Colocado em 2020-04-02 In A Aliança de Amor Solidaria em tempos de coronavírus, Artigos de Opinião

Desafios empresariais frente ao coronavírus

ARGENTINA, Carlos Barrio e Lipperheide •

Estamos vivendo uma realidade mundial sem precedentes, uma situação em que todos estamos aprendendo e procurando uma maneira de seguir em frente, em meio a muitas incertezas e perguntas ainda sem resposta.—

Estamos todos em choque, perturbados e desorientados. Não sabemos quando ou como vamos superar essas circunstâncias, mas o que sabemos é que precisamos encontrar uma saída e superar a pandemia.

Certamente, depois disso, o mundo não será o mesmo e todos teremos aprendido muitas coisas. Diante dessa situação, surgem perguntas que quero compartilhar para que, a partir dessa atitude de nos questionarmos, possamos nos encontrar. Então, eu me pergunto, quais são os maiores desafios e oportunidades que as empresas e seus líderes enfrentam nesse contexto? O que pode ser contribuído nessas circunstâncias difíceis para avançar na construção de uma empresa produtiva e ao mesmo tempo humana e orgânica, aliviando e gerando confiança diante de tanta fragilidade, medo e isolamento?

Cuidar da pessoa

Acho que o primeiro dos desafios que temos pela frente é cuidar das pessoas, ou seja, capital humano, proteger-nos das doenças, tomar todas as medidas necessárias para evitar infecções, tanto das pessoas que precisam permanecer na empresa, bem como aqueles que são enviados para suas casas para continuar trabalhando a partir daí.

Esse cuidado deve incluir os aspectos emocionais, tanto pela reclusão quanto pela insegurança existencial que provoca ver tantos doentes e falecidos.

O cuidado que a empresa tem falará da maneira como vê seus colaboradores. Como Watzlawick diz: “Não é possível não se comunicar”. [1] O que dizemos e fazemos, como o que não dizemos e não, comunica nossos valores e crenças. Vamos estar cada vez mais conscientes disso. É uma boa oportunidade para reforçar e despertar o senso de valor que todos têm para a empresa.

Vamos nos perguntar: como estamos comunicando cuidados mútuos na empresa? Que mensagens estamos compartilhando? O que podemos fazer para cuidar melhor de nós mesmos?

Não vamos perder de vista o que o grande empresário católico, Enrique Shaw, nos disse: “A empresa deve ser um instrumento da dignidade humana. O ‘clima’ deve ser tal que contribua para a ascensão do homem e lhe forneça seu trabalho e, em seu trabalho, a melhor oportunidade para seu desenvolvimento. ”[2] Certamente há muito o que fazer sobre isso.

O efeito econômico

Em segundo lugar, há um forte impacto econômico negativo sobre os resultados de muitas empresas devido à drástica diminuição de sua receita.

O desafio é tentar mitigar esse efeito, reduzindo custos e estimulando a imaginação e a criatividade para gerar novas possibilidades comerciais. O contexto é extremamente difícil e parece que não há muito o que fazer e que estamos numa encruzilhada sem saída.

No entanto, acho que deveríamos nos perguntar se essa não é uma oportunidade para fortalecer nossa consciência e descobrir que, apesar de tudo, “… o trabalho é uma participação do coração na atividade criadora” e deveria nos levar a uma”… doação de nós mesmos, a forjar e criar ”, como José Kentenich nos disse há muitos anos [3].

Encorajo-nos a nos perguntar o que podemos fazer para nos sentirmos unidos às nossas tarefas nessas circunstâncias difíceis. O que podemos contribuir de uma maneira inovadora para vivermos mais despertos e desejando forjar e criar, em um ambiente remoto, medos e restrições? Qual é a maneira que eu encontro para participar de coração no trabalho? É possível redescobrir nossa criatividade nesse novo contexto de trabalho? Que mudanças imaginamos para viver mais plenamente? O que posso recriar para que isso aconteça? São perguntas difíceis em momentos muito difíceis, mas procuram abrir portas.

Estou convencido de que dessa perspectiva podemos viver nosso trabalho com mais alegria nesses momentos difíceis.

Vejo que, apesar de tudo, é um bom momento para nos capacitarmos em nosso trabalho. Enrique Shaw nos disse que “… o líder da empresa deve dar toda a liberdade possível, para que cada pessoa seja dono de suas ações e possa expressar sua personalidade”. [4] Aproveitemos as circunstâncias atuais e excepcionais para nos tornarmos mais donos de nossa liberdade criativa e expressar nossa personalidade mais autêntica, para benefício mútuo e maior produtividade. Acredito que esses momentos fortes nos chamam a aprofundar essas convicções e encontrar novos caminhos.

Se conseguirmos abrir esse caminho, ainda que um pouco, é provável que se possa avançar para uma melhor integração, evitando um trabalhador que “… execute o trabalho sem considerá-lo ‘seu trabalho’ e sem se sentir, como pessoa, ligado a ele e muito menos para a empresa. Sem qualquer possibilidade de ‘participação’, não há nada de surpreendente que ele não dê à empresa sua inteligência e coração. ”[5]

O impacto negativo da economia dos trabalhadores

Neutralizar o impacto negativo da economia sobre os trabalhadores é outro desafio que enfrentamos. Nas empresas, medidas de redução salarial estão sendo adotadas devido à queda nas vendas, o que está causando dificuldades para continuarmos pagando nossas despesas familiares. Em muitos casos, esta é a única maneira possível de evitar um fechamento, o que seria ainda mais prejudicial.

Vejo isso como um bom momento para todos nós construirmos o que Kentenich chamou de “solidariedade”, isto é, “responsabilidade um pelos outros e pelo todo” [6], isto é, solidariedade integrada à subsidiariedade: ser solidário com necessidades mútuas e, ao mesmo tempo, incentivar o empoderamento mútuo, para que todos possam fazer contribuições à empresa. Sejamos solidários e procuremos estar mais atentos às necessidades de nossos colegas de trabalho, alcançando a mídia fornecida pelas redes sociais. Ao mesmo tempo, desenvolvemos nossa capacidade de ação subsidiária, com proatividade, realizando todas as tarefas que podemos realizar para a empresa.

O quarto desafio que encontro é fortalecer os laços entre todos nós que compomos a empresa. A situação está afetando nosso espírito e quebrando a coesão coletiva devido à perda de proximidade com o trabalho e à incerteza sobre o futuro.

Podemos manter a unidade e a motivação no meio da tempestade? É imperativo que fortaleçamos nossa comunicação, enquanto fortalecemos nossos relacionamentos de vínculo.

As circunstâncias exigem que vivamos em proximidade e tenhamos uma mútua escuta empática. Mais do que gurus que apontam o caminho, precisamos ouvir a nós mesmos, conviver com sentimentos e preocupações, valorizar e sentir valorizados e levados em conta.

Mais do que nunca, nestes dias de incerteza, em que parece que as dificuldades dos negócios estão aumentando, a distância para se comunicar e a sensação de aprofundar um mundo líquido e desmembrado, o modelo de um novo homem que Kentenich nos propôs é iluminador, como uma “personalidade autônoma de grande interioridade, com vontade e disposição permanente para tomar decisões, responsável perante sua própria consciência e livre internamente, que está longe de ser uma escravidão rígida às formas e uma arbitrariedade que não conhece regras”. [7]

Vamos sair para o mar hoje à noite, iluminados por este novo homem, em direção às novas praias que nos esperam.

 

Carlos E. Barrio e Lipperheide

23 de março de 2020

[email protected]

 

Material não exclusivo. Republicação com permissão do autor.

 

Foto: IStock Getty Images -ID:1212284046, © Ca-ssis, licensed for schoenstatt.org

 

[1]P. Watzlawick, J. Beavin Bavelas y D. D. Jackson “Teoría de la comunicación humana”. (Ed. Herder, 1997), pág. 52. Original inglese, 1967.
[2] Enrique Shaw “… y dominad la tierra. Mensajes de Enrique Shaw”. ACDE (2010), pág. 70. Enrique Ernesto Shaw, nasceu em Paris em 26 de fevereiro de 1921 e morre em Buenos Aires em 27 de agosto de 1962. Foi um laico, marinheiro e empresário argentino, que se casou com Cecilia Bunge, com quem tiveram 9 filhos. Por causa de sua vida exemplar, a Igreja aceitou o início de seu processo de canonização e, desde 2001, ele é considerado um Servo de Deus. Ele promoveu e impulsionou o crescimento humano de seus trabalhadores, inspirando-se na Doutrina Social da Igreja, fundou a Associação Cristã de Líderes Empresariais (ACDE), uma entidade que faz parte da União Internacional de Empresários (UNIAPAC), e escreveu vários livros, folhetos e conferências.
[3] José Kentenich, “Desafíos de Nuestro Tiempo”. Editorial Patris, 1985. Textos escogidos del padre Kentenich. “Análisis de nuestro tiempo”, pág. 15.
[4] Enrique Shaw “… y dominad la tierra. Mensajes de Enrique Shaw”. ACDE (2010), pág. 70.
[5] Enrique Shaw. “Y dominad la tierra”. Editorial ACDE (2010), pág.83
[6] José Kentenich (Herbert King). “El mundo de los vínculos personales”. Editorial Nueva Patris (2015), págs. 90 y 91.
[7] José Kentenich. “Mi filosofía de la educación”. Editorial Schoenstatt (1985), pág. 14. Original alemão, 1961.

Original: Espanhol, 25.03.2020. Tradução: João Pozzobon, Santa Maria, Brasil

Etiquetas: ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *