Colocado em 13. Novembro 2017 In Vida em Aliança

18 de outubro em Encarnación: festejos e bênção da pira de José Engling

PARAGUAI, Sonia Zaracho •

Com grande entusiasmo e uns meses de antecipação, organizou-se a grande Festa do 18 de outubro! Sob a atenta coordenação da Equipa de Liturgia, vários grupos assumiram as respetivas tarefas: A Novena à Mater, adornar a Igreja Catedral de Encarnación e, em especial, o lugar em que estaria a nossa querida MTA, a Imagem Peregrina Auxiliar, conquistada nesta Diocese com orações e terços, e também a nossa Casita da Mater, que os seminaristas numa visita a batizaram como “A alegre e piedosa”.

A Novena foi organizada pela Campanha da Mãe Peregrina. Cada dia foi atribuída a um Ramo para que vivenciasse a Novena conforme o carisma do seu Ramo. Foi uma preparação espiritual muito importante, vivida dia a dia para que chegassem com um coração muito preparado para o dia 18. O grande trabalho, feito por toda a equipa, tanto litúrgico, de ornamentação e peregrinação, foi coordenado pelo nosso irmão Arq. Jorge Hrisuk, pelas equipas de trabalhos, e pelo acompanhamento dos colaboradores de cada grupo de Schoenstatt de Encarnación, Colonias Unidas e Fram.

A Juventude ao serviço da celebração da Família

Na Catedral, a ornamentação brilhou fulgurante. Colocou-se a imagem da Auxiliar Peregrina no átrio. O grupo de boas-vindas, do acolhimento e da acomodação dos participantes estavam dentro do templo.

O inicio da missa foi pontual 19:30 horas, com a entrada de umas bonitas bailarinas paraguaias vestidas com trajes típicos (Apostolas de Maria e Juventude Feminina de Colonias Unidas), as bandeiras paraguaia, papal e do Movimento, seguidas pelos acólitos da Juventude Masculina e aqueles que não foram designados vestiam calças pretas, camisa branca e gravata roxa.

Por último, entraram o Pe. Berardo Medina, o Pároco Pe. Gilberto Penayo e o nosso amado Bispo, Mons. Francisco Javier Pistilli, o qual de manhã tinha presidido à Missa em Tupãrenda. Não cabia mais ninguém, o templo estava repleto de paroquianos e 90% eram do Movimento de Schoenstatt.

A celebração foi impecável e muito mais a homilia de Monseñor Francisco, destacando sempre o carisma que deve ter um schoenstattiano, de se pôr ao serviço sem que o chamem, fazendo a Igreja em saída como pediu o nosso querido Papa Francisco.

A Auxiliar foi levada pelos Homens Valentes do Terço

O coro foi uma maravilha, pois deram uma grande ênfase à apresentação, som e interpretação. Assim que terminou a missa, os jovens da JM levaram num andor a Auxiliar Peregrina de dentro do Templo, descendo a escadaria até à rua, onde foi entregue aos Homens Valentes do Terço. Seguindo em procissão com todos os paroquianos, fomos até à Casita da Mater, acompanhados da Banda Sinfónica popular “Santa Rosa”, os quais tocavam música religiosa dedicada a Maria durante o percurso.

A Casita (que fica próxima da Catedral) estava adornada e decorada com flores diversas à entrada e com velas acesas. Um cenário bonito com um grande arco de flores e um ecrã a meio, onde se projetaram em vídeo as saudações de vários sacerdotes do Movimento, do Padre Assessor Santiago Cacavelos e da Irmã Katya, assessora da Juventude Feminina, os quais recordaram o Pai Fundador.

Não faltaram as palavras de agradecimento dos Coordenadores da Obra, Sonia e Johnny Zaracho, assim como umas emotivas palavras dos Assessores laicos da Diocese, Nelly e Alfredo Ramírez, os quais recordaram as circunstancias do início do Movimento em Encarnación, começado na Diocese da Ciudad del Este a pedido de Monseñor Ignacio Gogorza.

Rosas vermelhas para a MTA

Foi um dia 18 diferente, pois logo a seguir à missa de Aliança, foi abençoada a Pira de José Engling para a queima do Capital de Graças dos filhos do Sul cada dia 18. Monsenhor Francisco Javier Pistilli abençoou-a e foi acendida e cada Ramo foi depositando os seus respetivos papelinhos de Capital de Graças, que vimos arder e elevar-se ao céu levando à Mater os seus pedidos e agradecimentos.

Viveu-se um momento muito emotivo quando a Juventude Masculina se juntou à procissão com as suas canções e rosas vermelhas para a MTA. Apresentaram os novos membros como aspirantes e invocaram os seus ritos e canções próprias da JM, com a alegre presença de Monseñor Pistilli, do Pe. Gilberto e Pe. Berardo que ficaram até ao final, os diferentes grupos aproveitaram para tirar fotografias com o Bispo e os outros sacerdotes.

Foi uma noite memorável, cheia de beleza, emoções e festejo pela renovação da Aliança de Amor, recordando a que fizeram os congregados e o nosso Pai Fundador com Nossa Senhora. O Pe. Kentenich não pôs os pés no nosso país, mas pôs o seu coração e o seu olhar em Posadas (Argentina) até Encarnación (Paraguai). Ali previu uma multiplicação da Obra como as estrelas do céu, e está a tornar-se realidade.

Neste contexto, realça-se o compromisso e a responsabilidade permanente da Obra de Schoenstatt desta Diocese, onde rezamos permanentemente por um Santuário do Sul e pedindo orações a toda a Comunidade.

 

Original: espanhol: Tradução: Maria de Lurdes Dias, Lisboa, Portugal

Etiquetas: , , , , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *