pensamiento unico

Colocado em 2021-07-11 In Columna - Manuel de la Barreda

A Síndrome da Rã Fervida

Por Manuel de la Barreda, Madrid, Espanha •

Em primeiro lugar, e dado que este artigo será lido por pessoas de diferentes continentes, peço desculpa, uma vez que o baseio principalmente na situação espanhola, que em alguns casos pode ser extrapolada para outros países, mas noutros casos não. Creio, contudo, que, apesar destas imprecisões, a mensagem é válida para todos. E também lamento algumas frases que, querendo “globalizar” o texto, causam mais confusão do que qualquer outra coisa.

Certamente não é a primeira vez que ao leitor lhe fazem referência à síndrome que dá o título a este artigo. Caso seja um dos que nunca ouviu falar, vou resumi-la. O escritor e filósofo Oliver Clerc, nascido na Suíça em 1961, é o primeiro a utilizar esta analogia num dos seus livros. Nele afirma que a melhor maneira de ferver uma rã viva é deitá-la em água fria e aquecer gradualmente a água. Quando a rã percebe que a água está demasiado quente, está fraca por causa do calor e não tem força para escapar, por isso é fervida até à morte. Se atirar a rã directamente para a água quente, ela salta e escapa por causa do impacto e da queimadura. Como curiosidade, esta teoria foi testada em 1998, quando se determinou que se cumprida se a temperatura da água subisse a um ritmo inferior a 0,02 graus Celsius por minuto.

O pensamento único

Esta analogia, esta síndrome, define perfeitamente o que está a acontecer na sociedade ocidental de hoje. Os valores da sociedade greco-romeno-cristã em que se baseou o desenvolvimento da Europa até ao século XX e que foram exportados para a América e outras latitudes ao longo dos últimos vinte séculos estão a ser atacados, dinamitados. E está a ser feito de uma forma subtil, sem grandes mudanças. A acção foi preparada primeiro através de novos conceitos como o “politicamente correcto”, onde, através da geração de valores de “pensamento único”, qualquer pessoa que ouse pensar de forma diferente é condenada e demonizada. O primeiro paradoxo do nosso tempo: já não se pode pensar livremente. Ou se pensa da forma como o sistema quer que se pense, ou se é um proscrito.

A partir daqui, o desenvolvimento deste “pensamento único” está gradualmente a ser construído, distanciando-nos dos valores que, até agora nos têm mantido unidos. O que começou, por exemplo, como um feminismo certamente lógico, como a defesa dos direitos da mulher, foi manipulado e distorcido até à actual Ideologia de Género, onde o sexo pode ser livremente escolhido pelas pessoas, e se dissermos o contrário,somos afastados. Vale a pena mencionar o caso do professor de uma escola secundária em Alcalá de Henares, em Madrid, que foi suspenso por ter dito aos seus alunos que “os homens nascem com cromossomas XY e as mulheres com cromossomas XX ” e que, embora possam ser transformados com operações, “geneticamente continuarão sempre a ter cromossomas XY ou XX“. Vai até ao absurdo da última lei sobre esta matéria em Espanha, onde, como diz um meme no WhatsApp, “agora em Espanha é mais fácil mudar de sexo do que tê-lo“, e que as mesmas feministas são contra esta lei, porque, por exemplo, o que acontece se um abusador se declarar uma mulher? E se um atleta com genes XY, para não dizer um homem, decidir sentir-se como uma mulher e apresentar-se em qualquer competição onde a força é mais importante? Todos os recordes mundiais que numerosas mulheres alcançaram com esforço e resignação cairão nas mãos dos XY que, de forma real ou não, fazem a escolha de se sentirem mulheres? Ou mudarão o nome das competições pedindo a vossa informação genética, para continuarem a ter competições masculinas e femininas, mesmo que se chamem competições XX e XY?

O filho com Síndrome de Down

Mas há mais, muito mais. Uma amiga minha, que trabalha numa instituição Governamental em Espanha, pediu algumas horas de “conciliação familiar” para poder ir buscar o seu filho com Síndrome de Down ao autocarro escolar. Devo dizer que estas horas não se perdem, mas são redistribuídas ao longo da semana para que o número total de horas trabalhadas seja o mesmo. Bem, a resposta do seu ilustre patrão foi que, porque ela tinha decidido ter o seu filho com uma deficiência e não fazer um aborto, eles não tinham de sofrer as consequências. E não lhe deu a autorização. Em 2019 houve um conflito num programa de televisão em Espanha, onde um dos convidados expressou a opinião de que o Estado não deveria pagar tratamentos de saúde para pessoas com Síndrome de Down, mas que os pais das pessoas afectadas deveriam fazê-lo eles próprios por terem decidido tê-los. Surgiu uma grande controvérsia dentro dos diferentes sectores afectados. Mas foi aí que a questão foi resolvida. E feito, como podemos ver pelo que aconteceu à minha amiga.

Violência de género

Tentando conhecer as opiniões de amigos, na semana passada outro, que é advogado de tribunal, que em Espanha é um profissional, licenciado em direito, especializado no processo judicial, ou o que é o mesmo, em direito processual e que detém a representação de indivíduos e empresas que precisam de ir a tribunal, partilhou comigo a reflexão de que estão a atacar a família sem piedade. Por exemplo, com toda a legislação que existe em Espanha sobre violência de género nos tribunais, verifica-se que 90% das queixas são falsas. Mas, mesmo que a queixa seja falsa, o marido ou parceiro masculino denunciado passa a primeira noite na prisão, sim ou sim. Que família não se separa diante de tal ultraje? Se a sua esposa ou parceiro o faz passar uma noite na prisão por uma falsa acusação, é preciso muita generosidade para perdoar e reconciliar. E a reflexão final que o meu amigo solicitador me transmitiu é também importante. É que a família é a única instituição que resiste à doutrinação e “uma forma de pensar” que tentam colocar na educação dos nossos filhos.

Por medo de perder o que se tem

Como devem ter reparado, excepto quando no início mencionei os nossos valores greco-romanos-cristãos da sociedade, não mencionei a religião, Deus ou a Igreja. Isto acontece simplesmente na nossa sociedade civil.

O que se passa connosco então, porque é que a sociedade não salta como em ocasiões anteriores, quando os seus valores mais inatos foram quebrados? A única resposta que me ocorre é que a história tem ensinado a estes revolucionários manipuladores que o mais importante é aquecer a água pouco a pouco. E não só isso, mas também que a rã, a sociedade, tem algo de próprio que tem medo de perder. Hoje em dia, na maioria dos países ocidentais podemos dizer que vivemos numa sociedade de bem-estar. Sei que esta declaração pode ser dolorosa para muitos países da América do Sul e de algum outro continente e peço desculpa por isso, mas penso que é válida para o argumento que estou a apresentar. Actualmente as leis têm vindo a limitar o poder de compra das classes médias sem lhes retirar a sensação de que têm alguma coisa. Eles têm a sua casa e uma segunda casa. Eles têm um carro. Podem ir de férias alguns dias por ano (cada vez menos). Ainda podem matricular os filhos em escolas privadas (embora isto também esteja a ser limitado para assegurar que todas as crianças sejam igualmente doutrinadas, pois como disse a Ministra Celaá em Espanha, “as crianças não pertencem aos seus pais”. A quem então? Ao governo?). E aquilo a que eu chamo a classe média, em Espanha, é uma gama muito, muito grande da sociedade como um todo.

Bem, em tempos passados, quer em 1934 em Espanha, quer em 1910 no México, quer em 1917 na Rússia, ou em muitas outras revoluções, o povo estava desamparado e não tinha nada a perder. Confrontados com a promessa de algo melhor, tomaram as ruas e atropelaram quem quer que fosse. Então, com o tempo, a verdade das revoluções veio à luz e foi por isso que, a longo prazo, falharam. Actualmente, por outro lado, as pessoas têm algo a perder: a sua casa, o seu carro, as suas férias, a sua conta bancária, por mais vazia que seja… E é por isso que, passo a passo, estão a introduzir as mesmas ideias do passado, convenientemente actualizadas para não parecerem velhas, e a única coisa que procuram é formar uma sociedade que seja facilmente manipulada. Mais do que nunca, vemos ligações entre o capital, o Grande Capital e a esquerda mais totalitária, porque entre o ter de um e a revolução do outro, eles vêem o que mais podem beneficiar mutuamente.

Há muito mais legislação que, pelo menos em Espanha, nos põe em cheque no que diz respeito aos nossos valores de sempre. A lei da eutanásia, sem ir mais longe, da qual o meu amigo Javier comenta que em Espanha é mais fácil pedir para ser morto do que para nascer. Isto só pretende ser uma pequena amostra do que temos à nossa volta.

E face a tudo isto, o que devemos nós, cristãos, católicos, fazer?

A resposta não é única. Cada um, de acordo com a sua situação, tem de avaliar o que pode ou não fazer.

Mas o que é claro para mim é o que a nossa resposta NÃO deve ser. Não podemos fazer nada. Não nos podemos permitir ser manipulados. Não podemos abdicar da nossa liberdade. Não podemos desistir da educação dos nossos filhos. Não podemos desistir de ser críticos, analisando a informação que nos chega e fazendo o nosso próprio juízo. Não podemos julgar as pessoas pelo que elas pensam. Não podemos ficar parados com as mãos cruzadas, para que eu não perca o que tenho. Cuidado. Já estás a perdê-lo. Estás também a perder o mais importante, a tua dignidade como pessoa e a liberdade que Deus te deu. E não estás a aperceber-te disso.

Se conseguiu ler até aqui, só quero comentar mais uma coisa. Como o leitor terá notado, eu não disse nada de novo. Tenho a certeza que já ouviram mil vezes o que escrevi, se não o mesmo, de uma forma muito semelhante. A minha intenção, portanto, não é trazer nada de novo, mas gritá-lo mais uma vez para que não o esqueçamos, para que não nos deixemos arrastar para este “pensamento único” que só pretende matar-nos internamente. É a minha humilde resposta a esta tentativa de fazer algo que o mandamento de “amar o nosso próximo” exige de mim.

Vamos poupar as nossas energias para combater o verdadeiro inimigo, e não gastá-las em lutas internas na Igreja sobre se gosto mais ou menos do Papa, ou se a Conferência Episcopal Alemã está a puxar para um lado e a Conferência Episcopal Americana está a puxar para o outro.

Original: espanhol (6/7/2021). Tradução: Lena Castro Valente, Lisboa, Portugal

Etiquetas: , , , , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *