cambio

Colocado em 2022-03-18 In Artigos de Opinião

A única constante é a mudança

Patricio Young, Chile •

A única constante é a mudança. Heraclitus formulou esta máxima há mais de 2.500 anos, mas com o ritmo vertiginoso dos nossos tempos ela adquire ainda mais significado e validade. 

O Pe. Kentenich também o previu quando assinalou que deveríamos refundar Schoenstatt de 50 em 50 anos. Ele foi muito claro quanto à existência de um Schoenstatt essencial e de um Schoenstatt existencial, tal como existe uma eclesiologia essencial e existencial. O primeiro Schoenstatt contém os postulados fundamentais tais como a Aliança de Amor, enquanto o segundo é modificado ou adaptado com a experiência e a vivência do tempo.

O Pe. Kentenich disse-nos em relação à Igreja: “Sem negligenciar o olhar retrospectivo, significa abraçar os sólidos alicerces da Igreja, ser inabalavelmente fiel à missão essencial da Igreja para todos os tempos, como foi considerada no início e como foi comunicada pelo Espírito Santo.

Mas, ao mesmo tempo, significa ser mais conscientemente orientado pelos acontecimentos realmente importantes, pelas transformações que ocorrem na época, pela nova margem dos tempos. A consequência disto será, por assim dizer, uma espécie de revolução, um forte movimento em toda a Igreja: abandonar uma concepção exageradamente conservadora e navegar para uma concepção progressista”. [1]

Um Movimento que não tem clareza sobre esta realidade e transforma tudo em essencial é pétreo e absolutamente fora de contacto com os tempos, e por isso tem um prazo de validade. Por conseguinte, ao recusarmo-nos sistematicamente a levar a cabo este processo de refundação e adaptação de Schoenstatt como resposta à realidade do século XXI, não só nos recusamos a cumprir a vontade do Fundador, como estamos a petrificar Schoenstatt. Aqui poderíamos aplicar o ditado chileno: “Os cuidados do sacristão mataram o padre”.

A carta dos membros da Juventude de Schoenstatt do Chile vem-me à mente quando eles assinalam: “Assim, um catolicismo ‘nas nuvens’ é aquele que simplesmente o ignora, porque vive agarrado exclusivamente a si próprio, às ‘verdades inamovíveis’ e, portanto, não aceita a possibilidade de mudança ou de ser confrontado com vozes novas e diversas”. 

Estar em movimento

Ser um Movimento é estar em movimento, estar aberto a mudanças e transformações que nos permitam ser resposta e melhor sintonizados com a realidade de cada época. É contrário à estática, ao sedentarismo. O Pe. Kentenich é muito claro acerca de uma Igreja sedentária, que neste caso poderia muito bem repetir-se para Schoenstatt: “O carácter sedentário estender-se-á então a todo o ser católico enraizado naquela Igreja sedentária e também a todo o ser da própria Igreja… Há também o perigo (e isto é o que considero mais importante) de que na Igreja sedentária a ousadia, a ousadia da fé, seja completamente enfraquecida e acabe por desaparecer”.

“O membro da Igreja sedentária quer não só bem-estar na terra mas também no céu”.

“Deixem-me ser mais franco e claro: a longo prazo, na Igreja sedentária, a fé tornar-se-á raquítica. A fé autêntica e sobrenatural acabará raquítica. Porquê? Por causa de uma vida aburguesada, por causa de uma religiosidade aburguesada”. [2]

Mensagem forte e clara do Padre Kentenich, que tem sem dúvida um enorme significado para um Schoenstatt que pude experimentar em 57 anos de pertença, onde as mudanças têm sido poucas.

Aqui vale também a pena recordar a reflexão de Guillermo Parra onde ele assinalou: “Embora a vida possa ser compreendida olhando para trás, deve ser vivida olhando para a frente”.

A minha proposta é que enfrentemos a refundação dos 100 anos, caracterizando melhor o que é o carisma do Fundador e o carisma da fundação. Para tal, é necessário compreender e perceber que os dois não são a mesma coisa, embora estejam relacionados e sejam complementares.

Desde a crise que ocorreu em muitas fundações, a Igreja começou a reflectir sobre a necessidade de separar os dois carismas: “carismas e dons pessoais do fundador e o núcleo essencial do carisma fundacional, que está destinado a tornar-se colectivo e do qual ninguém tem o selo ou a propriedade. À luz desta distinção, é evidente que qualquer personalização é uma tentativa de apropriação de um dom que, desde a sua origem, se destina a ser colectivo“. Assinalou a Dra. Linda Ghisoni, subsecretária para o sector leigo do Dicastério para os Leigos, Família e Vida, na reunião com os moderadores das Associações de fiéis, realizada a 16 de Setembro passado. 

Um importante teólogo, Juan Bautista Duhau, realizou um interessante estudo sobre o assunto. No seu artigo afirma: “Confrontado hoje com múltiplas revelações que testam a relação entre o carisma do fundador e o carisma da fundação, há necessidade de aprofundar a teologia dos carismas, mas não só a partir de uma perspectiva de graça e espiritualidade, mas também incorporando os elementos oferecidos por outras disciplinas. Talvez uma relativização saudável da figura do fundador – a fim de continuar a estudar a comunidade reunida à sua volta, como um todo essencial para o desenvolvimento da organização – possa dar alguns contributos valiosos para esta discussão”.[3]

Isto é absolutamente consistente com o que o Pe. Kentenich disse na celebração do seu 80º aniversário em Roma: “Tudo o que foi feito em Schoenstatt é um trabalho feito em comum. Em parte porque tudo aquilo que considerei oportuno ou que pensei reconhecer como querido por Deus, descobri-o nos vossos corações. Por isso, estiveram presentes de forma criativa como fonte de conhecimento. Nem nada foi feito ou gerado sem a vossa colaboração; colaboração que eu conscienciosamente procurei e recebi”.[4]

Parece-me que as suas palavras são muito claras e mostram-nos um caminho a seguir na definição do nosso carisma fundador. Sem dúvida, muitos têm contribuído para este carisma. Em primeiro lugar, os membros que participaram na fundação nas diferentes instâncias da Família e, juntamente com eles, todas as Causas Segundas de ontem e de hoje que contribuíram para o nosso carisma. Temos de o descobrir e trabalhar sobre ele como resposta às necessidades da Igreja e da sociedade durante os próximos 50 anos.

Não ouvimos os nossos jovens quando nos disseram na sua carta: “Apelamos a todo o Movimento no Chile, e àqueles que não participam nele e sonham com uma Igreja nova, que repensem as nossas estruturas, os nossos métodos pastorais, as nossas formas e práticas, para que possam ser uma verdadeira resposta aos tempos desafiadores em que vivemos hoje“.

Se defendemos a lealdade ao nosso Pai, é urgente começar esta refundação de Schoenstatt. Recusar significa não compreender que a única constante é a mudança e, portanto, permanecer ancorado num Movimento do século XX para o século XXI, o que implica não ter a capacidade de responder aos desafios do presente. Se isso acontecer, teremos um prazo de validade.


[1] José Kentenich, conferência para a Família de Schoenstatt, 31 de Dezembro de 1965. Publicado em A Renovação da Igreja, Nueva Patris, ISBN: 978-956-246-277-8, página 27.
[2] Pe. José Kentenich, Exercícios para o Instituto dos Sacerdotes de Schoenstatt, Novembro de 1966. Publicado em La Renovación de la Iglesia pp. 103 e 104.
[3] JOHN BAPTIST DUHAU revisão e actualização da teologia dos fundadores à luz da crise dos abusos Teologia e Vida 62/1 (2021) p.56
[4] José Kentenich, Roma, 16 de Novembro de 1965

Original: espanhol (18/3/2022). Tradução: Lena Castro Valente, Lisboa, Portugal

Etiquetas: , , , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.