formam a rede de trabalho.

É esta predisposição que levará a um sentimento de trabalho em equipe e missão, no qual todos possam sentir que são vitais para a realização do objetivo proposto, e que, para isso, os Armstrongs não são mais importantes do que os Aldrins ou os Collins.

Earthrise

Texto não exclusivo e publicado em vários meios de comunicação. Com autorização do autor.

[1] José Kentenich. Conferências 1963, 3, 42-45. Conf. José Kentenich. “Textos Pedagógicos” (Herbert King), Ed. Nueva Patris (2008), pág. 305 y ss.
[2] José Kentenich. Palestra do ano de 1937 (exercícios espirituais). Conf. “O homem heroico”. Editorial Patris (2002), Palestra 4, pág. 124.
[3] Enrique Shaw foi um leigo e empresário argentino, nascido em Paris, em 26 de fevereiro de 1921. Teve uma vida meritória como marido, pai, amigo e empresário, a tal ponto que a Igreja abriu seu processo de canonização. Em 1952, junto com outros empresários, fundou a Associação Cristã de Líderes Empresariais (ACDE). O testemunho de sua vida, seus escritos e conferências têm inspirado muitas pessoas, encorajando-as a viver de forma santa no mundo do trabalho e dos negócios. Morreu em Buenos Aires em 27 de agosto de 1962.
[4] Sara Shaw de Critto “Viviendo con alegría. Testimonios y breve biografía de Enrique Shaw”. Editorial Claretiana (2017), pág.105

 

Original: Espanhol (24/05/2021). Tradução: Luciana Rosas, Curitiba, Brasil

Etiquetas: , , , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *