titoOnz, iStock Getty Images

Colocado em 8. Janeiro 2019 In Artigos de Opinião

Um Ano Novo

Mons. Francisco Javier Pistilli Scorzara, Pe.Sch.Bispo de Encarnación, Missa de Fim do Ano 2018

Na vida, o começo e o fim são realidades únicas. Só há um início e apenas pode haver um final, numa obra. Mas, a dinâmica de começar e de terminar acompanha toda a nossa vida. Um dia, uma noite, um dia de trabalho, uma sementeira, uma colheita, um curso, um projecto, um compromisso. Também, uma etapa da vida, um caminho, uma oração, uma canção, uma promessa, um enfado, uma doença, um encontro, uma festa, uma despedida. Do mesmo modo, uma lágrima, uma gargalhada, um beijo, um abraço, um romance, uma inimizade. Cada dia é um novo começo e, ao mesmo tempo, um novo final. Saber dar início ao bem e saber pôr fim ao mal são tarefas que nos correspondem, no quadro temporal de toda a vida, de toda a relação, de toda a acção.

Saber transformar um mau início num bom final é uma obra-prima que, requer graça e compromisso.
O como e o porquê do que iniciamos ou terminamos estão relacionados, onde a ordem hierárquica dá prioridade ao porquê, subordinando o como. Terminar um conflito, requer, ao mesmo tempo, meios aptos para o tornar realidade. O desleixo de não saber empreender ou de não saber acabar pode ser surpreendido pelo imprevisto, a frustração, o desconcerto, a confusão, a fatalidade, a esterilidade, o extravasamento e o sem sentido. Um bom início e uma boa conclusão fazem parte do anseio diário. Os bons dias com que nos saudamos e as boas noites com as quais nos despedimos emolduram a bênção quotidiana de todo o dia. Assim, abençoamos a vida que se inicia no nascimento e abençoamos a vida que já descansa eternamente. Abençoamos a graça que nos faz filhos e abençoamos a graça que nos conduz à vida eterna.

Termina um ano e começa um novo, ainda que, o velho do que termina continue no novo que desponta e o novo do princípio apenas é continuidade do anterior, pois as coisas entregues a si mesmas, normalmente não mudam por si sozinhas. Saber transformar um mau início num bom final é uma obra-prima que requer graça e compromisso. Saber reverter um mau final num novo começo exige maturidade, segurança e sabedoria. Terminar o que iniciaste e dar inicio ao que, sem ti, não será possível, exigem decisão, responsabilidade e perseverança. Despedir-se do mau do passado não acontece pela mudança de página do calendário. Os desejos de bem-estar do futuro não têm início apenas pelo som da última badalada da meia-noite.

 

O Natal cristão marca o final do ano velho e o início do ano novo. Há 2.000 anos que vimos celebrando o começo da nova Criação, na graça e na misericórdia do Redentor, ansiando e sustentando a esperança da Sua manifestação plena. Cristo pôs fim ao desterro, ao pecado e à morte. Cristo trouxe a paz, a reconciliação e a vida. Em Cristo foi travada a batalha decisiva contra o mal e venceu o bem. Cristo personifica o fim de um mau começo e o início de um bom final.

Mas o que Deus começa pela graça, não se conclui sem a nossa colaboração. Pois, a paz de Cristo deve fazer frente às guerras entre irmãos, o amor de Cristo deve ainda derrotar os ódios entre nós, a liberdade dos filhos de Deus deve erradicar as escravaturas do pecado, em cada um. Pelo baptismo somos filhos, livres e santos, unidos na fraternidade e enraizados na eternidade. Mas, será a nossa vida, a maneira como a conduzimos em relação com Cristo e com os outros, a que definirá o desenlace final.

És cristão? Termina uma guerra, consolida uma paz. Põe fim a uma injustiça e restabelece a relação justa. Põe fim à divisão entre irmãos e afirma a unidade sem discriminações. Deixa para trás a mentira e vive na verdade. Retira-te do caminho egoísta e individualista e regressa ao caminho da partilha e do crescimento em comunidade. Conclui o caminho do perdão ao qual já deste início e edifica a reconciliação. Volta a página da amargura, do fracasso e começa o novo capítulo da esperança e da alegria de amar.

És cristão? Abandona o brinde da fatalidade e do destino, senta-te à mesa do ágape fraterno e da vida plena dos que vivem por amor, dando a sua vida a cada minuto, a cada hora, em cada dia, semana e ano, unidos a Jesus, consagrados à Sua paz e à Sua justiça, para construir o Seu Reino, aquele que não tem fim.

És cristão? Assume o teu papel para que acabe o mal e resplandeça o bem. Diz adeus ao Homem Velho e dá o seu lugar ao Homem Novo, em Cristo, em tudo o que inicies e concluas, em tudo o que termines para voltares a começar. Na véspera da Solenidade de Santa Maria Mãe de Deus, acolhemo-nos a Ela, que com um Sim deu lugar ao fim da obscuridade, para dar à luz o Messias da Paz, para desejar felicidade, justiça e paz. Feliz Ano Novo? Felizes, pois vamos com Aquela que decidiu bem e terminou ainda melhor, pois com Ela recebemos, uma vez mais, Jesus no ano que começa, pedindo a sua bênção e assumindo o compromisso de tornar vida o que nos concede.

Brindo contigo, para que a bênção e a proteção de Deus, nosso Pai, que nos arranca da antiga maldição e nos liberta do mal, no Seu Filho Jesus; para que o rosto iluminado de Deus sobre nós e o Seu favor em relação às nossas vidas, revelado, conhecido e experimentado em Cristo; para que o Seu olhar dirigido a nós e a paz que nos concede no Seu Espírito Santo, te façam comprometeres-te com um bom final e com um melhor início.

Seguros de que Deus não descansará, até concluir o que iniciou, em nós, desejo-te um feliz e abençoado 2019.

+ Francisco Javier Pistilli Scorzara, Pe.Sch.

Bispo

 

Original: espanhol (31/12/2018). Tradução: Lena Castro Valente, Lisboa, Portugal

 

Etiquetas: , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *